skip to content
Reduzir o desmatamento rende bilhões

Reduzir o desmatamento rende bilhões

Que tal lucrarmos 70 bilhões de dólares até 2030? Para isso precisamos reduzir o desmatamento e, assim, ganharmos créditos de carbono florestais.

Mas o que significa isso? A partir de 2020, quando o Acordo de Paris entrar em prática, o Brasil poderá usar suas florestas como commodities, ou seja, matéria prima. Mas para isso precisamos ter florestas de pé. Assim, cumprimos nossas metas no Acordo e ainda lucramos.

O estudo foi feito pela Environmental Defense Fund (EDF), baseado em estimativas de preços futuros do carbono. Uma das importantes fontes de receita dessa equação é o REDD+ (Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal).

Esse mecanismo foi criado para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de Gases de Efeito Estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal. Entre eles estão a conservação e o aumento de estoques de carbono florestal e o manejo sustentável de florestas.

Os pagamentos são realizados de acordo com o volume de redução que a atividade promoveu, medidos em toneladas de CO2.

Via: Época

Saiba mais em: https://epoca.globo.com/ciencia-e-meio-ambiente/blog-do-planeta/noticia/2017/06/reducao-do-desmatamento-pode-render-beneficios-de-us-70-bilhoes-ate-2030.html

Foto: Mundo Estranho

Pampa é para criar gado

Pampa é para criar gado

Enquanto se desmata a Amazônia para criar gado, devastam o Pampa, bioma ideal para a pecuária, para plantar soja – grão utilizado para fazer ração para boi. Qual a lógica disso? O Pampa é um dos seis biomas brasileiros e é o segundo mais devastado, só perdendo para a Mata Atlântica.

A atividade pecuária não só convive bem com as espécies nativas pampeiras como até ajuda na preservação de sua biodiversidade. Mas a lógica do lucro pelo lucro atropela até a própria lógica. Em nome de quê?

Via O Eco

Foto: Adriano Becker

Saiba mais

Uma Nova Zelândia a menos de floresta

Uma Nova Zelândia a menos de floresta

O planeta perdeu o equivalente à área da Nova Zelândia em áreas florestais no ano passado. E perdeu para o fogo: o aumento de 51% em relação a 2015 se deu, principalmente, por causa de incêndios, segundo relatório da Global Forest Watch. Incêndios no Brasil, Estados Unidos (foto), Espanha e Portugal indicam que a área destruída este ano deve ser ainda maior. E floresta queimada também é mais CO2 na atmosfera.

Fatores climáticos à parte, o homem contribui ao tratar o solo de forma inadequada, praticar a monocultura do eucalipto e não fazendo o devido trabalho preventivo – ou até mesmo agindo criminosamente, como na Chapada dos Veadeiros e em Portugal. O lado bom disso: não é um trabalho para São Pedro, nós mesmos podemos resolver.

Via O Globo

Foto: Ringo H.W. Chiu/AP

Saiba mais

O Cerrado também cura

O Cerrado também cura

O efeito colateral imediato da destruição do Cerrado é a extinção de milhares de plantas medicinais com potencial de cura de várias doenças.

De acordo com o estudo publicado na revista Nature Ecology and Evolution, até 2050 o Cerrado, que é o segundo maior bioma da América do Sul e onde estão 8 das 12 nascentes das bacias hidrográficas do Brasil, terá a maior extinção de plantas do mundo desde o ano de 1500.

Uma das formas de conter essa destruição provocada pelo avanço da agricultura na região, é a criação de unidades de conservação, que hoje só ocupam 8% do Cerrado, resguardando a vegetação e mais de 10 mil anos de cultura de nativos, negros e europeus.

Via: Ciclo Vivo

Saiba mais em: https://ciclovivo.com.br/noticia/desmatamento-no-cerrado-faz-desaparecer-plantas-usadas-ha-seculos-pela-medicina-popular/

Foto: Troteando campo a fora

Queima total de florestas

Queima total de florestas

A concessão de terras no Brasil realmente parece um feirão. Um estudo divulgado pela USP aponta que a agropecuária ganhou mais de 40 milhões de hectares que foram desmatadas ilegalmente no passado. A anistia dos crimes ambientais se deu com a alteração da lei principal do Código Florestal.

É uma área maior que Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará juntos.

Esse número deve aumentar ainda mais com as Medidas Provisórias (MPs) aprovadas nesta semana pelo Senado que reduz mais de 800 mil hectares da Floresta Amazônica e da Mata Atlântica.

O Ministério do Meio Ambiente encaminhou as MPs para a sanção do presidente Michel Temer mas com recomendação que ele vete as alterações do texto principal que prejudicam a implantação das políticas para conter o desmatamento na Amazônia.

Via: Estadão

Saiba mais em: https://sustentabilidade.estadao.com.br/noticias/geral,mudanca-do-codigo-florestal-anistiou-41-milhoes-de-hectares,70001812607

Foto: Bruno Kelly

 

Veja mais vídeos sobre desmatamento

Translate »