Escolha uma Página

Artigos da categoria…

Direitos humanos

Nossa Liga da Justiça

Nossa Liga da Justiça

O adversário foi desleal: não teve escrúpulos em usar armas de fogo, a mentira, sua falsa crença em Deus e até mesmo doenças —...

ler mais
Luz, Câmera, Amazônia

Luz, Câmera, Amazônia

Por Vinícius Leal* Não é coisa de cinema, muito menos a lei da selva: a luta para se manter vivo na Amazônia é uma rotina real...

ler mais
Incompetência Estratégica

Incompetência Estratégica

“É uma região inóspita, afastada de tudo”, declarou o vice-presidente Hamilton Mourão, nove dias depois do desaparecimento do...

ler mais
Aquilombar é preciso

Aquilombar é preciso

Sobre a Lei Áurea, discursou 13 de maio de 1888 o senador Paulino de Souza: “É desumana porque deixa expostos à miséria e à...

ler mais
Esperança na Avenida

Esperança na Avenida

O novo coronavírus entrou em nossas vidas trazendo dor e uma pergunta, que até agora não se calou: sairíamos melhores ou...

ler mais
Somos todos Guarani Kaiowá

Somos todos Guarani Kaiowá

Somos todos Guarani Kaiowá. Você pode até lembrar da frase, mas dificilmente recorda como ela surgiu. Em 2012, a Justiça deu...

ler mais
Uma nova luta

Uma nova luta

Sobre a pandemia de Covid-19, quilombolas e indígenas podem dizer: "de onde menos se espera, daí é que não sai nada mesmo"....

ler mais
Os 30 anos da Constituição Verde

Os 30 anos da Constituição Verde

Em 5 de outubro de 1988 foi promulgada a nova Constituição Federal do Brasil. Meus pais não eram casados e eu nem pensava em nascer. Desde fevereiro de 1987, 72 senadores e 487 deputados federais trabalhavam intensamente, em parceria com a sociedade, para elaborar nossa nova Carta Magna.

ler mais
Um ano de extremos

Um ano de extremos

Instabilidade e variações ao longo do ano. Diante da avalanche de leis semeada pela bancada ruralista no Congresso, o estrago socioambiental foi até pequeno. Estrago real e muito maior quem mostrou, de fato, foi a natureza, revoltada com nosso descaso.

ler mais
Até agosto, foram 58 ativistas mortos

Até agosto, foram 58 ativistas mortos

Um relatório da Anistia Internacional Brasil lançado hoje revela mais uma vergonha nacional: 58 ativistas dos direitos humanos foram mortos até agosto no Brasil – durante todo o ano de 2016, foram 66. A maioria estava envolvida em questões ligadas ao meio ambiente e à disputa por terra. Em nenhum outro país morreram tantos.

ler mais
O amianto também na mira do STF

O amianto também na mira do STF

Os homens – e mulheres – de capa resolveram promover sua semana socioambiental. Vamos torcer que prevaleça o bom senso e a Justiça. No dia seguinte a julgamentos que dizem respeito às causas indígena e quilombola, entra em pauta no Supremo Tribunal Federal (STF) a proibição do amianto. A ação se arrasta a 13 anos e será retomada no dia 17 (quinta-feira).

ler mais
Indígenas e quilombolas juntos conta a injustiça!

Indígenas e quilombolas juntos conta a injustiça!

Não pode ser mera coincidência que 16 de agosto seja um dia decisivo tanto para quilombolas quanto para indígenas. Só podem ser boas vibrações. Ambos os povos têm encontros marcados no Supremo Tribunal Federal; que ótimo momento, então, para promover sua união. Que a luta indígena e quilombola pelo direito às suas terras seja uma só.

ler mais
#MarcoTemporalNão

#MarcoTemporalNão

A história dos povos indígenas brasileiros não começou em 1988. No dia 16 de agosto, o Supremo Tribunal Federal vai julgar três ações que podem ser decisivas para o seu futuro. Um dos principais estratagemas de grupos interessados em reduzir os direitos indígenas é usar este julgamento para aprovar o chamado “marco temporal”, uma tese político-jurídica inconstitucional.

ler mais
Um alvo pintado no peito

Um alvo pintado no peito

É como se cada ambientalista no Brasil tivesse um alvo pintado no peito. Pelo quinto ano consecutivo, é aqui onde mais se matam pessoas que defendem o meio ambiente no mundo, segundo o último relatório da ONG internacional Global Witness.

ler mais
Resistir é preciso!

Resistir é preciso!

É preciso resistir: não dá para ficar de braços cruzados diante de tanta injustiça. Por isso, organizações e entidades ambientalistas, indígenas, de direitos humanos e do campo decidiram se unir num movimento de resistência. Lutamos contra as medidas do governo Temer e da bancada ruralista que violam direitos humanos – especialmente de indígenas e de trabalhadores rurais – e põem em risco a proteção do meio ambiente.

ler mais
Violência que não para

Violência que não para

Violência crescente. A Comissão Pastoral da Terra divulgou hoje o seu relatório anual de conflitos no campo no Brasil e o resultado é preocupante: foram registrados 70 assassinatos em 2017, o maior número desde 2003.

ler mais