Escolha uma Página

Gotas de Informação

Xingu, o clamor que vem da floresta (versão longa)

Xingu, o clamor que vem da floresta (versão longa)

O primeiro encontro entre portugueses e indígenas brasileiros foi pacífico, teve dança e missa campal. Isso aconteceu porque havia respeito entre eles. Respeito é a palavra-chave. Quem não quer ser respeitado? Mais do que terras, é isso que os povos...

Mochila de luz

Mochila de luz

Luz para quem precisa. A jovem sul-africana Thato Kgatlhanye teve uma ideia brilhante para ajudar estudantes de regiões de seu país que não têm acesso à eletricidade: uma mochila que carrega uma bateria de energia solar. Com ela, a garotada pode estudar à noite.

Princípios dos povos indígenas: coletividade

Princípios dos povos indígenas: coletividade

Os povos indígenas tomam suas decisões coletivamente. O cacique não tem poder ilimitado, seu papel é quase o de um chanceler: depois de ouvir a todos na aldeia, cabe a ele levar adiante suas reivindicações. As lideranças Sonia Bone Guajajara, Jairo Saw...

Campo minado

Campo minado

Começamos um novo ano legislativo, e ele traz uma boa e uma má notícia: a boa é que a bancada ruralista perdeu mais da metade de seus representantes no Congresso Nacional, caindo de 245 para 117 deputados e senadores; a má é que sua influência sobre o Executivo aumentou. Chegou até mesmo no que deveria ser nossa primeira linha de defesa: já no dia 23 de janeiro, representantes da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA) se reuniram com o ministro do Meio Ambiente. Entre as pautas discutidas com Ricardo Salles estavam duas bombas que só não detonaram ainda porque a opinião pública está atenta: a “articulação política para a votação” do novo Projeto de Lei do Licenciamento Ambiental e de outro Projeto de Lei, conhecido como PL do Veneno, que flexibiliza ainda mais o uso de agrotóxicos no país. Ou seja, seguimos sobre um campo minado.

O mar está ficando mais azul e esta é uma má notícia

O mar está ficando mais azul e esta é uma má notícia

Tim Maia queria ter “um sonho todo azul, azul da cor mar”. Mas uma dura realidade mostra que 50% dos oceanos vão ficar ainda mais azuis por um mau motivo, como prevê estudo do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT). É que as mudanças climáticas estão fazendo sumir as algas microscópicas conhecidas como fitoplânctons.

Os Guarani da metrópole

Os Guarani da metrópole

Guarani Mbya conseguem manter suas tradições mesmo vivendo em São Paulo, a maior cidade do país. Sua aldeias ficam no Parque Estadual do Jaraguá. O Cacique Ivandro Tupã conta como eles fazem para manter suas tradições, apesar da proximidade com o dito...

O pequi Kĩsêdjê tem poder!

O pequi Kĩsêdjê tem poder!

Nada como começar a semana com uma boa notícia. Contas feitas, já dá para dizer que o povo Kĩsêdjê da Terra Indígena (TI) Wawi, no Mato Grosso, bateu seu próprio recorde de produção de óleo de pequi: 315 litros em 2018. Tudo começou em 2006, quando 263 árvores foram plantadas. Das sementes e da polpa dos pequizeiros, extraíram-se o produto e uma vitória com um simbolismo imenso.

Frio glacial nos Estados Unidos

Frio glacial nos Estados Unidos

“O inverno está chegando” nos Estados Unidos. Os fãs da série “Game of Thrones” se arrepiam só de ouvir essa frase, pois sabem que boa coisa não vem. A população já sofre com uma frente fria que pode produzir uma temperatura até -50º C. Pelo menos 21 pessoas já morreram. O Serviço Meteorológico Nacional dos EUA (com sigla NWS em inglês) previu que será o clima mais frio das últimas décadas no centro-oeste do país, sobretudo em Dakota, Minnesota, Iowa, Wisconsin e no norte de Illinois.

Tamuaté-Aki

Tamuaté-Aki

Tamuaté-Aki (We have had it up to here) In May 2014 Uma Gota No Oceano (A Drop In The Ocean) brought together actors, musicians and sportsmen to support the journey of the Brazilian indigenous peoples in defending their rights guaranteed in the...

Por quê?

Por quê?

A impunidade leva à repetição do delito e a corrupção é insustentável: duas lições óbvias que teimamos em não aprender. Quando pensamos em Brumadinho, é inevitável relembrar que há três anos aconteceu o pior crime ambiental do Brasil, que este crime continua impune e que havia corrupção da grossa envolvida. O rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, também em Minas Gerais, matou 19 pessoas e o Rio Doce, mas ninguém foi responsabilizado criminalmente ainda; e a Samarco, uma joint venture da brasileira Vale com a empresa anglo-australiana BHP Billiton, só pagou 6% dos R$ 610 milhões em multas que lhe foram aplicadas. Se o vazamento desta vez foi menor – 12 milhões de m³ de rejeitos tóxicos contra 50 milhões de m³ do desastre de 5 de novembro de 2015 –, seu índice de letalidade foi muito maior: pode passar dos 300 mortos. Há uma dura verdade que devemos encarar: não aprendemos as lições acima porque, mesmo 196 anos depois de sua independência, o Brasil ainda é tratado como colônia extrativista. E a vida do cidadão brasileiro é o seu produto mais desvalorizado.

Bombardeio de agrotóxicos

Bombardeio de agrotóxicos

É preciso respirar fundo e ouvir a música “Paciência”, do Lenine, para ler esta notícia: em nome de que o Ministério da Agricultura autorizou 28 agrotóxicos extremamente perigosos, como o Sulfoxaflor, que extermina insetos danosos à lavoura, mas também abelhas, fundamentais à polinização? Em 2018, já haviam sido registrados 450 agrotóxicos, sendo somente 52 de baixa toxicidade.

Evidências

Evidências

Negando as aparências, disfarçando as evidências, Bolsonaro se apresentou ao mundo. Em sua primeira viagem internacional, o presidente discursou no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Como a eloquência não é seu forte, fez um discurso relâmpago. Porém, mesmo falando pouco, exagerou um bocado: “Somos o país que mais preserva o meio ambiente. Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós”, disse ele. É um Brasil que só existe de sua boca para fora: hoje, somos campeões em desmatamento e na lista de países com maior percentual de áreas protegidas estamos no 52º lugar. Ah, e a Rússia tem uma área do tamanho do território brasileiro em florestas.