skip to content
O sonho brasileiro

O sonho brasileiro

“Existe um sonho brasileiro?”, provocou o economista Eduardo Giannetti, numa live produzida por Uma Gota no Oceano. Afinal, o que se espera do Brasil? A gente sabe que o sonho americano, datado do início do século passado, vem embalado na crença de que qualquer um pode vencer na vida. Mas o que significa, afinal, “vencer na vida” em 2020, com uma pandemia na sala de estar e uma crise climática arrombando a porta? Em conversa com o presidente de nosso conselho, o arquiteto e urbanista Miguel Pinto Guimarães, o autor de “Trópicos utópicos” (2016) e “O elogio do vira-lata” (2018) disse acreditar que é hora de o Brasil aspirar a criar sua própria utopia e se tornar o preconizado país do futuro: “Devíamos mobilizar nossas energias na construção de um novo modelo civilizatório”. Não tem saída: o coronavírus nos mostrou que temos que reinventar nossa relação com o meio ambiente. “Vamos ter que nos repensar à luz dessa disfunção de metabolismo entre sociedade e mundo natural”, disse Gianetti.

Ao lidar com forças que estão além de seu controle, a Humanidade acabou se tornando vítima delas – a destruição do meio ambiente ajudou a deflagrar epidemias e a acelerar as mudanças climáticas. Para o economista, que foi colaborador da candidata à Presidência, ex-senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, além de sua biodiversidade o Brasil tem outra característica que o credencia a conduzir essa mudança, a sua multiculturalidade: “O elemento afro-indígena nos dá a possibilidade de construir algo original juntando elementos tão diferentes”. É preciso mudar a forma de pensar antes de começar a agir diferente. “A floresta era vista como um inimigo a ser vencido, um obstáculo ao desenvolvimento. Hoje, podemos afirmar que crescer 7% destruindo o patrimônio ambiental é muito pior do que crescer 3% preservando este mesmo patrimônio” disse Gianetti.

E dá para crescer bem mais. Em outra conversa online com Miguel, o cofundador e pesquisador sênior do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), Beto Veríssimo, apontou o caminho: a bioeconomia. “Tudo que é da natureza tem potencial econômico, as fibras, as resinas, os óleos. O Brasil perdeu a corrida da industrialização e se apoia basicamente no agronegócio. Nenhum país se desenvolve ancorado somente na agropecuária. É preciso produzir bens tecnológicos. Nos anos 1960, o Brasil se encontrava no mesmo patamar que a Coreia do Sul e hoje ela está muito mais avançada do que a gente”. O cacau sai da Amazônia para virar chocolate suíço ou belga. Para Veríssimo, é preciso agregar valor ao cacau, algo que não vem sendo feito: “A bioeconomia é uma dessas janelas de oportunidades, mas o Brasil não está fazendo o dever de casa. Além de não ter políticas públicas dirigidas para o desenvolvimento de tecnologias para a área e de não conseguir atrair investimento privado, ainda está destruindo os recursos naturais que são a base dessa futura economia”. A floresta já desempenha um papel enorme em nossa economia. Ela gera bens e serviços que são vitais para o agronegócio, a medicina, a alimentação etc., mas ainda não conseguimos dimensionar todo o seu potencial. “A Amazônia é uma grande Biblioteca de Alexandria da natureza. Só que nossa capacidade de ler essa biblioteca é muito limitada, seja por incapacidade de nossa ciência, seja pelo fato de que o conhecimento ancestral sobre ela foi dizimado nos séculos XVI e XVII. Conhecimento empírico que os povos da floresta acumularam por 15 mil anos e que a ciência moderna pode levar mil anos para recuperar”, explicou o pesquisador.

O Brasil já tirou da Amazônia o equivalente aos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro juntos. E 90% dessa área desmatada está abandonada ou subaproveitada. Segundo Veríssimo, é possível aumentar a produção sem sacrificar a floresta e o clima. “Até 2030 a agropecuária pode ocupar essas áreas, sem a necessidade de desmatar um único hectare, e ainda sobrariam partes que a gente poderia restaurar, principalmente as próximas a cabeceiras de rios”, disse ele. Fora que o modelo de desenvolvimento adotado na região, com base no desmatamento e em grandes projetos de infraestrutura, não gerou prosperidade para quem vive lá. “Hoje a Amazônia está relativamente mais pobre do que quando era floresta. Nos anos 1940, o estado do Pará tinha a economia voltada para o extrativismo e era o sétimo PIB per capita do Brasil; em 2010, com 25% do território desmatado, era o maior produtor de minério de ferro, exportava carne bovina e soja, tinha grandes hidrelétricas, mas era o 21º PIB per capita”, exemplificou Veríssimo.

O mundo inteiro já sabe que não há solução para a questão da mudança climática se a Amazônia não continuar de pé. “Há uma pressão externa monumental. Boa parte dos donos do dinheiro do mundo não querem investir no Brasil. Isso, aliás, já estava ficando claro antes mesmo da pandemia, no encontro do G-20 em Davos. Ninguém queria saber da nossa reforma da previdência, mas de proteção da Amazônia”. A conta das sanções internacionais será paga por todos nós. Ainda temos a chance de reverter esse processo, mas Veríssimo lembra que, para isso, será preciso também haver mudanças em nossas dimensões espiritual e ética. É preciso ter a consciência de que a natureza tem o direito de existir; recuperar ao menos parte do conhecimento daqueles que viveram na maior floresta tropical do mundo antes de nós. Este deveria ser o sonho brasileiro.

#Amazônia #MeioAmbiente #DesenvolvimentoSustentável #Sustentabilidade #Bioeconomia #EconomiaVerde #MudançasClimáticas #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Armínio Fraga: a social economia

Quais são os caminhos para uma economia mais democrática? Nosso conselheiro Miguel Pinto Guimarães conversa sobre os possíveis rumos com o economista Armínio Fraga. Uma conversa para discutir os rumos para uma sociedade mais justa e o papel do terceiro setor na falta de ações do Estado também pautam a conversa. Em um momento de crise econômica e sanitária, somada a atmosfera de polarização exacerbada, e os diálogos sobre possíveis rumos para o Brasil é fundamental para reaver a esperança em um país melhor. #CadaGotaConta!

#ArmínioFraga #EconomiaSocial

Inscreva-se no nosso canal: https://www.youtube.com/c/UmaGotanoOceano01/
Curta nossa página do Facebook: https://www.facebook.com/movimentogotadagua/

Realidade Aumentada

Realidade Aumentada

O escritor Ariano Suassuna costumava dizer que “o otimista é um tolo e o pessimista, um chato; então, prefiro ser realista”. Não carregar nas tintas ajuda a enxergar mais claramente e isso pode ser decisivo em momentos de crise. O novo coronavírus pegou o mundo num momento especialmente delicado, marcado por disputas políticas que põem a própria ciência em dúvida, graves crises sociais e econômicas, e o avanço sem trégua das mudanças climáticas. À primeira vista, a perspectiva do mundo pós Covid-19 é sombria. Mas é possível sonhar um futuro melhor mesmo sem apelar para o otimismo: quando a gente enxerga com clareza, escolhe os melhores caminhos para concretizá-lo.

“Siga o dinheiro”. A frase popularizada pelo filme “Todos os homens do presidente” aponta algumas pistas. A atual crise do petróleo não parece ser apenas uma crisezinha, ela pode decretar a aposentadoria dos combustíveis fósseis antes mesmo do que imaginávamos. Um sinal: o Fundo Rockefeller Family anunciou, no último dia 22, que abandonará seus investimentos no setor. É uma notícia emblemática, já que a fortuna da família nasceu, há um século, com a companhia petrolífera Standard Oil. A instituição também decidiu retirar seu dinheiro da Exxon Mobil Corp, alegando que a empresa enganou a população sobre os riscos do desequilíbrio climático. Ainda que seja somente uma preocupação com a imagem da marca, a decisão quebra uma antiga tradição e aponta um desvio de rota relevante.

Agora uma evidência: o último relatório da Agência Internacional de Energia (AIE), o “Global Energy Review 2020”, indica que a demanda global de energia em 2020 deverá cair 6%. Este tombo é sete vezes maior do que o registrado depois da crise financeira de 2008/2009. Ele equivale a toda a demanda anual de energia da Índia – ou o que consomem juntos o Reino Unido, França, Alemanha e Itália em um ano. “Este é um choque histórico para todo o mundo da energia”, afirmou Fatih Birol, diretor executivo da entidade. “Em meio às crises econômicas e de saúde, incomparáveis, de hoje, a queda na demanda por quase todos os principais combustíveis é impressionante, especialmente para carvão, petróleo e gás”, disse ainda Birol.

O levantamento da AIE aponta também que quem vem segurando as pontas são as fontes de energia renováveis – à frente, a solar e a eólica que, somadas, já têm capacidade instalada maior do que as hidrelétricas. Cada vez mais baratas, elas devem crescer 5% este ano e podem atropelar. E em tempos de pandemia, a adoção em massa do transporte coletivo movido a eletricidade ganha mais uma recomendação: “Além de ser mais solução limpa e barata para o transporte, essa energia vai reduzir os gastos com o já sobrecarregado sistema de saúde, afinal, a poluição reduz pelo menos três anos de vida das pessoas nas grandes cidades”, atestou Carlos Nobre, presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas. A pandemia deve causar uma redução de 8% nas emissões de CO₂ – seis vezes maior que a de 2009. Não é o suficiente para manter a temperatura do planeta estável; além disso, outro efeito colateral das mudanças climáticas é o surgimento de novas doenças – ou a volta de antigas, como a febre amarela urbana. Mas é uma prova de que é possível reduzir emissões rapidamente.

Em seu recente livro, “O amanhã não está à venda”, Ailton Krenak fez um alerta: “Quem está apenas adiando compromissos, como se tudo fosse voltar ao normal, está vivendo no passado. O futuro é aqui e agora, pode não haver ano que vem”. Ou como disse a autora de “Economia donuts”, a economista e pesquisadora do Instituto de Mudança Ambiental da Universidade de Oxford, Kate Raworth, “quando, de repente, temos que nos preocupar com clima, saúde, empregos, moradias e cuidados com a comunidade, existe uma necessidade (…) Não é apenas uma ideia alternativa do mundo”. Não há escolha: passada a pandemia vamos precisar mudar a forma como nos relacionamos com a Terra. E não só em escala planetária: quem nestes dias de isolamento ainda não refletiu sobre o que é essencial e o que é supérfluo para si?

Pequenas mudanças de comportamento podem se tornar hábitos saudáveis – para você e para o mundo. Uma transformação está em curso e ela é tocada por iniciativas individuais ou comunitárias. Curiosamente, o isolamento social pode nos aproximar: laços de solidariedade e de confiança precisam ser formados ou reforçados. No Brasil inteiro, pequenos produtores rurais e artesãos têm se associado para fazer seus produtos chegarem diretamente ao consumidor – que também está se unindo em grupos de compra. Gotinhas que se reagrupam para formar um novo oceano.

#MudançasClimáticas #DesenvolvimentoSustentável #Coronavírus #Covid19 #Sustentabilidade #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:

Covid-19: produtores orgânicos se organizam e expandem clientela no Rio

Lista de contatos de agricultores orgânicos e agroecológicos para compras conscientes

UE lança instrumento para promover desenvolvimento sustentável na América Latina

Queda ‘impressionante’ da demanda global por combustíveis fósseis

O fim de uma era? Família Rockefeller retira seus ativos das companhias de petróleo e carvão

Holanda prepara modelo econômico para decrescer após pandemia

A mundialização é uma interdependência sem solidariedade

Longe de ‘Blade Runner’, ‘Westworld’ reinventa uma Los Angeles que superou questões climáticas

O vírus que despertou a colaboração global

Ciência, cooperação e uma nova noção de humanidade

A moderna agricultura brasileira: mudanças e novas oportunidades

O coronavírus já mudou o que comemos: mais abacate e menos bacon

Coronavírus: o futuro incerto das viagens aéreas após a pandemia de covid-19

Crise do coronavírus expõe novamente os riscos da alavancagem financeira (Martin Wolf)

Crise da Covid-19 abre caminho para ônibus elétrico e futuro menos poluído

País tem de apostar em projeto sustentável (Rogério Studart, ex- representante do Brasil no Banco Mundial)

Covid-19: produtores orgânicos se organizam e expandem clientela no Rio

Em isolamento social, técnicos do ICV mantêm assessoria a agricultores familiares por telefone e Whatsapp

Compre de pequenos produtores e comerciantes durante a quarentena

Errar é humano, insistir no erro é desumano

Errar é humano, insistir no erro é desumano

Errar é humano. Insistir em negar as evidências é desumano.

“Nos últimos anos, políticos irresponsáveis minaram deliberadamente a confiança na ciência, nas autoridades e nos meios de comunicação”, escreveu no último dia 20 o historiador israelense Yuval Noah Harari, autor do best-seller “Sapiens: de animais a deuses, uma breve história da Humanidade”. Publicado no jornal inglês “Financial Times”, o artigo não por acaso se chama “O mundo depois do coronavírus”. Nele, Harari é direto: “as decisões que os governos e os povos tomarem, nas próximas semanas, provavelmente moldarão o mundo que teremos nos próximos anos”.

Não dá mais para fingir: pandemias, como a causada pelo novo coronavírus, e catástrofes, como os incêndios que castigaram o Brasil em 2019, deixarão de ser acidentes de percurso e se tornarão o novo normal. Hesitar pode custar vidas. Vamos aproveitar a quarentena para refletir?

Não adianta erguer muros em torno de cada país: doenças também se espalham pelo ar e as emissões de CO₂, sejam do Brasil ou do Japão, se acumulam na mesma atmosfera. É um problema comum a todos. A solução também depende da democratização dos cuidados e da informação. “Tanto a epidemia, quanto a crise econômica são globais, e apenas poderão ser resolvidas com a cooperação global. Para derrotar a pandemia, precisamos compartilhar globalmente a informação”, afirma o historiador israelense. Só assim conseguiremos criar barreiras eficazes contra os inimigos que nós mesmos criamos.

Quem acompanha as notícias e os artigos científicos sobre a crise climática já sabe que nosso modo de vida tem duros impactos no planeta e na saúde das próximas gerações. No entanto, a realidade atual impõe pressa: não se fala mais em décadas, mas sim em semanas. Chegamos ao ponto em que não dá mais para fechar os ouvidos (ou as abas do seu navegador) para os cientistas. “A época da pós-verdade e das fakenews nutriu uma apatia à realidade. E aqui está um vírus real – e não um de computador – aquele que causa uma comoção. A realidade resiste e volta a se fazer notar no formato de um vírus inimigo” escreveu o filósofo sul-coreano Byung-Chul Han.

E a sociedade brasileira está mostrando que quer ouvir a Ciência. Esta semana, a entrevista do microbiologista Atila Iamarino bateu o recorde histórico de audiência do programa Roda Viva, com repercussão intensa nas redes sociais. Há um mês, quem poderia imaginar que esta marca seria conquistada por um microbiologista?

Uma mudança imposta por um vírus, por uma quarentena que levará provavelmente meses. Nesse tempo, pais estão convivendo mais com seus filhos e vizinhos estão interagindo, mesmo que pelas varandas.

A próxima mudança deverá ser tomada por nós. Será um desdobramento de todas as reflexões levantadas durante esta crise. Para nos salvar e salvar nosso planeta é preciso repensar e remodelar nosso jeito de produzir, de gerir, de governar, de ser cidadão, de existir. Byung-Chul arrematou: “Não podemos deixar a revolução nas mãos do vírus. Precisamos acreditar que após o vírus virá uma revolução humana”.

O covid-19 já nos traz uma contundente evidência: é possível reduzir rapidamente as emissões de gases do efeito estufa. O fenômeno foi observado imediatamente nos países mais atingidos, China e Itália. E os europeus também já respiram um ar mais puro nesses tempos de isolamento. Isso não faz pensar que é possível adotar um modelo de desenvolvimento diferente?

Voltamos a nossa recorrente questão: o que será dos mais vulneráveis?

O novo mundo pressupõe outro modelo econômico, mais sustentável e solidário. Filantropia? Taxação de grandes fortunas? Construção de um grande fundo social? O caminho está aberto a várias possibilidades. Cabe a nós discutir qual é a melhor rota a seguir. Já estamos cientes de que somos gotas num mesmo oceano.

#Coronavirus #COVID19 #Pandemia #Ciência #CriseClimática #Planeta #DesenvolvimentoSustentável

Saiba mais: 

Jornal Nacional, edição do dia 31 de março

Yuval Noah Harari: the world after coronavirus

O coronavírus de hoje e o mundo de amanhã, segundo o filósofo Byung-Chul Han

Roda Viva – entrevista com Atila Iamarino

A crise que definirá nossa geração

Plataforma da Universidade de Washington para monitoramento dos casos de Coronavírus

Aldeias pedem ajuda contra coronavírus: “Sensação de que somos invisíveis”

Coronavírus e fascismo de Bolsonaro nos fazem esperar por nova era, diz Sidarta

Isolamento por coronavírus deixa ar mais limpo em cidades da Europa

Nossas desigualdades são vergonhosas, inconstitucionais, estúpidas e matam

 

O pequi Kĩsêdjê tem poder!

O pequi Kĩsêdjê tem poder!

Nada como começar a semana com uma boa notícia. Contas feitas, já dá para dizer que o povo Kĩsêdjê da Terra Indígena (TI) Wawi, no Mato Grosso, bateu seu próprio recorde de produção de óleo de pequi: 315 litros em 2018. Tudo começou em 2006, quando 263 árvores foram plantadas. Das sementes e da polpa dos pequizeiros, extraíram-se o produto e uma vitória com um simbolismo imenso.

Quando os Kĩsêdjê reconquistaram suas terras tradicionais, na bacia do Rio Pacas, se defrontaram com um território degradado por fazendeiros invasores. A TI Wawi foi homologada em 1998, mas até hoje sofre pressão de grandes agricultores. Mas ali o povo Kĩsêdjê se mantém, apresentando como resultado a recuperação do solo e uma importante geração de renda. E tem mais coisa boa: O óleo de pequi foi atração em setembro de 2018 em Turim, na Itália, no evento Terra Madre do Slow Food Internacional. Um sucesso danado.

Via Instituto Socioambiental – ISA

Foto: Rogério Assis/ISA

Saiba mais

Translate »