Escolha uma Página
Mensagem numa garrafa

Mensagem numa garrafa

Chega do Oceano uma mensagem numa garrafa para nos lembrar que a vida na Terra nasceu nele, e sem ele não existirá mais. Em 2017, a ONU decretou o período entre 2021 e 2030 como a Década das Nações Unidas de Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável. Mas não podemos nos dar ao luxo de esperar mais oito anos para dar uma resposta firme à esse SOS que nos chega pelas ondas. Por isso, a organização está promovendo esta semana a 2ª Conferência do Oceano. Em discussão, estão os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Vida no Mar (ODS 14). Uma das principais metas é reduzir a poluição marinha até 2025 e o evento se realiza em Lisboa, Portugal.

Por mares nunca dantes navegados os portugueses deram por cá em 1500. Para o bem ou para o mal, essa aventura resultou num país de dimensões continentais. O Brasil tem um litoral, cantado mundo afora em prosa e verso, de 7.367 km de extensão; o de Portugal mede miúdos 1.610 km, contando Ilha de Madeira e Açores. Mas enquanto eles emplacaram 393 praias Bandeira Azul – certificado que leva em conta critérios como a qualidade da água e a promoção de atividades sobre educação ambiental – em 2022, nós ficamos somente com 29. E, vergonha das vergonhas, o Rio de Janeiro perdeu duas. Periga a Garota de Ipanema ter que ceder seu posto para a Rapariga de Cascais.

Cuidamos tão mal de nosso maior chamariz de turistas como de nossas florestas. Os peritos da Polícia Federal calcularam em R$ 525,3 milhões os prejuízos causados pelo vazamento de óleo no litoral nordestino em 2019. O acidente foi causado por um navio de bandeira grega, mas a negligência na hora de tomar providências é verde e amarela, e ninguém tasca. Quem dera, porém, este fosse um defeito só nosso e que o turismo fosse o único atingido. A revista “Science” publicou recentemente uma pesquisa das universidades de Nanquim (China), do Sul da Flórida e Estadual da Flórida (EUA), que o óleo derramado no oceano entre 2014 e 2019 soma uma macha de mais de 1,5 milhão de km² – o que dá duas Franças. Isso é oferenda que se faça àquele a quem devemos a própria existência?

Quando fazemos do berço da vida lata de lixo estamos afetando o clima, a biodiversidade marinha, a economia e pondo em risco até o ar que respiramos. Um estudo de pesquisadores das universidades de Queensland e Melbourne (Austrália), da Califórnia (EUA), da Colúmbia Britânica (Canadá) e da Sociedade para Conservação da Vida Selvagem (WCS), publicado em fevereiro na revista “Conservation Biology” aponta que 84,5% das regiões costeiras do planeta sofreram algum impacto resultante da atividade humana. E só 16,4% delas são protegidas. “Essa conservação é essencial especialmente para aqueles que necessitam dos recursos oceânicos para sobrevivência, como por ser fonte de alimento ou renda, ou por ajudar na prevenção e redução de eventos de tempestade extremos”, alerta Brooke Williams, pesquisadora de Queensland.

Cerca de 74% da população do mundo vive no litoral e mais de 3 bilhões de pessoas dependem do mar para ganhar o pão de cada dia. Mas esse é o menor dos problemas: o oceano também produz 54% do oxigênio que respiramos, absorve de 20% a 30% de nossas emissões de CO₂ e 90% do calor gerado efeito estufa. Ele pode até cobrir 2/3 do planeta, mas tem seus limites; e nós não paramos de esticar a corda: em 2021 o seu recorde de temperatura foi quebrado pelo sexto ano seguido, de acordo com uma pesquisa de 23 cientistas de 14 instituições, publicada na “Advances in Atmospheric Sciences”.

O estudo foi baseado em dados coletados pelo Instituto de Física Atmosférica da Academia Chinesa de Ciências e pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) desde os anos 1950. O calor pode levar a vida marinha à extinção em massa em 2300 e no desaparecimento de um bom número de espécies num futuro mais próximo. E aí não vai faltar só peixe, mas também ar, já que ele se origina, principalmente, da fotossíntese do fitoplâncton, a flora microscópica marinha. “O calor oceânico está aumentando implacavelmente, globalmente, e esse é um indicador primário da mudança climática induzida pelo homem”, explica um dos autores, Kevin Trenberth, do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica no Colorado.

Uma coisa leva à outra: a Terra esquenta, o mar esquenta junto; e quando o mar esquenta, a Terra esquenta ainda mais. E quanto mais o oceano aquece, mais sobe o seu nível. É fácil de entender, basta observar o que acontece quando a gente bota o leite para ferver. Outro relatório, divulgado no mês passado pela da Organização Mundial Meteorológica (OMM), revela que o nível do mar subiu 4,5 cm na última década. O aumento de 2013 a 2021 mais que dobrou 1993 a 2002. Até 2030, a água poderá estar batendo nas canelas dos moradores de Veneza, Amsterdã, Nova Orleans, Bangkok e Ho Chi Min.

Das 22 milhões de toneladas de lixo plástico produzido por ano no mundo, entre cinco e 12 milhões de toneladas vão parar no mar. O material responde por 80% dos resíduos que chegam nele. E a gente continua fingindo que o problema não existe: a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em relatório divulgado na semana passada, alerta que a produção anual de plásticos deve triplicar até 2060, chegando a 1,2 bilhão de toneladas. Hoje, isso resulta num prejuízo global de US$ 13 bilhões por ano – contando o que se gasta com limpeza e perdas na pesca e outras indústrias.

“Está claro que manter a mesma forma como usamos, produzimos e gerenciamos o plástico não é mais possível”, diz Peter Börkey, especialista em política ambiental da OCDE. O Brasil é o sexto país que mais polui o mar com plástico, segundo um levantamento da plataforma Our World in Data. O material corresponde a 48,5% do lixo despejado em nosso litoral, segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Somos gotas no oceano; temos que reagir como um tsunami a sua mensagem na garrafa.

 

Saiba mais:

ONU alerta que o mundo enfrenta ‘emergência’ nos oceanos

Conferência da ONU tenta colocar oceanos no centro da agenda climática

Escolas usam projetos interdisciplinares para discutir poluição nos oceanos

Acidificação, microplásticos, pesca predatória e mais: conheça 5 desafios para o oceano que vão ser destaque em conferência da ONU

Lisboa, capital do debate sobre os oceanos

Poluição de óleo no mar atingiu, em seis anos, área duas vezes maior que a França

Peritos da PF calculam em R$ 525 milhões os danos por vazamento de óleo de 2019

Portugal goleia o Brasil em número de praias sustentáveis

O verão de 2022 terá 393 praias com Bandeira Azul, mais 21 do que no ano passado (e este mapa mostra-lhe quais são)

Duas praias do Rio, a Prainha e a Reserva, perdem certificado de desenvolvimento sustentável

Apenas 15% das áreas costeiras do planeta estão intactas, diz estudo

Os oceanos têm quantidades enormes de gases de efeito estufa

Temperatura nos oceanos bate recorde de calor pelo sexto ano consecutivo

Relatório da ONU mostra que indicadores de mudanças climáticas bateram recordes

Cinco grandes cidades do mundo que podem estar alagadas já em 2030

Oceanos estão ameaçados por ‘neve’ de microplásticos

Planeta Azul: Navegando nas águas do ESG

Montanhas de açúcar são encontradas em prados de ervas no fundo do oceano

Crise do clima pode levar a extinção em massa nos oceanos

Microplástico pode transportar para oceanos germes que causam doenças

Uso de plástico pode quase triplicar até 2060, diz relatório

Plástico corresponde a 48,5% dos itens encontrados no mar do Brasil

Estudo confirma derretimento excepcional da banquisa antártica em 2022

Infestação plástica

Infestação plástica

Agora o diagnóstico é oficial: você não só pode ter micropartículas plásticas correndo nas veias como, muito provavelmente, as carrega nos pulmões. É para tapar o nariz, não? De solução prática para substituir papel, metal, vidro e outras matérias-primas, o plástico vem se tornado uma infestação que está se espalhando implacavelmente por nossos corpos e pelo planeta. Segundo o estudo “A ameaça global da poluição plástica”, assinado por cientistas alemães, suecos e noruegueses, publicado em julho passado na revista “Science”, estamos chegando ao ponto de não retorno – quando os danos ao meio ambiente serão irreversíveis. Em outubro, foi anunciado na Plastic Health Summit, conferência realizada em Amsterdã, na Holanda, que temos apenas nove anos para reverter este quadro.

Esta contagem regressiva vem se acelerando. Desde 2019 sabemos que há microplástico na água que bebemos e em nossa comida; em agosto de 2020, pesquisadores da Universidade do Arizona encontraram vestígios do material em todas as 47 autópsias realizadas em amostras de pulmão, fígado, baço e rins humanos examinadas. Em março deste ano, cientistas da Universidade Livre de Amsterdã, detectaram fragmentos no sangue de 17 dos 22 doadores anônimos testados. “A grande questão é: o que está acontecendo em nosso corpo? As partículas ficam retidas no corpo? E esses níveis são suficientemente altos para desencadear doenças?”, alertou o professor Dick Vethaak.

Ainda é cedo para dimensionar os danos que beber, comer e respirar plástico podem causar diretamente à nossa saúde; mas os estragos que o material vem causando à Terra, o grande organismo onde vivemos, são conhecidos e bem visíveis. Micropartículas plásticas estão por todos os lados, da Fossa das Marianas ao Monte Everest, e chegam até mesmo à atmosfera. No mês passado, descobriu-se que estamos aspirando plástico: um estudo da Hull York Medical School, na Inglaterra, publicado na revista “Science of the Total Environment” descobriu, pela primeira vez, partículas plásticas em pulmões de pessoas vivas. O resultado espantou até a professora Laura Sadofsky, sua principal autora. “Não esperávamos encontrar o maior número de partículas nas regiões inferiores dos pulmões, ou partículas dos tamanhos que encontramos. É surpreendente, pois as vias aéreas são menores nas partes inferiores dos pulmões e esperávamos que partículas desses tamanhos fossem filtradas ou presas antes de chegar tão fundo”.

Lançado a dez dias do início da COP26, que foi realizada no início de novembro passado na Escócia, o relatório “Da Poluição à Solução: Uma Análise Global sobre Lixo Marinho e Poluição Plástica”, do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), deu uma ideia do tamanho da encrenca. De acordo com ele, o material responde por 85% dos resíduos que chegam ao mar e que até 2040 a quantidade deve triplicar, caso nada seja feito, podendo chegar a 37 milhões de toneladas por ano. “Esta pesquisa fornece o argumento científico mais forte até hoje para responder à urgência, agir coletivamente e proteger e restaurar nossos oceanos e todos os ecossistemas afetados pela poluição em seu curso”, disse a diretora executiva do Pnuma, Inger Andersen.

A ambientalista dinamarquesa ressalta que o plástico também tem forte ligação com as mudanças climáticas. Calcula-se que em 2015 ele era responsável pela geração de 1,7 gigatoneladas de CO₂ equivalente (GtCO2e), e em 2050 este número deverá chegar a 6,5 GtCO2e, ou 15% do total global. E os resíduos que chegam ao mar também ajudam a temperatura do planeta a subir. As micropartículas se unem à flora marinha – microalgas, bactérias e fitoplânctons –, e prejudicam sua capacidade de fazer fotossíntese: “Se você para de consumir gás carbônico, o oceano acaba perdendo um pouco do seu papel em controlar o efeito estufa”, explicou Alexander Turra, professor do Instituto Oceanográfico da USP e coordenador da Cátedra Unesco para a Sustentabilidade do Oceano.

No dia 2 de março, a ONU deu o pontapé inicial para a criação do primeiro tratado global contra a poluição por plástico, durante a Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Anue), que se realizou em Nairóbi, no Quênia. A resolução recebeu o aval de nada menos que 175 países e, por isso, foi comparada ao Acordo de Paris. Mas, assim como o pacto firmado em 2015, na França, ele só vai sair do papel se houver pressão popular – e tudo indica que haverá. Sob encomenda das ONGs Plastic Free Foundation e WWF, o Instituto Ipsos fez uma pesquisa no fim do ano passado, com mais de 20 mil pessoas de 28 países, incluindo o Brasil. O resultado foi uma goleada: cerca de 90% dos entrevistados se disseram favoráveis a uma coalizão global para buscar soluções. A maioria já entendeu que deter essa infestação depende de todos nós; falta convencer os desentendidos.

 

Saiba mais:

Microplásticos encontrados em pulmões humanos pela primeira vez

Microplastics found deep in lungs of living people for first time

Cientistas encontram microplásticos em sangue humano pela primeira vez

Cientistas acham plástico em órgãos humanos

Partículas de plástico também chegam à atmosfera, indicam pesquisadores americanos

Poluição por plástico pode virar irreversível, diz estudo

Poluição por plástico no planeta está perto do ponto de não retorno. Como vamos sair dessa?

9 Years Left To Save Planet From Irreversible Plastic Waste Crisis, Experts Warn

Produção de plástico atingirá níveis irreversíveis de dano ambiental em 9 anos

Relatório da ONU sobre poluição plástica alerta sobre falsas soluções e confirma necessidade de ação global urgente

Plásticos descartados no oceano se transformam e geram impactos climáticos

Nem o Árctico passou incólume à “maré de plástico” global

Iniciativas globais tentam deter enxurradas de plástico que chegam aos oceanos

Maior acordo verde desde Paris: ONU concorda com roteiro do tratado de plástico

175 nações assinam resolução ‘histórica’ que dá 1º passo para futuro acordo contra poluição por plásticos, diz ONU

Pesquisa global mostra que quase nove em cada dez pessoas apoiam um tratado da ONU sobre poluição por plástico, mas os governos agirão?

Um mergulho sem refresco

Um mergulho sem refresco

Não se iluda com a água gelada da próxima vez que for à praia. Organizado por 20 cientistas de 13 instituições, um estudo divulgado este mês na publicação científica Advances in Atmospheric Sciences apontou que, em 2020, os oceanos registraram as temperaturas mais altas desde 1955. Sabe-se que os mares estão esquentando há, pelo menos, 70 anos. Acontece que o processo acelera como um tsunami que se aproxima da costa.

Entre 1986 e 2020, o aumento médio do calor acumulado nos mares foi 8 vezes maior que o verificado entre 1958 e 1985. E ganha uma estrela-do-mar dourada quem acertar qual dos cinco foi o oceano que mais esquentou no período. Sim, ele mesmo, o seu, o meu, o nosso Atlântico. Será que não é hora de darmos uma atenção maior a isso?

Oceanos não esquentam do nada. No caso em questão, pesquisadores como Lijing Cheng, da Academia Chinesa de Ciências, apontam o efeito estufa como origem do problema. “Mais de 90% do excesso de calor gerado pelo aquecimento global é absorvido pelos oceanos“, afirma ele. Há outros números de tirar o fôlego. Entre 1995 e 2020, nossos mares incorporaram uma quantidade de calor equivalente à explosão de 3,6 bilhões de bombas de Hiroshima. É muita energia para um período relativamente pequeno.

Como os oceanos têm ligação direta com o clima, as consequências começam a aparecer. No ano passado, o Atlântico registrou 29 tempestades, um recorde inédito. A umidade que alimentou furacões no Caribe e no sul dos Estados Unidos foi a mesma que fez falta na Amazônia e se traduziu em uma temporada de incêndios na floresta, segundo a Nasa. Ou seja, o aquecimento das águas já está bagunçando nosso regime climático. Só não vê quem não quer.

Como no começo do filme Tubarão, muita gente já começa a olhar preocupada para a confusão logo ali além da areia. A diferença é que, na vida real, ainda há o que ser feito. Um exemplo é a ONU, que vai celebrar entre 2021 e 2030 a Década Internacional do Oceano. Assim mesmo, no singular, para promover a ideia de que todos os mares são, na verdade, um só e devem ser preservados. Afinal, eles nos prestam bons serviços.

Você sabia que o habitat de algas, sardinhas e golfinhos absorveu 7 gigatoneladas de carbono só em 2019? O dado é do Global Carbon Project. Se todo este volume tivesse sido lançado na atmosfera, nosso planeta teria ficado muito mais quente. Por outro lado, este porre de CO2 está deixando o mar de ressaca. Nos últimos 2 séculos, a acidez das águas subiu cerca de 30%, o que afetou animais marinhos sensíveis a esta variação. Não é exatamente o tipo de problema que se resolve só com um antiácido.

Os impactos das mudanças do clima nos oceanos não param por aí. Com o calor, o gelo dos polos derrete e o aumento do nível do mar é outro fenômeno que tira o sono de muitos. As medições indicam uma subida média de 24 centímetros entre 1850 e 2010. Já para os próximos 79 anos, são esperados acréscimos entre 48 e 56 centímetros, segundo a WWF. Na primeira hipótese, 46 milhões de pessoas seriam afetadas; Na segunda, 49 milhões. Com 50 milhões de habitantes distribuídos por 9 mil quilômetros de litoral, o Brasil deveria estar mais atento a isso, não é? Não podemos deixar que a continental costa brasileira e toda sua biodiversidade deixem de ser um dos nossos maiores patrimônios e se tornem um problema.

Este calor todo também terá impacto nos animais. Se nada for feito, a tendência é que 90% dos corais do planeta estejam mortos até 2050, por exemplo. Mais quentes, os oceanos retêm menos oxigênio. A taxa de gás dissolvido na água já caiu 2% entre 1960 e 2010. Se nada mudar, pode cair 4% até o fim deste século. Se você gosta de iguarias como um bom atum, a boa é já começar a se despedir, porque neste cenário elas desapareceriam do mapa. Quer dizer, da água.

Como o protagonista do clássico O Velho e o Mar, não devemos nos desesperar na busca por nossos objetivos. Se o ser humano conseguiu desenvolver uma vacina eficaz contra um vírus letal em menos de 1 ano, ele é capaz de usar sua inteligência para reverter os riscos iminentes à vida marinha. De acordo com especialistas, o mais urgente é reduzir as emissões de CO2 para derrubar o volume de calor armazenado pelo mar. Não foi à toa que a volta dos Estados Unidos ao Acordo de Paris foi anunciada por Joe Biden, o novo presidente americano, assim que assumiu seu posto na Casa Branca. Cuidar do assunto é algo, literalmente, para ontem. Se o Brasil quiser fazer sua parte, vai precisar mudar de atitude, já que as metas para 2030 anunciadas em dezembro soaram, no mínimo, acanhadas.

Outro esforço necessário é a criação de unidades de conservação marinha. É uma caminhada longa, na qual o país ainda está em seus primeiros passos. Em 2018, aumentamos de 1,5% para 26,4% a fatia de áreas protegidas na nossa Zona Econômica Exclusiva. Mas ainda há muito por fazer. Para além disso, é preciso prestigiar o papel desempenhado por pescadores e outras populações tradicionais na preservação do litoral – assim como as pesquisas de ponta desenvolvidas pelo Observatório do Clima. Composta por mais de 50 organizações (inclusive Uma Gota no Oceano), a rede criou um grupo para estudar a relação entre o mar e o clima, de onde bebemos muitos dos dados aqui apresentados.

Como diz a canção, quem é do mar não enjoa. Cada um é responsável por arregaçar as mangas e construir um futuro diferente.

#Oceanos #MudançasClimáticas #AcordoDeParis #C02 #EmissõesDeCO2 #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Leia mais:

Eurekalert – Upper ocean temperatures hit record high in 2020

Upper Ocean Temperatures Hit Record High in 2020

Liga das Mulheres pelo Oceano – Recorde de calor no oceano em 2020. E eu com isso?

Nasa – Conditions Ripe for Active Amazon Fire, Atlantic Hurricane Seasons

ONU – UN designates 2021-2030 ‘Decade of Ocean Science’

Global Carbon Project – Global Carbon Budget 2019

IUCN – Ocean deoxygenation: Everyone’s problem

G1 – Retorno dos EUA ao Acordo de Paris e OMS estão entre primeiros atos do presidente Joe Biden

Uma Gota no Oceano – Cordão de Isolamento

Danos abissais

Danos abissais

Os danos que temos causado aos oceanos não são somente os visíveis, a sujeira que boia à superfície: o fundo do mar também não está para peixe. Um estudo da Universidade de Aberdeen, na Escócia, revelou que a sujeira que produzimos chegou às regiões mais remotas do planeta. Foram detectados altos níveis de poluição nas fossas de Kermadec e das Marianas, no Oceano Pacífico, a 10 mil metros de profundidade. A contaminação por poluentes orgânicos persistentes (POPs) foi identificada em crustáceos recolhidos naquelas zonas abissais. E essa não é a única notícia preocupante que nos chega dos sete mares.

A vida marinha está com falta de ar: segundo cientistas alemães, a quantidade de oxigênio dissolvido nos oceanos caiu 2% nas últimas cinco décadas. O número pode não parecer grandes coisas, mas mesmo pequenas variações são capazes de provocar estragos permanentes em ecossistemas de equilíbrio frágil, como o mar – podem até causar a extinção de espécies. Os pesquisadores do Helmholtz Centre atribuem ao aquecimento global 15% dessa perda. Funciona assim: a temperatura do oceano sobe e o gás escapa com mais facilidade, como numa garrafa de refrigerante quente.

A outra ameaça submarina repousa adormecida no Pacífico. E ela é bem grande. Pesquisadores da Universidade Queen Mary, na Inglaterra, descobriram um bolsão de metano que vai da costa da América Central ao Havaí. O gás é 25 vezes mais devastador para o clima do que o CO2. Por enquanto, é inofensiva, jaz entre 300 e 500 metros de profundidade; mas convém não cutucá-la com vara curta. Grandes agitações no oceano liberariam o gás para a atmosfera. A dragagem, a pesca de arrasto e a instalação de plataformas de petróleo podem despertá-la. Ou seja, como nos casos anteriores cabe a nós, juntos, evitar danos mais profundos.

Os oceanos pedem socorro

Os oceanos pedem socorro

Os oceanos são importantes para a vida do planeta, tanto para os humanos quanto para os animais e plantas que nele habitam. Porém, eles estão sofrendo com a poluição e com as mudanças climáticas.

Pesquisadores da Universidade de Adelaide, na Austrália, simularam uma rede alimentar marinha para analisar como as mudanças climáticas poderiam afetar o futuro do fornecimento de peixes para alimentação humana e a biodiversidade naquele ecossistema. O resultado não foi nada bom. Embora o aumento esperado dos níveis de dióxido de carbono (CO2) afete positivamente a produção de alimentos em vários pontos da cadeia, o aquecimento das águas dos oceanos cancelará esse benefício, causando estresse aos animais marinhos e evitando que eles usem de forma eficiente esses recursos abundantes para seu próprio crescimento e desenvolvimento.

Em outro estudo feito pelo Instituto Oceanográfico da USP, o pesquisador Marius Müller analisou amostras de espécies vegetais marinhas, os fitoplânctons, e concluiu que o aumento das emissões de gases CO2 feitas pela atividade humana, torna as águas menos alcalinas e prejudica a calcificação de fitoplânctons, podendo interferir na cadeia alimentar marinha. 

“A importância do fitoplâncton é pouco conhecida. Além de ser importante por ser a base da cadeia alimentar no ambiente marinho, ele é o responsável pela produção da metade do oxigênio que a população da Terra respira”, destaca o pesquisador.

E não é só com as mudanças climáticas que sofrem os oceanos. Um estudo realizado por pesquisadores da Associação Educacional do Mar de Woods Hole, em Massachussetts, foi descoberto que cerca de 8 milhões de toneladas de plástico são despejados nos oceanos por ano. “Durante muito tempo cultivamos a ideia de que o oceano é uma espécie de piscina de resíduos onde atiramos tudo que não queremos”, disse o brasileiro José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês). “Isso precisa mudar.”

E, para quem acha que está pouco, estudos recentes têm demonstrado que a poluição sonora também é um problema gravíssimo que ameaça os oceanos com a destruição de ecossistemas e da biodiversidade. É um tipo de poluição invisível, menos documentada e que causa menos alarme, porém seus efeitos podem ser catastróficos.

O pesquisador Michel André, do Laboratório de Aplicações Bioacústicas da Universidade Politécnica da Catalunha, destacou que praticamente não há lugares nos oceanos sem contaminação acústica, o que se explica pelo aumento da atividade humana nos mares e porque as propriedades de propagação do som na água fazem com que viaje a uma velocidade cinco vezes maior do que o faria no ar.

São diversas as atividades humanas causadoras da poluição sonora submarina. A de maior impacto é a realização de sondagem acústica para realizar prospecção de petróleo e gás no subsolo marinho. O tráfego marítimo é outra causa importante, principalmente porque mais de 90% do transporte mundial de mercadorias é realizado por meio de navios.

É cada vez maior a preocupação com a proliferação desses sons, pois representa uma ameaça significativa para os ecossistemas marinhos e para a sobrevivência das populações de mamíferos, tartarugas, peixes e outros animais dos oceanos. Este tipo de contaminação coloca em risco particularmente os cetáceos – entre eles os golfinhos e as baleias – devido à sua fisiologia específica que depende de um sofisticado sistema de localização acústica para sua orientação, alimentação e reprodução. Suspeita-se inclusive, que os frequentes encalhes desses mamíferos sejam causados por desorientação de origem acústica.

O caminho da solução é a mobilização para obter uma maior consciência social acerca do problema e propor soluções. Nesse sentido há um movimento global visando a diminuição da contaminação acústica nos oceanos. Desde 2005 a Organização das Nações Unidas (ONU) classifica esse tipo de poluição como uma das cinco maiores ameaças para os mamíferos marinhos e em função dessa situação estabeleceu a redução e regulação da contaminação acústica do oceano como uma de suas altas prioridades.

Pensando em todos esses problemas enfrentados pelos oceanos e do tamanho da importância deles para a vida na Terra, vêm surgindo algumas ações que tentam minimizar esses efeitos negativos causados pelo homem. Uma delas é do jovem holandês Boyan Slat que tem um ambicioso plano de limpar o lixo plástico do oceano.

A estratégia do jovem de 22 anos, consiste em utilizar as correntes oceânicas para ajudar a recolher cerca de cinco bilhões de objetos de plástico das águas do oceano. O projeto pretende formar uma barreira de 100 km em forma de ferradura e ancorada no fundo do mar, por “uma frota de sistemas menores”, que se moverão presos a uma âncora flutuante, recolhendo lentamente o plástico ao efeito dos ventos e das correntes. Slat acredita que poderá remover 50% da placa de plástico do Pacífico no prazo de cinco anos.

O sistema terá um GPS e um aparelho de monitoramento que orientará os barcos que varrerão a área. O primeiro protótipo já está em produção na Califórnia. E um sistema já permitirá iniciar seu projeto dois anos antes do previsto e por um menor custo.

Pensando em todas essas questões que os oceanos vendo sofrendo e acrescentando sua importância para todos, a Organização das Nações Unidas (ONU) junto com a Fundação Global Brian realizou hoje em Nova York o primeiro Festival Mundial do Oceano, com uma marcha oceânica, com desfile de velejadores ao redor da ilha de Manhattan e ao longo de 10 milhas náuticas de East River. O festival antecede a Conferência das Nações Unidas que acontece ao longo dessa semana na sede da Organização na própria NY e vai abordar temas sobre proteção, conservação e uso sustentável dos oceanos e tem como principal objetivo estimular a população mundial a colaborar com a preservação dos mares. O encontro acontece uma semana após o presidente Donald Trump ter anunciado o abandono do Acordo de Paris por parte dos EUA, que vai atingir diretamente os oceanos.

 

Saiba mais:
Aquecimento dos oceanos pode “colapsar” rede alimentar marinha

FAO pede que oceanos não sejam tratados como piscina de lixos

Mudança climática afeta oceanos e pode prejudicar vida marinha

A ameaça da poluição sonora nos oceanos

Jovem de 22 anos apresenta plano para tirar plásticos do oceano

ONU vai promover o 1º Festival Mundial dos Oceanos

Fotos: Cultura Mix, Giulio Paletta, AP/J, USP Imagens