Escolha uma Página
Esperança na Avenida

Esperança na Avenida

O novo coronavírus entrou em nossas vidas trazendo dor e uma pergunta, que até agora não se calou: sairíamos melhores ou piores dessa provação? Ainda que seja cedo para conhecermos a resposta, os primeiros desfiles de escolas de samba do Rio de Janeiro e de São Paulo da era Covid-19 foram um sopro de esperança. “Nasce com a pandemia a necessidade de analisar e repensar a vida”, sugeriu a paulistana Unidos de Vila Maria. E o seu enredo, “O Mundo Precisa de Cada Um de Nós”, prescreveu como solução que “a nossa união, o dom de partilhar, revelam na cadência que a cura pra dor é o amor”. Exu, mensageiro dos orixás, que tem o dom da transformação, foi o grande destaque. Que ele abra os caminhos para nossa renovação, que passa por louvar nossa diversidade.

O Brasil que todos amam, multicultural, inclusivo, afetuoso, fraterno, alegre, gentil, pacífico e com uma consciência ambiental herdada de nossos ancestrais não só foi celebrado no Sambódromo do Anhembi e na Marquês de Sapucaí, como saiu vencedor. Nossa herança africana – que, afinal, nos legou o samba e vem sendo vergonhosamente escanteada – foi exaltada com toda pompa e circunstância que merece. Tema de enredo de boa parte das agremiações, ela deu à Grande Rio o seu primeiro título.

Com “Fala, Majeté! Sete chaves de Exu”, a escola de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, entrou na luta contra a intolerância religiosa e o racismo. A ideia foi desmistificar a divindade, equivocadamente associada à figura do diabo pela cultura ocidental. Logo ele que, segundo o zelador espiritual Danilo de Oxóssi, é “quem abre os caminhos da gente, é quem traz a prosperidade, quem traz a fartura para a sua casa”.

Mas não só: como Exu é o orixá que rege o lixo, a transformação e, portanto, a reciclagem, os carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora levaram essa ideia à Avenida, reaproveitando material de outros carnavais. A Grande Rio também levou o Estandarte de Ouro do “Globo”, além do prêmio Fernando Pamplona, primeiro carnavalesco a usar matéria-prima barata nos desfiles, criando luxo a partir do lixo. Seu objetivo, de acordo com o jornalista Marcelo Mello, um dos jurados, é exaltar a sustentabilidade: “É agregar material reaproveitável. Reciclar. Pensar em sustentabilidade, ajudar o planeta”.

A alegoria que mereceu o troféu foi o carro “Fala, Majeté”. Ele foi construído com sobras de adereços antigos e material recolhido pela Associação de Catadores do Jardim Gramacho. A escola também homenageou personalidades como o artista plástico Arthur Bispo do Rosário, a poeta Stella do Patrocínio e a catadora e profeta Estamira, personagem-título de um multipremiado documentário, que fizeram do lixo arte e ganha-pão.

Aldeando todos os espaços, os povos originários também estão fazendo da passarela seu território. A Unidos da Tijuca deu o seu recado logo em sua comissão de frente: “Brasil, Terra Indígena”. A escola carioca contou em seu enredo, “Waranã – A reexistência vermelha”, a lenda da origem do guaraná. A intenção foi reafirmar que os povos da floresta são seus verdadeiros donos e guardiões.

O mesmo objetivo teve a X-9 Paulistana, que condenou a destruição das florestas, o genocídio e a expulsão dos indígenas de seus territórios desde a chegada do invasor europeu em “Arapuca Tupi – A reconquista de uma terra sem dono”. O desfile, pelo Grupo de Acesso 1 do Sambódromo do Anhembi, contou com presenças ilustres como Sonia Guajajara, Celia Xakriabá, Ingrid Sateré-Mawé, Kleber Karipuna, Sonia Ara Mirim e o cacique kaiapó Megaron Txucarramãe, que cantaram que “renasce a esperança, fartura que faz e alimenta o sonho Tupi, mudam sentimentos na sociedade, novo pensamento, irmanar e sentir, o despertar da Humanidade”.

Já a Acadêmicos do Sossego, escola de Niterói que desfilou “Visões xamânicas” pela Série Ouro, na Marquês de Sapucaí, se inspirou no livro “A queda do céu”, do xamã Yanomami Davi Kopenawa e do antropólogo francês Bruce Albert. O enredo fala do colapso ambiental e climático que enfrentamos, causados pela cobiça do homem branco. “A partir da história que Davi conta nesse livro, a gente criou esse líder espiritual do nosso enredo, que é esse herói, que vai fazer uma saga através do mundo dos sonhos. Através do encontro com seres espirituais, vai encontrar outros líderes de nações indígenas do mundo inteiro para encontrar a solução para esse mundo que está acabando”, explicou o carnavalesco André Rodrigues.

Estamos na Década do Oceano e a paulistana Mancha Verde, antenada, ganhou seu segundo título no Anhembi cantando nosso bem mais precioso, a água: “O enredo tem duas grandes vertentes, uma delas é a religiosa, como a água se introduz em várias religiões e, também, por outro lado, um tema atual, que é a escassez, mostrar como o homem maltrata a água”, contou o diretor de carnaval da escola, Paolo Ricardo de Moraes Bianchi. Para os povos tradicionais, a água é sagrada; deveria ser para todo mundo.

Que encantados, orixás, santos, Javé, Alá, o Cristo amoroso dos Evangelhos e os homens sem fé de boa vontade nos guiem para um pós-pandemia mais fraterno e sustentável. Escola de samba não ensina só o batuque e poesia. Quem perdeu essas lições ou quer revê-las, sexta-feira (em São Paulo) e sábado (no Rio) tem o Desfile das Campeãs. Vamos aquecer tamborins e corações, e revigorar nossa esperança de que a Humanidade mude para melhor depois de o novo coronavírus passar não seja apenas uma fantasia? Afinal, o mundo precisa de cada um de nós, gotas no oceano.

 

Saiba mais:

Homenagens às culturas negra e indígena marcarão 2º dia no Rio

Enredo e Samba: Grande Rio vai mostrar os caminhos de Exu

Grande Rio conquista Estandarte de Ouro como a melhor escola de samba do RJ

“Exu não é diabo”: saiba quem é orixá mensageiro da Grande Rio

De lixo a alegoria: materiais inservíveis são base da arte da Grande Rio em carnaval que homenageará Exu

Povos indígenas dão show de representatividade na X-9

“Reconquistando a Terra” | Povos indígenas desfilam na X-9 em SP em enredo sobre devolução do território

Veja quais escolas participam do desfile das campeãs do Carnaval de São Paulo; TV Cultura transmite ao vivo

Seis escolas voltam à Sapucaí para o Desfile das Campeãs no sábado

Grupo Especial do RJ: veja os enredos, cante os sambas e confira os horários dos desfiles

Grupo Especial de SP: veja os enredos, cante os sambas e confira os horários dos desfiles

Carnaval consciente

Carnaval consciente

Este ano não vai ser igual aquele que passou, eu não cuidei, você também não cuidou. Aquela fantasia que brinquei virou uma tralha e a sua também foi para em alguma praia. Mas este ano, meu bem, está combinado, nós vamos mais preparados. 

Aqui seguem algumas dicas para a minimizar a ressaca no meio ambiente:

  • Foi ele, foi ele sim, foi ele que jogou o glitter em mim! Vem cá seu guarda bota pra fora esse moço, vamos trocar os glitters, feitos de microplástico que infestam os oceanos, pelo brilho das purpurinas biodegradáveis.
  • As águas vão rolar, copos de plástico não quero ver sobrar, eu passo a mao nos copos retráteis eu vou beber até nos afogar.
  • Mamãe eu quero, mamãe eu quero chupar, me dá um canudo, me dá um canudo de metal, mandioca ou macarrão.
  • Chiquita bacana lá da Martinica se veste com uma casca de banana nanica, não usa vestido, não usa calção, carnaval para ela é com fantasia de papelão.
  • Confete pedacinho colorido de saudade, ai ai ai ai, ao te ver na fantasia que usei confesso que chorei.

Mas ninguém precisa mais chorar, ou se culpar pelo dano ao planeta, entre nos links abaixo e pegue estas e outras para ter um carnaval só de alegria!

bit.ly/ecocarnaval

bit.ly/fantasiaspapelao

bit.ly/ecospray

bit.ly/reciclefantasia

bit.ly/pulandosustentavel

 

E também confira as marchinhas que espiraram nosso post:

bit.ly/atequartafeira

bit.ly/podemico

bit.ly/asaguasvaorolar

bit.ly/mamaemamaeeuquero

bit.ly/chiquitabacanadamartinica

bit.ly/confetepedacinhocolorido

Xingu, o clamor que vem da floresta (versão curta)

Xingu, o clamor que vem da floresta (versão curta)

O primeiro encontro entre portugueses e indígenas brasileiros foi pacífico, teve dança e missa campal. Isso aconteceu porque havia respeito entre eles. Respeito é a palavra-chave. Quem não quer ser respeitado? Mais do que terras, é isso que os povos indígenas do Brasil pedem. Como qualquer cidadão, o índio quer ser ouvido antes que se tomem decisões que afetem a sua vida. Respeito é bom, e quem não gosta?

Este vídeo foi rodado pelo documentarista canadense Todd Southgate durante o Carnaval de 2017, no Rio de Janeiro. Os povos indígenas foram homenageados pela escola de samba Imperatriz Leopoldinense com o enredo “Xingu – O clamor que vem da floresta”.

Xingu, o clamor que vem da floresta (versão longa)

Xingu, o clamor que vem da floresta (versão longa)

O primeiro encontro entre portugueses e indígenas brasileiros foi pacífico, teve dança e missa campal. Isso aconteceu porque havia respeito entre eles. Respeito é a palavra-chave. Quem não quer ser respeitado? Mais do que terras, é isso que os povos indígenas do Brasil pedem. Como qualquer cidadão, o índio quer ser ouvido antes que se tomem decisões que afetem a sua vida. Respeito é bom, e quem não gosta?

Este vídeo foi rodado pelo documentarista canadense Todd Southgate durante o Carnaval de 2017, no Rio de Janeiro. Os povos indígenas foram homenageados pela escola de samba Imperatriz Leopoldinense com o enredo “Xingu – O clamor que vem da floresta”.

O clamor do Xingu ecoa na Sapucaí

O clamor do Xingu ecoa na Sapucaí

Uma Gota no Oceano pede passagem para agradecer à Imperatriz Leopoldinense, escola de samba nota 10 em empatia, generosidade e consciência socioambiental, por levar a causa indígena à Sapucaí, em forma de cor e poesia, com o enredo “Xingu, o clamor da floresta”.

A gente certamente fala também em nome dos 870 mil indígenas dos mais de 230 povos do Brasil, que tiveram a oportunidade de apresentar ao mundo as suas reivindicações e a sua cultura.

Para além do desfile histórico, que contou com presenças de importantes lideranças como os caciques Raoni e Megaron, ao cantar o Xingu a Imperatriz ajudou a esquentar o debate sobre desenvolvimento sustentável, preservação do meio ambiente, demarcação de Terras Indígenas e mudanças climáticas.

Agora o povão já sabe: mexeu com o índio, mexeu com o clima!