Cordão de isolamento

Cordão de isolamento

Puseram um cordão de isolamento em torno do Brasil. A causa principal não foi a Covid-19, mas outro mal que ora aflige o país: a falta de credibilidade. É uma espécie de isolamento térmico; nos deram um gelo nas discussões sobre o clima. O país, que antes ocupava a cabeceira da mesa na Cúpula da Ambição Climática, não teve direito a nenhum dos 80 assentos disponíveis este ano. O evento serve para traçar metas e objetivos que serão negociados na próxima Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU (COP-26) – a ser realizada na Escócia somente no fim do ano que vem, devido à pandemia. Se antes o Brasil dava as cartas, agora não somos mais convidados para definir as regras do jogo. Perdemos este privilégio. E o pior: a troco de nada. Há uma contradição interessante em curso. A sensação é parecida com a daquela pessoa que chega mega entusiasmada a uma festa, mas com quem ninguém quer papo. É triste, mas é verdade: o Brasil se tornou um espalha-bolinho global.

O Acordo de Paris está fazendo cinco anos e a pandemia deixou claro que os países não só precisam cumprir o acertado, como reavaliar suas metas. Aqueles que entenderam o recado se apressaram em agir. Joe Biden, presidente eleito dos EUA, já adiantou que seu país voltará ao tratado e que apresentará ao Congresso um plano de US$ 2 trilhões para combater as mudanças climáticas. China, Coreia do Sul e Japão anunciaram que vão zerar suas emissões de carbono até 2050; já a União Europeia revisou sua meta até 2030 e aumentou a redução de 40% para 55%, em relação aos níveis de 1990; brigado com o bloco, até o Reino Unido deu sua contribuição e aumentou de 40% para 68% a fatia de poluição a ser reduzida até 2030, na comparação com 30 anos atrás. Juntos, esses países respondem por 2/3 das emissões globais.

Você deve estar se perguntando o que o Brasil fez em relação a isso, não é? Nosso país é o sexto maior emissor (3,2% do total), sendo que o desmatamento responde por 44% do CO₂ que despejamos na atmosfera. Em 2020, 11.088 km² de floresta foram abaixo. Isso dá quase três vezes mais que a meta de 3.925 km², estabelecida para este ano pela Política Nacional de Mudança do Clima, em 2009. A conta é simples. Numa prova em que precisávamos ter nota 10, tiramos menos que 5. E o pior é que, ao que tudo indica, nosso governo é aquele tipo de aluno que faz de tudo para tentar esconder a nota dos pais (no caso, somos todos nós, brasileiros).

No último dia 8, o Ministério do Meio Ambiente apresentou as novas metas climáticas do país no âmbito do Acordo de Paris. “Novas” é forma de dizer. O texto manteve o compromisso brasileiro de reduzir em 43% as emissões de carbono até 2030, em comparação aos números de 2015. Por si só, o fato já representaria um descompasso. É como se o mundo todo estivesse dobrando sua contribuição em uma vaquinha e o Brasil continuasse pagando o mesmo. Não tem jeito: sempre pega mal. Mas uma pegadinha mostra que o vexame foi ainda maior.

Quando o acordo foi firmado, em 2015, a estimativa de emissões de poluentes pelo país era de 2,1 bilhões de toneladas. Posteriormente, estudos mais apurados indicaram que a sujeira liberada tinha sido maior, na casa de cerca de 3 bilhões de toneladas. Adivinha em que indicadores se baseiam as novas metas de redução do governo? No maior, é claro. Foi o jeito que o Brasil arranjou de poder poluir mais dizendo que ia poluir o mesmo. Ficou parecendo uma daquelas promoções em que os produtos saem pela metade do dobro do preço. Isso para não falar em outras jogadas, como pedir US$ 10 bilhões por ano a outros países na forma de incentivo para cumprir o combinado e a promessa de descarbonizar a economia só em 2060 – ou seja, dez anos depois da China. Tem cabimento?

Se uma coisa este ano de 2020 nos provou é que, juntos somos capazes de driblar até as situações mais complicadas. Está aí a vacina contra Covid-19, que teve o desenvolvimento mais rápido da história graças a um esforço de cientistas do mundo todo e não nos deixa mentir. A máxima vale inclusive em relação à possibilidade de harmonizar preservação da natureza e crescimento econômico – algo que, na verdade, nem é tão difícil assim. Em 2019, as emissões na União Europeia diminuíram em 3,7% – o nível mais baixo dos últimos 30 anos – enquanto o PIB cresceu 1,5%.

Há milênios, os indígenas já perceberam que cuidar do meio ambiente é um belíssimo investimento. Falta agora que o restante de nós se dê conta disso. Quando o desmatamento na Amazônia despencou em 82%, entre 2004 e 2014, a pobreza extrema caiu 63% no país. Coincidência? Parece que não. Só não vê quem vive em outro mundo.

#MudançasClimáticas #COP26 #Desmatamento #Amazônia #MeioAmbiente #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:

Cinco anos após Acordo de Paris, países apresentam novas metas para conter aquecimento global

Assinado há cinco anos, Acordo de Paris resiste a líderes que negam mudanças climáticas

Ambição climática não se improvisa (Izabella Teixeira e Gilberto Câmara)

Reino Unido vai parar de financiar projetos de petróleo, gás e carvão pelo mundo

Reino Unido e França apertam cerco a fósseis em cúpula do clima

Uma economia no verde (Lídia Pereira, eurodeputada do PSD; membro da Comissão do Ambiente, Saúde Pública e Segurança Alimentar no Parlamento Europeu)

Lídia Pereira e a recuperação verde europeia: “Temos que ser pragmáticos e ambiciosos”

Em 2019, as emissões de gases com efeito de estufa da UE desceram para o nível mais baixo desde há três décadas

Ex-potência climática, Brasil se afasta cada vez mais de metas do Acordo de Paris

Boi-bombeiro e Boitatá

Boi-bombeiro e Boitatá

O conto varia de um lugar para o outro, mas a essência da história é a mesma: um espírito incandescente toma conta das matas e espanta aqueles que nelas querem atear fogo ou causar destruição. O Boitatá muda de forma, mas a mais comum é a de uma grande cobra feita de chamas com brilho azulado. Ele persegue aqueles que fazem mal à natureza, cegando-lhes. O primeiro registro escrito da lenda é do jesuíta José de Anchieta, em uma carta assinada por ele em 1560. O folclore se relaciona a um fenômeno natural explicado pela ciência: fogo-fátuo é uma chama azulada e efêmera produzida pela combustão espontânea de gás metano em pântanos ou lugares úmidos onde há muita concentração de matéria orgânica em decomposição.

Praticamente cinco séculos depois de padre Anchieta está difícil para o Boitatá vencer a concorrência. Hoje outros mitos tomam conta do Brasil. Há quem acredite que a Amazônia não está sendo desmatada e que o Pantanal não está em chamas. Numa cegueira seletiva, fingem não ver o encolhimento do Cerrado ou o desequilíbrio climático que afeta todo o planeta. Falando nele, há os que dizem ser plano. Nega-se o racismo estrutural enraizado em nossa história. E, diante das imagens de covas comunitárias, há até mesmo os que relativizam a gravidade da pandemia de Covid-19. É tanto negacionismo que a gente chega a questionar a própria existência.

Em Brasília, as dúvidas se aprofundam. Ainda mais quando o assunto é meio ambiente. Existe uma política pública para cuidar da natureza (ou seria lenda)? Em 2019, o Ministério do Meio Ambiente tinha à disposição mais de R$ 10 milhões para combate às mudanças climáticas, mas só 13% foram usados; e dos R$ 3 milhões que iriam para a conservação e o uso sustentável de nossa biodiversidade, apenas 14% se converteram em ações concretas. Os dados são do relatório anual da Controladoria-Geral da União.

O ano virou e as proporções se tornaram ainda menores, segundo aponta o Observatório do Clima, em levantamento feito a partir dos dados do Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento. Nos primeiros oito meses de 2020, o ministério tinha à disposição cerca de R$ 26,5 milhões para ações de prevenção, mas só usou 0,4% do dinheiro disponível. Do montante de R$ 1,388 milhão que deveria ser usado para cuidar de nossa biodiversidade, 96,4% permaneceram intocados; e dos mais de R$ 6 milhões que deveriam ser utilizados em fomento a pesquisas relacionadas às mudanças climáticas, nem um único tostão foi investido. O dinheiro está lá, mas não se converte em ações práticas. Seria este o orçamento de Schrödinger?

A justificativa oficial foi que “o ministério alterou seu planejamento estratégico, sua estrutura e suas prioridades orçamentárias, com prioridade para recursos destinados aos programas de Qualidade Ambiental Urbana: resíduos sólidos, saneamento e qualidade do ar”. Se buscamos qualidade ambiental urbana acima de tudo, porque só 6% dos R$ 6,5 milhões disponíveis para a área foram investidos?
Outro que parece nunca ter existido é o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm). Mas não é lenda. No início deste século, nossa voracidade em relação ao verde tinha chegado a níveis pantagruélicos. Em 2004, inacreditáveis 27.772 km² de floresta foram abaixo. O plano se concretizou e o Brasil conseguiu reduzir em 83% a devastação na região entre aquele ano e 2012. Isso só foi possível porque houve um esforço em conjunto da sociedade brasileira, agronegócio incluído.

Já se sabia naquela época e repetimos hoje: preservar a natureza não é gasto, é investimento. Só em outubro de 2020 foram destruídos 7.899 km² de Amazônia, 50% a mais que no mesmo mês do ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Pagaremos muito mais caro depois.

Se não há investimento, então o que se propõe como solução prática para controlar o fogo? Uma das propostas é aumentar o espaço de criação de gado nos limites das reservas naturais para “reduzir o acúmulo de massa orgânica”. É claro! É só transformar a floresta em pasto que não tem mais incêndio, dizem eles. Não é assim que funciona? Respondemos: Não, não é.

Vejamos o Pantanal como exemplo. Há dois pontos que mostram a falácia. O primeiro é que o rebanho bovino no Pantanal cresceu nos últimos anos. Ou seja, se o boi é bombeiro, ele não está fazendo bem o seu trabalho, porque o número de focos de incêndio também aumentou. O segundo ponto é a conclusão da perícia na Reserva Natural do Sesc Pantanal: a causa do incêndio foi dada como queima intencional de vegetação desmatada para criação de área de pasto para gado em uma fazenda na região que entrou para a área da reserva. Mais uma vez, a ciência derruba a lenda.

O boi-bombeiro o boitatá às avessas. Não afasta os homens que querem destruir a natureza, antes pelo contrário, ele mesmo traz consigo o desmatamento. Aonde chegaremos se levarmos mitos ao pé da letra?

#Pantanal #Amazônia #Desmatamento #Queimadas #MeioAmbiente #MudançasClimáticas #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:
G1 – Por que a teoria do ‘boi bombeiro’ no Pantanal, citada pela ministra da Agricultura, é mito

Estadão – Bolsonaro volta a defender o ‘boi-bombeiro’ para apagar fogo do Pantanal

Governo de Mato Grosso – Perícia constata que incêndio em reserva no Pantanal foi provocado por ação humana

O Globo – Governo gastou, em 2019, cerca de 70% a menos com ações de combate ao racismo em relação ao ano anterior

G1 – Ministério deixa de usar maior parte da verba para preservação ambiental, diz CGU

G1 – Ministério do Meio Ambiente não gastou nem 1% da verba para preservação, diz levantamento

Valor Econômico – Política ambiental, o que o orçamento mostra e promete

BBC Brasil – Ibama paralisa combate a incêndios alegando falta de caixa, mas 15% do orçamento não foi usado

El País – Dióxido de carbono na atmosfera baterá novo recorde em 2020 apesar da pandemia

Valor Econômico – UE dirá no G-20 que quer reforma “verde” na OMC

Folha de São Paulo – Brasil trava preparo do acordo de biodiversidade da ONU

G1 – Novo site do Ministério do Meio Ambiente não tem informações sobre áreas protegidas

O Globo – ‘Não esperamos nada de positivo do governo, mas jamais vamos desistir’, diz líder indígena brasileira que recebeu prêmio Robert F. Kennedy de Direitos Humanos

Basta ouvir o vento

Basta ouvir o vento

O ano de 2020 não cansa de se superar. Agora são tantos ciclones e furacões nascendo no Atlântico que a lista de nomes previstos no início do ano pelos cientistas acabou. Os meteorologistas passaram a identificá-los com o alfabeto grego. Por isso, o mais recente tem o nome Zeta. A tempestade que está assolando a costa da Luisiana (EUA) é a de número 27. Mas o que um furacão nos Estados Unidos teria a ver com a gente, aqui no Brasil? 

Outro nome esquisito: oscilação multidecadal do Atlântico. Significa que a superfície do mar do Atlântico Norte está esquentando. E esse fenômeno é responsável tanto pela maior quantidade de furacões nos Estados Unidos quanto pela maior seca dos últimos sessenta anos no pantanal brasileiro. 

É como se fosse um El Niño no Atlântico. Mas, enquanto o El Niño ocorre em períodos que variam de 2 a 7 anos no Pacífico, as oscilações do Atlântico acontecem a cada três ou quatro décadas. Cientistas da NASA (Agência Nacional da Aeronáutica e Espaço dos Estados Unidos) estão acompanhando de perto. O chefe do laboratório de biofísica da agência, Douglas Morton, explicou ao jornalista André Trigueiro: “Estamos no período mais quente no mar Atlântico. E pode durar mais uma década, mais duas décadas ou ir mais longe ainda, porque as temperaturas na superfície do mar estão crescendo pelo aquecimento global”. Como consequência, o Pantanal e o sul da Amazônia ficam mais secos. 

“No sul da Amazônia, a floresta está transpirando menos água”, disse o cientista Carlos Nobre. “Durante os meses secos – principalmente julho, agosto e setembro – a temperatura no sul da Amazônia chega a ser três graus mais quente do que era nos anos 80. Então o ar que chega no Pantanal, vindo da Amazônia, chega mais quente.” 

É dessa parte mais baixa da floresta que saem dois irmãos: o rio Xingu e o Tapajós. Eles correm lado a lado, do Mato Grosso até o coração do Pará, onde suas águas se unem ao rio Amazonas. E foi às margens desses rios que ouvimos lições tão importantes nos últimos dez anos. 

À beira do Xingu, o antropólogo Eduardo Viveiro de Castro nos alertou lá atrás, em 2011: 

“As obras que estão se fazendo aqui, as fazendas de gado que estão se abrindo na região de São Félix do Xingu, as fazendas de soja que estão envenenando o rio com agrotóxicos lá na cabeceira do Mato Grosso, isso é o passado. Os índios que estão aqui, os ribeirinhos que estão aqui, são o futuro. Eles são a garantia de que o país tenha um futuro. E um futuro diferente do resto do mundo. Nós, brasileiros, gostamos de nos sentir diferentes. E se a gente quer mesmo ser diferente, vamos fazer diferente. Vamos fazer diferente do que os americanos fizeram com o Mississipi, vamos fazer diferente do que os europeus fizeram com os rios e com as florestas de lá. Vamos tentar ser originais. Então a primeira coisa a fazer é tratar, de modo diferente do que eles trataram, da nossa natureza.” 

E, à beira do Tapajós, o cacique Juarez Munduruku nos banhou com sua sabedoria ancestral em pleno 2020: 

“Esse rio aqui se torna meu corpo. Por que eu quero dizer que o rio é meu corpo? Porque ele é o corpo de todo mundo. Por exemplo, esses igarapés, são as nossas veias. Os madeireiros estão destruindo as cabeceiras dos igarapés. Então o que está acontecendo? O rio está morrendo aos poucos, também. Os igarapés são os primeiros que secam. E eles que fortalecem o Tapajós. Daqui a uns tempos, daqui a uns cem anos, nós vamos brigar pela água.” 

Como se não fosse suficiente manter um modelo de vida que agrava a crise climática, a ilicitude humana eleva ainda mais a régua. Este ano, foram mais de 194 mil focos de incêndio no Brasil, dos quais 20.926 queimaram o Pantanal. E, de acordo com o Ibama, mais de 90% dos incêndios na região foram ilegais. “Quem planta fogo colhe cinzas”, diz um brigadista à repórter Cláudia Gaigher, da Rede Globo. Escolhas individuais se desdobram em consequências vividas pelo todo. Até quando? 

Aqueles que insistem em criar divisões têm dificuldade em ver que tudo está conectado. Os povos tradicionais aprenderam com a natureza que o planeta é um só, e que nós pertencemos à Mãe Terra, não o contrário. Para tratar da verdadeira riqueza da melhor forma é preciso parar e ouvir os que entenderam, lá atrás, que o cuidado dos rios é tão importante quanto o das artérias. 

A mensagem está aí. Para recebê-la basta abrir os olhos, os ouvidos e o coração. 

#MudançasClimáticas #MeioAmbiente #PovosTradicionais #Amazônia #Tapajós #Desmatamento

Leia mais 

Eduardo Viveiros de Castro: Expedição Gota d’Água Xingu 

Amazônia Sociedade Anônima (documentário) 

Jornal Nacional: Pantanal, maior planície alagada do planeta, está sendo destruído como nunca se viu antes

Por falta de recursos humanos e materiais, fauna no Pantanal é destruída pelo fogo 

WWF – O Bioma Pantanal 

Clima Info: O que o clima seco no Pantanal e no sul da Amazônia tem a ver com a crise climática?   

G1: Com 2.825 pontos de incêndio, Pantanal tem pior outubro da história 

Dois gatilhos e um ponto de virada

Dois gatilhos e um ponto de virada

Como um vírus. Quando David Attenborough nasceu, em 1937, a população mundial era de 2,3 bilhões; a concentração de CO₂ na atmosfera, de 280 partes por milhão (ppm), e 66% da vida selvagem da Terra estavam preservados. Em 1954, quando o famoso naturalista inglês começou seu périplo pelo planeta, esses números tinham chegado a 2,7 bilhões, 310 ppm e 64%; e em 2020, a 7,8 bilhões, 415 ppm e 35%. A destruição da natureza, causada por uma única espécie, vem crescendo em velocidade exponencial, talvez só comparável à da propagação da Covid-19 pelo mundo. A população triplicou desde o nascimento de Attenborough e a quantidade de pessoas infectadas pelo novo coronavírus cresceu mais de 3.000 vezes entre 31 de janeiro e 31 de setembro de 2020, de acordo com a Universidade John Hopkins. Por outro lado, se a situação da Terra inspira cuidados, a descoberta da cura pode estar próxima.

Passados 83 anos, a temperatura média global subiu 1°C, 70% das aves do planeta são domesticadas e 50% de suas terras férteis estão ocupadas pela agricultura. O mundo nunca experimentou mudanças tão radicais em tão pouco tempo. São 4 bilhões de anos de história de vida na Terra e houve cinco grandes extinções em massa – a última, reduziu a população de dinossauros em 75% –, até a chegada do Holoceno. Nesta era geológica, o clima no planeta e suas atividades vulcânicas se estabilizaram. Em 10 mil anos, houve somente aquele 1°C de aumento da temperatura. Attenborough considera o Holoceno o nosso verdadeiro Jardim do Éden. Graças a ele, a espécie humana pôde se dedicar à agricultura em larga escala, pois o tempo e as estações se tornaram mais regulares. Logo, se tornou uma das mais numerosas e a mais daninha do planeta. Agora rumamos para a sexta grande extinção – e, desta vez, além de causá-la, podemos estar entre as vítimas.

Ao longo de quase 70 anos dedicados ao estudo da vida selvagem, o naturalista conta, no documentário “David Attenborough e o nosso planeta” (2020), que observou dois gatilhos que nos fizeram despertar para a necessidade da preservação do meio ambiente. O primeiro foi quando os astronautas da missão Apollo 8 filmaram a Terra a partir da órbita lunar pela primeira vez, em 1968: “Naquela imagem, havia toda a Humanidade”, diz ele. O ponto azul na imensidão escura fez com que o homem despertasse para o fato de que o planeta era sua casa, que era finita e que cuidar dele era essencial, pois não havia para onde correr. Não por acaso, o primeiro grande encontro internacional sobre meio ambiente aconteceu quatro anos depois, em Estocolmo. Não chegou a ser um salto gigante para a Humanidade, mas foi um primeiro pequeno passo.

Dez anos depois da Apollo 8, lá estava Attenborough com um gravador no Havaí, para registrar o som das jubartes. À época, as baleias eram alvo de caça indiscriminada e corriam risco de extinção. Aquele canto calou fundo no coração de gente do mundo inteiro e ali o naturalista identificou o segundo gatilho: “Ninguém queria que os animais fossem extintos. As pessoas passaram a se importar com a natureza quando se tornaram cientes dela”, diz ele. A comoção global foi tamanha que até Roberto Carlos, o cantor mais querido do Brasil no período, dedicou a elas uma de suas canções – “Seus netos vão te perguntar em poucos anos / Pelas baleias que cruzavam oceanos / Que eles viram em velhos livros / Ou nos filmes dos arquivos / Dos programas vespertinos de televisão”. Preservar era pop e a palavra ecologia entrou de vez para o vocabulário cotidiano. O maior mamífero do mundo foi salvo, mas momentaneamente, já que continuamos maltratando seu lar.

“David Attenborough e o nosso planeta” foi gravado antes de a Covid-19 se espalhar mundo afora. Fosse hoje, provavelmente o naturalista teria identificado a pandemia como o terceiro gatilho. A emergência de saúde é, muito provavelmente, consequência direta da má relação entre homem e floresta. É bom dizer que a situação já era prevista por especialistas, como o astrônomo inglês Martin Rees, em 2014: “Viagens aéreas podem espalhar pandemias ao redor do mundo em dias”. Um levantamento feito pelo portal Getty Images em 26 países no ano passado mostrou que 92% dos entrevistados já estavam preocupados com a forma como tratamos a casa que dividimos no cosmo. Mais do que um gatilho, o novo coronavírus pode ser nosso ponto de virada definitivo. “Como a pandemia nos fez lembrar, somos dependentes uns dos outros e dependentes da nossa mãe-terra”, disse o Papa Francisco em uma live na internet na última terça (13). Sobre a Terra, o pontífice foi direto ao ponto: “Não podemos continuar a espremê-la como a uma laranja”.

Nós derrubamos 15 bilhões de árvores por ano. A continuar neste ritmo, a Amazônia terá se tornado uma savana seca já na próxima década, a produção global de alimentos vai entrar em crise por volta de 2080 e o planeta estará 4°C graus mais quente até o fim do século. Quem viver, não verá. Mais de 1/3 dos medicamentos que usamos hoje em dia têm seus princípios ativos derivados da natureza – de plantas, microrganismos e animais. Entre 60% e 80% dos antibióticos e remédios contra o câncer também. “Se olharmos para a história do desenvolvimento da medicina moderna, ela foi quase inteiramente baseada no estudo de plantas medicinais e microrganismos, especialmente para a fabricação de agentes anti-infecciosos”, explica João Calixto, diretor do Centro de Inovação e Ensaios Pré-clínicos (CIEnP). Apenas nos últimos quatro anos, o número de plantas e fungos ameaçados de extinção dobrou, chegando a 40%. A cura para a Covid-19 e outras moléstias fatais pode desaparecer antes de ser descoberta.

Apesar de ser testemunha ocular privilegiada (sic) de tamanha devastação, David Attenborough mantém a esperança de que sairemos dessa. E um estudo publicado na última quarta-feira (14) na revista “Nature” – também depois de seu documentário ser filmado, portanto – certamente lhe deu um novo alento, pois a missão pode não ser tão impossível assim. O estudo foi conduzido por um grupo de 27 pesquisadores de 12 países (liderado pelo brasileiro Bernardo Strassburg, professor da PUC-Rio e diretor-executivo do Instituto Internacional para Sustentabilidade) e mapeou ecossistemas do mundo inteiro. Os cientistas calculam que a regeneração de 30% das áreas degradadas do globo poderia evitar mais de 70% das extinções de animais terrestres e absorver quase metade do CO₂ – ou 466 bilhões de toneladas – acumulado na atmosfera terrestre desde a Revolução Industrial. Para começar, vamos regenerar mentalidades.

 

Leia mais sobre:

Em 13 dias, queimadas na Amazônia já superam total do fogo de outubro de 2019

Recuperar 30% de áreas degradadas pode salvar 71% das espécies e reduzir aquecimento global

Restaurar ecossistemas salvaria espécies e reduziria carbono

Recuperar de 30% da vegetação destruída no planeta salvaria 70% das espécies ameaçadas

Estudo conclui que Acordo de Paris pode ser cumprido com uma fracção dos programas de recuperação covid19

Perda de biodiversidade ameaça acesso a medicamentos

A pandemia pode redesenhar futuro da energia

Corredores de vida, de negócios e renda (Laury Cullen Jr)

Com aquecimento global, degelo do Ártico pode trazer novos vírus

Covid acelera transição verde na Scania

Agenda privada sustentável supre omissões do governo

Área de conservação privada avança no Pantanal

Consumo consciente contra crise do clima (Mara Gama)

Duas novas espécies de peixes são descobertas no Rio Madeira

Relatório contesta argumentos de que agrotóxicos mantêm produtividade

Concentrações

Concentrações

Está nos autos: o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso reconheceu a existência de uma “realidade imaginária paralela”. Evidências robustas atestam e dão fé à constatação. Ele, que é relator de uma ação contra o governo federal por não agir contra o avanço das mudanças climáticas, declarou em audiência que este subterfúgio vem sendo usado por quem se recusa a enfrentar a questão ambiental com dados concretos. Nesse mundo fictício, indígenas botam fogo na floresta; no real, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) certifica que em 2019, somente 7% das queimadas aconteceram em suas terras, que correspondem a 25% da região, enquanto 33% foram registrados em propriedades privadas, que somam 18%. Recuando no tempo, essa história fica ainda mais fantasiosa. Indígenas ocupam a Amazônia há pelo menos 8 mil anos. Em 1975, quando o Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) mediu o desmatamento na região pela primeira vez, a porcentagem era de 0,5%; em 1988, tinha pulado para 5,5% e hoje, 20%. Adivinhem quem começou a invadir a mata há 25 anos…

Quando esteve no Fórum Econômico Mundial de Davos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, usou da imaginação ao responsabilizar os mais necessitados pela encruzilhada climática em que nos metemos. Enquanto isso, um relatório recém-divulgado pela ONG Oxfam, elaborado em parceria com o Instituto Ambiental de Estocolmo, comprova que os 10% mais ricos (630 milhões de pessoas) são responsáveis por mais da metade (52%) das emissões de CO₂ do planeta. Os dados se referem ao período em que elas dobraram, entre 1990 e 2015. O 1% de pessoas mais ricas (63 milhões) foi responsável por 15% das emissões globais no período – enquanto a metade mais pobre da população emitiu apenas 7%, menos da metade. Logo, sua cota de carbono está sendo usada para uns poucos passearem de jipes de luxo – segundo o relatório, o aumento do número de veículos dessa categoria em circulação foi um dos responsáveis pela disparada nas emissões. Concentração de renda ajuda a concentração de gases do efeito estufa (GGEs) aumentar.

É fato: os mais pobres também são os mais atingidos pelas mudanças climáticas; ou seja, a maioria paga duas vezes essa conta. Hoje, os desastres climáticos também são a causa principal das migrações forçadas e obrigaram mais de 20 milhões de pessoas por ano a deixarem as suas casas na última década, segundo outro estudo da Oxfam. O texto destaca que os mais pobres, justamente “os que menos contribuíram para a poluição causada pelo CO₂ são os que estão em maior risco”. Os dados da ONG se referem ao mundo inteiro, mas dizem muito em relação ao Brasil real, em particular. O país tem a segunda maior concentração de renda do mundo, de acordo com o relatório o Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH) da ONU. Aqui, o 1% mais rico concentra 28,3% da renda total – perdemos apenas para o Catar, onde 1% detém 29%.

Essa desigualdade se reflete no campo. Isso não é lenda, quem fala agora é a História com agá maiúsculo: há 170 anos, em 18 de setembro de 1850, o então imperador Dom Pedro II assinou a Lei de Terras que, em termos gerais, dividiu o campo brasileiro em latifúndios, em vez de pequenas propriedades. As consequências estão aí até hoje. Segundo o Censo Agropecuário do IBGE, 1% das propriedades agrícolas ocupa quase metade da área rural do país. O projeto Cortina de Fumaça, recém-lançado pela Ambiental Media, em parceria com o Pulitzer Center, através do Rainforest Journalism Fund, aponta que grandes fazendas concentraram 72% dos focos de calor nas principais áreas críticas de incêndios na Amazônia em 2019. Para se chegar ao resultado, os pesquisadores cruzaram os dados do Inpe com os do Cadastro Ambiental Rural (CAR) – ou seja, somente números oficiais. Não é só em tempos de pandemia que deveríamos evitar concentrações.

Estimativas do Sistema de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Seeg) do Observatório do Clima apontam que o desmatamento foi a principal fonte de emissões no Brasil em 2018, respondendo por 44% do total. O país é responsável por 3,4 % das emissões globais de GEEs. Num mundo de faz de conta esse número é pequeno, mas na dura realidade é maior que o de todos os países europeus, do Japão e da Austrália, por exemplo. Só ficamos atrás de EUA, China e Rússia. E o pior: fazemos isso dilapidando nossas maiores riquezas e arruinando a credibilidade do país no exterior – inclusive do agronegócio nacional. Em troca de quê? De acordo com uma pesquisa internacional publicada em julho na revista “Science”, 2% das propriedades agrícolas no Cerrado e na Amazônia são responsáveis por 62% do desmatamento ilegal. É essa minoria que vai nos impor o Brasil da realidade imaginária paralela?

Saiba mais:

Barroso diz que não se resolvem os problemas ambientais com ‘realidade imaginária paralela’

Ricos emitem o dobro de CO2 que a metade mais pobre da população, aponta estudo

Mais ricos emitem dobro de CO2 em relação a população mais pobre, diz relatório da Oxfam

Oxfam: 10% mais ricos emitem o dobro de carbono emitido pelos 50% mais pobres

Viagens de avião e carros poluentes: os 1% mais ricos provocam o dobro das emissões da metade mais pobre

Mudanças climáticas reforçam desigualdade no mundo

Grandes fazendas concentraram 72% do fogo de áreas críticas da Amazônia em 2019

Amazônia: agricultores causam maioria das queimadas, e não índios e caboclos, diz cientista Carlos Nobre

Ipam diz que áreas privadas respondem por 33% do fogo na Amazônia

2% das propriedades agrícolas no cerrado e Amazônia fazem 62% do desmate ilegal

Há 170 anos, Lei de Terras oficializou opção do Brasil pelos latifúndios

Concentração no campo bate recorde e 1% das propriedades rurais tem quase metade da área no Brasil

Brasil tem 2ª maior concentração de renda do mundo, diz relatório da ONU

Maior concentração de terras incentiva desmatamento e conflito

Catástrofes climáticas aumentam sem distinguir entre países ricos e pobres

Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas

Crise climática forçará deslocamento de 1,2 bilhão de pessoas até 2050