Escolha uma Página
Belo Monte atropelou o bom senso

Belo Monte atropelou o bom senso

O documentário “Belo Monte: Depois da Inundação”, de Todd Southgate, responde às indagações feitas em 2011 pelo Movimento Gota D’Água.

Em 2011, o Gota D’Água já alertava que a usina de Belo Monte custaria R$ 30 bilhões. E mais: que 80% deste valor seria pago com o dinheiro do contribuinte. E que parte desses dinheiro seria desviado pela corrupção. Para construir a usina, o governo atropelou direitos e o ambiente.

Hoje é dia de luta contra as barragens

Hoje é dia de luta contra as barragens

Água parada não move moinhos e pode causar tragédias. A pauta do 14 de março, Dia de Luta Internacional Contra Barragens, é a defesa dos rios e dos direitos das comunidades atingidas por barragens, e a construção de um modelo econômico e energético limpo, sustentável e popular. Mas todo dia é dia para defendermos estas causas, pois tragédias como a de Mariana não podem ser esquecidas e muita água ainda vai rolar debaixo do Xingu por causa da construção de Belo Monte.

Tem que correr! Primeiro, porque rios como o Xingu e o Tapajós precisam fluir livres para carregar seus jorros de biodiversidade. Segundo, pela urgência de criar ações que respondam à altura aos impactos de grandes barragens sobre as águas do Brasil e do mundo. O Rio Doce foi aniquilado pela Samarco e ninguém ainda foi devidamente punido.

Afinal, água é vida. Vida #TemQueCorrer solta.

Aproveite para assistir ao documentário “Belo Monte: Depois da Inundação”, com direção do canadense Todd Southgate e narração de Marcos Palmeira, que já está disponível para streaming e download gratuitos: https://vimeo.com/181830626

Belo Sun: filme-catásfrofe

Belo Sun: filme-catásfrofe

“O belo monstro rouba as terras dos seus filhos/Devora as matas e seca os rios”. O samba-enredo da escola carioca Imperatriz Leopoldinense para o Carnaval deste ano se presta a trilha sonora de filme-catástrofe. Filme, não. Série. Porque a segunda parte pode estrear a qualquer momento. O belo monstro a que a letra se refere é a hidrelétrica de Belo Monte. Mas outro monstrengo feioso, que só traz beleza em seu nome, ameaça o Rio Xingu: Belo Sun, empresa canadense de mineração que pretende extrair 108 toneladas de ouro da região da Volta Grande em 17 anos. E “Belo monstro II” pode se revelar no final uma refilmagem de outra monstruosidade: a tragédia de Mariana.

No início deste mês, a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará autorizou a instalação do empreendimento. A Funai anunciou que recorreria da decisão e o Conselho Nacional de Direitos Humanos pediu a suspensão do projeto. Mas essas iniciativas certamente não irão fazer frente à sua voracidade.

Se quisermos impedir mais uma tragédia anunciada, precisamos estar juntos e nos armar – e informação é uma das melhores armas contra monstros como Belo Monte, Mariana e Belo Sun. 

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), elaborou uma lista com 12 motivos pelos quais Belo Sun não deve nunca sair do papel. Leia aqui: https://www.brasildefato.com.br/2017/02/09/12-motivos-para-barrar-a-instalacao-de-belo-sun-no-rio-xingu/

Belo Sun, o novo monstro do Xingu

Belo Sun, o novo monstro do Xingu

Não adiantaram o parecer técnico de reprovação da Funai ou as ações do Ministério Público Federal e da Defensoria Pública do Pará. O governo do Estado liberou ontem a licença de instalação do projeto de mineração de ouro da Belo Sun na Volta Grande do Xingu, o novo monstro que será construído próximo à barragem de Belo Monte.

É perigo demais para tamanha vista grossa sobre o impacto do empreendimento para indígenas, garimpeiros e famílias agroextrativistas da região.
E a história de Belo Monte não é nada digna de uma continuação.

Via: Estadão

Foto: Lalo de Almeida / Folha

Saiba mais: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,governo-do-para-ignora-funai-e-libera-mina-de-ouro-ao-lado-de-belo-monte,70001651266

Anatomia de uma tragédia no Xingu

Anatomia de uma tragédia no Xingu

O documentário “Belo Monte: Depois da Inundação”, de Todd Sothgate, resgata o histórico de desrespeitos aos direitos humanos e ao meio ambiente, e a rede de corrupção em torno da construção da usina, no Rio Xingu.

O documentário será lançado na segunda-feira, 5/12, às 19h, no Centro Universitário IESB, em Brasília – no Auditório Benedito Coutinho, SGAN, Quadra 609 – Módulo D, L2 Norte.

Saiba mais sobre “Belo Monte: Depois da Inundação”: https://www.belomonteaftertheflood.com