Enxugando gelo

Enxugando gelo

Deu praia de novo na Sibéria; ou seja, o tempo fechou de vez. Já chegou a fazer 68 abaixo de zero em Verkhoyansk, onde os termômetros marcaram 38°C no último sábado (20/6). Um recorde medonho. Tipo neve no sertão. A cidade russa, que fica dentro do Círculo Polar Ártico, vem registrando temperaturas médias de 10°C a 14°C acima do normal para esta época do ano. O ano de 2020 caminha para ser o segundo mais quente da história, ficando atrás somente de 2016 – mas naquele ano teve El Niño para botar lenha na fogueira e este ano ele não deu as caras. América do Sul, a Ásia e a Europa tiveram o período de janeiro a maio mais quente de suas histórias. A Itália tenta salvar a geleira Presena, onde funciona uma movimentada estação de esqui, cobrindo-a com um lençol térmico de 100 mil m². Ela já perdeu mais de 1/3 de seu volume desde 1993. A medida desesperada revela que, em vez de tomarmos medidas realmente eficazes contra as mudanças climáticas, temos enxugando gelo. Daqui a pouco chegamos ao ponto de escolher entre a frigideira e o fogo.

Enquanto penam no Hemisfério Norte, aqui no Sul temos vivido tempos brandos, de temperaturas amenas. Não fosse o coronavírus, uma praga global, nem nos lembraríamos que dividimos o mesmo planeta. Mas esta situação, relativamente confortável, tende a esquentar em breve. Mesmo que o Brasil não sofresse as consequências diretas do desequilíbrio climático e ainda que este não trouxesse o risco da explosão de novas pandemias, o seu bolso doeria, e muito. Ninguém quer pagar sozinho o preço da luta contra as mudanças climáticas.

O país já havia levado uma prensa federal quando o desmatamento disparou no início dos anos 2000. O movimento resultou na criação, em 2006, da chamada moratória da soja. Graças ao pacto, firmado entre governos, agronegócio e organizações ambientais, deixou-se de comercializar soja produzida em regiões desmatadas. Este ano já ganhamos nosso primeiro cartão vermelho: em maio, o Banco Central da Noruega excluiu a mineradora Vale e a estatal de energia Eletrobras do maior fundo soberano do mundo, por violações de direitos humanos e danos ambientais.

Nesta segunda-feira (22/6), os últimos e alarmantes dados sobre desmatamento na floresta amazônica levou um grupo de investidores internacionais, que administra US$ 3,75 trilhões, a enviar uma carta aberta a embaixadas brasileiras em oito países. O documento, assinado por 29 investidores institucionais de Noruega, Suécia, Dinamarca, Reino Unido, França, Holanda, Japão, EUA e Brasil fala, sem papas na língua, em “desmantelamento de políticas ambientais e de direitos humanos” e vai além: “É com grande preocupação que observamos a tendência de crescimento do desmatamento no Brasil. (…) Estamos preocupados com o impacto financeiro que o desmatamento e a violação dos direitos de povos indígenas podem ter sobre nossos clientes e companhias investidas, por potencialmente elevarem os riscos de reputação, operacional e regulatório”.

Ninguém quer ficar com nota vermelha no boletim do tempo. O economês vai ganhar novos termos e palavras e a política ambiental do governo não se enquadra nesse novo vocabulário. Se a boiada passar, como quer o ministro do Meio Ambiente, a gente corre o risco de não vender nem mais um boi sequer.

#MudançasClimáticas #CriseClimática #MeioAmbiente #Desmatamento #Amazônia #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:

ONU e OMS alegam que pandemias são resultado da destruição da natureza

Cidade da Sibéria, no Circulo Polar Ártico, registra 38°C no fim de semana

Calor bate recorde em cidade russa conhecida pelo frio extremo

Começou a temporada de queimadas. Na Sibéria

Itália embrulha geleira para proteger neve dos Alpes do aquecimento global

Amazônia: Fundos globais que administram US$ 3,75 tri pressionam por redução de desmatamento

Europa aperta o cerco contra produtos brasileiros

Temor de prejuízos com imagem negativa do governo no exterior racha agronegócio

Marina Silva: economia verde para sair do vermelho

Assista ao bate-papo do arquiteto e conselheiro de Uma Gota No Oceano, Miguel Pinto Guimarães, com a ambientalista Marina Silva. Ela fala sobre o tema “Economia verde para sair do vermelho”, as cadeias de produção e de pesquisa em biotecnologia da Amazônia, o respeito aos direitos dos povos tradicionais e o New Deal.

#Live #MarinaSilva #CadaGotaConta

Realidade Aumentada

Realidade Aumentada

O escritor Ariano Suassuna costumava dizer que “o otimista é um tolo e o pessimista, um chato; então, prefiro ser realista”. Não carregar nas tintas ajuda a enxergar mais claramente e isso pode ser decisivo em momentos de crise. O novo coronavírus pegou o mundo num momento especialmente delicado, marcado por disputas políticas que põem a própria ciência em dúvida, graves crises sociais e econômicas, e o avanço sem trégua das mudanças climáticas. À primeira vista, a perspectiva do mundo pós Covid-19 é sombria. Mas é possível sonhar um futuro melhor mesmo sem apelar para o otimismo: quando a gente enxerga com clareza, escolhe os melhores caminhos para concretizá-lo.

“Siga o dinheiro”. A frase popularizada pelo filme “Todos os homens do presidente” aponta algumas pistas. A atual crise do petróleo não parece ser apenas uma crisezinha, ela pode decretar a aposentadoria dos combustíveis fósseis antes mesmo do que imaginávamos. Um sinal: o Fundo Rockefeller Family anunciou, no último dia 22, que abandonará seus investimentos no setor. É uma notícia emblemática, já que a fortuna da família nasceu, há um século, com a companhia petrolífera Standard Oil. A instituição também decidiu retirar seu dinheiro da Exxon Mobil Corp, alegando que a empresa enganou a população sobre os riscos do desequilíbrio climático. Ainda que seja somente uma preocupação com a imagem da marca, a decisão quebra uma antiga tradição e aponta um desvio de rota relevante.

Agora uma evidência: o último relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), o “Global Energy Review 2020”, indica que a demanda global de energia em 2020 deverá cair 6%. Este tombo é sete vezes maior do que o registrado depois da crise financeira de 2008/2009. Ele equivale a toda a demanda anual de energia da Índia – ou o que consomem juntos o Reino Unido, França, Alemanha e Itália em um ano. “Este é um choque histórico para todo o mundo da energia”, afirmou Fatih Birol, diretor executivo da entidade. “Em meio às crises econômicas e de saúde, incomparáveis, de hoje, a queda na demanda por quase todos os principais combustíveis é impressionante, especialmente para carvão, petróleo e gás”, disse ainda Birol.

O levantamento da AIE aponta também que quem vem segurando as pontas são as fontes de energia renováveis – à frente, a solar e a eólica que, somadas, já têm capacidade instalada maior do que as hidrelétricas. Cada vez mais baratas, elas devem crescer 5% este ano e podem atropelar. E em tempos de pandemia, a adoção em massa do transporte coletivo movido a eletricidade ganha mais uma recomendação: “Além de ser mais solução limpa e barata para o transporte, essa energia vai reduzir os gastos com o já sobrecarregado sistema de saúde, afinal, a poluição reduz pelo menos três anos de vida das pessoas nas grandes cidades”, atestou Carlos Nobre, presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. A pandemia deve causar uma redução de 8% nas emissões de CO₂ – seis vezes maior que a de 2009. Não é o suficiente para manter a temperatura do planeta estável; além disso, outro efeito colateral das mudanças climáticas é o surgimento de novas doenças – ou a volta de antigas, como a febre amarela urbana. Mas é uma prova de que é possível reduzir emissões rapidamente.

Em seu recente livro, “O amanhã não está à venda”, Ailton Krenak fez um alerta: “Quem está apenas adiando compromissos, como se tudo fosse voltar ao normal, está vivendo no passado. O futuro é aqui e agora, pode não haver ano que vem”. Ou como disse a autora de “Economia donuts”, a economista e pesquisadora do Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford, Kate Raworth, “quando, de repente, temos que nos preocupar com clima, saúde, empregos, moradias e cuidados com a comunidade, existe uma necessidade (…) Não é apenas uma ideia alternativa do mundo”. Não há escolha: passada a pandemia vamos precisar mudar a forma como nos relacionamos com a Terra. E não só em escala planetária: quem nestes dias de isolamento ainda não refletiu sobre o que é essencial e o que é supérfluo para si?

Pequenas mudanças de comportamento podem se tornar hábitos saudáveis – para você e para o mundo. Uma transformação está em curso e ela é tocada por iniciativas individuais ou comunitárias. Curiosamente, o isolamento social pode nos aproximar: laços de solidariedade e de confiança precisam ser formados ou reforçados. No Brasil inteiro, pequenos produtores rurais e artesãos têm se associado para fazer seus produtos chegarem diretamente ao consumidor – que também está se unindo em grupos de compra. Gotinhas que se reagrupam para formar um novo oceano.

#MudançasClimáticas #DesenvolvimentoSustentável #Coronavírus #Covid19 #Sustentabilidade #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:

Covid-19: produtores orgânicos se organizam e expandem clientela no Rio

Lista de contatos de agricultores orgânicos e agroecológicos para compras conscientes

UE lança instrumento para promover desenvolvimento sustentável na América Latina

Queda ‘impressionante’ da demanda global por combustíveis fósseis

O fim de uma era? Família Rockefeller retira seus ativos das companhias de petróleo e carvão

Holanda prepara modelo econômico para decrescer após pandemia

A mundialização é uma interdependência sem solidariedade

Longe de ‘Blade Runner’, ‘Westworld’ reinventa uma Los Angeles que superou questões climáticas

O vírus que despertou a colaboração global

Ciência, cooperação e uma nova noção de humanidade

A moderna agricultura brasileira: mudanças e novas oportunidades

O coronavírus já mudou o que comemos: mais abacate e menos bacon

Coronavírus: o futuro incerto das viagens aéreas após a pandemia de covid-19

Crise do coronavírus expõe novamente os riscos da alavancagem financeira (Martin Wolf)

Crise da Covid-19 abre caminho para ônibus elétrico e futuro menos poluído

País tem de apostar em projeto sustentável (Rogério Studart, ex- representante do Brasil no Banco Mundial)

Covid-19: produtores orgânicos se organizam e expandem clientela no Rio

Em isolamento social, técnicos do ICV mantêm assessoria a agricultores familiares por telefone e Whatsapp

Compre de pequenos produtores e comerciantes durante a quarentena

Errar é humano, insistir no erro é desumano

Errar é humano, insistir no erro é desumano

Errar é humano. Insistir em negar as evidências é desumano.

“Nos últimos anos, políticos irresponsáveis minaram deliberadamente a confiança na ciência, nas autoridades e nos meios de comunicação”, escreveu no último dia 20 o historiador israelense Yuval Noah Harari, autor do best-seller “Sapiens: de animais a deuses, uma breve história da Humanidade”. Publicado no jornal inglês “Financial Times”, o artigo não por acaso se chama “O mundo depois do coronavírus”. Nele, Harari é direto: “as decisões que os governos e os povos tomarem, nas próximas semanas, provavelmente moldarão o mundo que teremos nos próximos anos”.

Não dá mais para fingir: pandemias, como a causada pelo novo coronavírus, e catástrofes, como os incêndios que castigaram o Brasil em 2019, deixarão de ser acidentes de percurso e se tornarão o novo normal. Hesitar pode custar vidas. Vamos aproveitar a quarentena para refletir?

Não adianta erguer muros em torno de cada país: doenças também se espalham pelo ar e as emissões de CO₂, sejam do Brasil ou do Japão, se acumulam na mesma atmosfera. É um problema comum a todos. A solução também depende da democratização dos cuidados e da informação. “Tanto a epidemia, quanto a crise econômica são globais, e apenas poderão ser resolvidas com a cooperação global. Para derrotar a pandemia, precisamos compartilhar globalmente a informação”, afirma o historiador israelense. Só assim conseguiremos criar barreiras eficazes contra os inimigos que nós mesmos criamos.

Quem acompanha as notícias e os artigos científicos sobre a crise climática já sabe que nosso modo de vida tem duros impactos no planeta e na saúde das próximas gerações. No entanto, a realidade atual impõe pressa: não se fala mais em décadas, mas sim em semanas. Chegamos ao ponto em que não dá mais para fechar os ouvidos (ou as abas do seu navegador) para os cientistas. “A época da pós-verdade e das fakenews nutriu uma apatia à realidade. E aqui está um vírus real – e não um de computador – aquele que causa uma comoção. A realidade resiste e volta a se fazer notar no formato de um vírus inimigo” escreveu o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han.

E a sociedade brasileira está mostrando que quer ouvir a Ciência. Esta semana, a entrevista do microbiologista Atila Iamarino bateu o recorde histórico de audiência do programa Roda Viva, com repercussão intensa nas redes sociais. Há um mês, quem poderia imaginar que esta marca seria conquistada por um microbiologista?

Uma mudança imposta por um vírus, por uma quarentena que levará provavelmente meses. Nesse tempo, pais estão convivendo mais com seus filhos e vizinhos estão interagindo, mesmo que pelas varandas.

A próxima mudança deverá ser tomada por nós. Será um desdobramento de todas as reflexões levantadas durante esta crise. Para nos salvar e salvar nosso planeta é preciso repensar e remodelar nosso jeito de produzir, de gerir, de governar, de ser cidadão, de existir. Byung-Chul arrematou: “Não podemos deixar a revolução nas mãos do vírus. Precisamos acreditar que após o vírus virá uma revolução humana”.

O covid-19 já nos traz uma contundente evidência: é possível reduzir rapidamente as emissões de gases do efeito estufa. O fenômeno foi observado imediatamente nos países mais atingidos, China e Itália. E os europeus também já respiram um ar mais puro nesses tempos de isolamento. Isso não faz pensar que é possível adotar um modelo de desenvolvimento diferente?

Voltamos a nossa recorrente questão: o que será dos mais vulneráveis?

O novo mundo pressupõe outro modelo econômico, mais sustentável e solidário. Filantropia? Taxação de grandes fortunas? Construção de um grande fundo social? O caminho está aberto a várias possibilidades. Cabe a nós discutir qual é a melhor rota a seguir. Já estamos cientes de que somos gotas num mesmo oceano.

#Coronavirus #COVID19 #Pandemia #Ciência #CriseClimática #Planeta #DesenvolvimentoSustentável

Saiba mais: 

Jornal Nacional, edição do dia 31 de março

Yuval Noah Harari: the world after coronavirus

O coronavírus de hoje e o mundo de amanhã, segundo o filósofo Byung-Chul Han

Roda Viva – entrevista com Atila Iamarino

A crise que definirá nossa geração

Plataforma da Universidade de Washington para monitoramento dos casos de Coronavírus

Aldeias pedem ajuda contra coronavírus: “Sensação de que somos invisíveis”

Coronavírus e fascismo de Bolsonaro nos fazem esperar por nova era, diz Sidarta

Isolamento por coronavírus deixa ar mais limpo em cidades da Europa

Nossas desigualdades são vergonhosas, inconstitucionais, estúpidas e matam

 

Pandemia

Pandemia

Não é história pra boi dormir: nos cafundós da China, um incauto pangolim – uma espécie de tamanduá ou tatu com escamas – pisou nas fezes de um morcego e, ao cair numa armadilha e entrar em contato involuntariamente com o ser humano, deu início à pandemia que vem deixando o mundo em polvorosa. Assim como o ebola, a aids e a sars, a covid-19, causada por uma nova espécie de coronavírus (o Sars-Cov-2), tem origem animal; mas o principal culpado por sua disseminação é o próprio bicho-homem. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), por trás do aparecimento dessas doenças está a deterioração do meio ambiente causada pela atividade humana.

A degradação ambiental e as mudanças climáticas também fizeram chegar aos grandes centros urbanos do Brasil moléstias antes restritas a áreas de florestas, como a dengue, a zika e a chikungunya, transmitidas pelo famigerado mosquito Aedes aegypti. O inseto totalflex também trouxe de volta a febre amarela, doença erradicada das cidades brasileiras no início do século passado. Hoje, na surdina, o país passa pelo maior surto de dengue dos últimos anos: entre janeiro e 31 de dezembro de 2019 foram notificados 1.544.987 casos prováveis da doença. O número é 488% maior do que o anotado em 2018. O Brasil anda tão adoentado que essa informação já não causa a comoção de outrora.

Mas voltando à covid-19: apesar dos muitos pesares, a enfermidade acabou provocando um efeito colateral inesperado, porém benéfico: tanto China como Itália, os dois países mais atingidos até agora, reduziram substancialmente suas emissões de CO₂ desde que o novo coronavírus deu o ar da graça. Isso aconteceu devido à retração forçada de suas economias. Foi uma queda tão abrupta que os cientistas veem aí a confirmação de que seria possível conter rapidamente o avanço das mudanças climáticas com uma desaceleração radical na atividade industrial. E é preciso correr, antes que a caixa de pandora chamada permafrost seja aberta.

A covid-19 fez até agora cerca de 7 mil mortos em todo o planeta, enquanto a poluição mata cerca de 4,5 milhões de pessoas por ano – isso sem considerar os impactos climáticos. O permafrost é o solo permanentemente congelado que cobre 25% da superfície terrestre de todo o Hemisfério Norte – sobretudo na Rússia, Canadá e Alasca. Sob esta camada de gelo, que pode chegar a centenas de metros, hibernam microrganismos letais que podem despertar com o degelo, que vem acontecendo cada vez mais rápido.

Em 2016, um menino morreu na Sibéria depois de contrair antraz, doença causada pela bactéria Bacillus anthracis, erradicada há 75 anos na região. Também foram descobertos recentemente dois tipos de vírus gigantes, um de 30 mil anos de idade, conservados no permafrost. Nosso organismo não tem defesa contra esses germes pré-históricos.

O pior é que o permafrost mantém aprisionada quase 1,7 trilhão de toneladas de CO₂, quase o dobro do presente na atmosfera hoje. Segundo a projeção menos catastrófica, ele poderia perder 30% de sua área e liberar até 160 bilhões de toneladas de gases do efeito estufa (GEE) até 2100. É um círculo vicioso: quanto mais GEE liberar, mais o planeta esquenta e mais o permafrost descongela, nos deixando à mercê de micróbios desconhecidos. É bom fazer logo alguma coisa, ou a vaca vai pro brejo.

#coronavírus #covid19 #pandemia #meioambiente #mudancaclimatica

Saiba mais:

Surto de coronavírus é reflexo da degradação ambiental, afirma PNUMA

Coronavírus: a corrida para encontrar animal que foi origem do surto

Coronavírus e mudança climática: quando duas crises se encontram

Cinco países concentram 95% das mortes pelo novo coronavírus

Sul e Sudeste voltam a ter mortes de macacos com febre amarela, diz ministério

Os sinais que indicam nova alta da dengue no Brasil em 2020

Mortes por dengue triplicam no Brasil e já somam 295 registros

E a dengue? País registrou 1,5 milhão de casos ano passado. SP tem 61 mil notificações

E a tragédia da dengue continua

Paralisação econômica da China pelo coronavírus reduz emissões de CO2

Poluição do ar já diminuiu em Itália devido ao coronavírus

Entenda o que são os ‘permafrost’ e por que são uma ameaça à saúde humana

Degelo do Ártico está liberando quantidade impressionante de gases perigosos

Coronavírus: menos um milhão de toneladas de CO2 por dia

Ação humana contra o meio ambiente causou a pandemia do coronavírus, diz pesquisador

Translate »