Escolha uma Página
Sobe o avião e a temperatura

Sobe o avião e a temperatura

Daqui de baixo mal se vê, mas a aviação comercial está causando um furdunço no clima. E não só pelas emissões de CO2, como também por causa do óxido de nitrogênio, do vapor d’água, das trilhas de condensação e das alterações das nuvens, que estão ajudando a fazer subir a temperatura.

Por enquanto, o seu impacto no aquecimento global aparentemente não é tão grande: 5%. Mas se levarmos em conta que apenas 3% da população mundial voou em 2017, o número é desproporcional. Uma única pessoa fazendo viagem de ida e volta entre a Alemanha e o Caribe produz a mesma mesma quantidade de CO2 que 80 moradores da Tanzânia num ano inteiro. Valei-nos, Santos Dumont!

Via DW Brasil

Foto: Serdar Yorulmaz

Saiba mais

Carbono dá sede

Carbono dá sede

Carbono dá sede. Um estudo publicado na revista Nature Climate Change revelou que o excesso de CO2 na atmosfera fez aumentar a demanda por água em lavouras que estão na base de nossa alimentação: soja, milho, arroz e trigo. Hoje, uma plantação de um hectare consome diariamente cerca de 5 mil litros de água a mais do que consumia diariamente em 1958.

“Se somarmos o clima mais quente às chuvas escassas e ao carbono em excesso temos uma equação muito desfavorável às plantações”, explica um dos autores do estudo, o climatologista Daniel W. Urban, da Universidade Stanford. O tempo está fechando e isso não é sinal de chuva – só os ruralistas não entenderam ainda.

Via Observatório do Clima

Foto: Acquagreen

Saiba mais

Recorde sombrio

Recorde sombrio

Batemos mais um recorde: a concentração de CO₂ na atmosfera atingiu a 410 partes por milhão em abril. Nos 250 mil anos de existência do Homo sapiens, nunca havíamos chegado perto desse valor. Há 60 anos, quando começaram as medições, estávamos em 315 ppm.

Segundo as evidências, a última vez o carbono bateu os 400 ppm foi há 3,5 milhões de anos. A temperatura era 3º C mais alta do que hoje e o nível do mar, 20 metros mais elevado. Isso derreteu geleiras, além de provocar eventos climáticos extremos e a extinção de espécies. O que aconteceu naquela época por causas naturais, hoje se deve ao modelo de desenvolvimento que adotamos depois da Revolução Industrial. Em nome de que arriscamos causar a nossa própria extinção?

Via Observatório do Clima

Foto: Shutterstock

Saiba mais

COP 23: no calor dos acontecimentos

COP 23: no calor dos acontecimentos

A 23ª Conferência do Clima (COP 23), que ora se realiza em Bonn, na Alemanha, tinha tudo para ser morna, mas vai acontecer em meio ao calor dos acontecimentos. Espera-se que vá para além de Paris e para lá de Marrakesh, que sediaram as duas últimas, já que às vésperas de sua abertura caiu uma pauta-bomba no colo dos líderes mundiais: a oitava edição do Relatório da ONU Meio Ambiente Sobre a Lacuna de Emissões. O estudo conclui que mesmo se os 195 países signatários do Acordo de Paris zerarem as suas metas, só será feito um terço do necessário para combater as mudanças climáticas. E pede uma revisão imediata.

Nessa pegada, é muito provável que haja aumento da temperatura média global de pelo menos 3°C até 2100. E os verões podem ficar ainda mais quentes caso os Estados Unidos de Trump, contrariando o bom senso e até mesmo estudos do próprio governo, realmente deixem tratado em 2020.

O planeta perdeu o equivalente a uma Nova Zelândia em áreas florestais no ano passado. E perdeu boa parte para o fogo: o aumento de 51% em relação a 2015 se deu, principalmente, por causa de incêndios – de acordo com um relatório da Global Forest Watch, divulgado no fim de outubro. E floresta queimada é mais CO2 na atmosfera. Também em 2016, a concentração mundial de CO2 atingiu o nível mais alto dos últimos 800 mil anos, segundo divulgou a Organização Meteorológica Mundial (OMM) no último dia 30. O aumento nas últimas sete décadas não tem precedentes na História da Humanidade. As concentrações de CO2 estão 145% mais altas do que em níveis pré-industriais (antes de 1750): chegaram a 403,3 partes por milhão em 2016, contra 400 em 2015.

Os efeitos das mudanças climáticas também já afetam nossa saúde. E mais: conforme um estudo internacional publicado em 31 de outubro na revista médica “The Lancet”, elas podem levar a medicina a regredir 50 anos e causar danos irreversíveis. Além das 18 mil pessoas que morrem por dia por causa da poluição, somos afetados de diversas maneiras, mesmo indiretamente. Por exemplo: o aumento de 1°C na temperatura, faz a produção de trigo cair 6% e a de arroz, 10%. Menos comida, mais gente desnutrida. Nas últimas semanas, a COP 23 ganhou mais pano paras as mangas.

Ocaso brasileiro

O Brasil levava como trunfo à conferência a alardeada redução de 16% na taxa de desmatamento este ano – mesmo que todos já saibam que a área desmatada, 6.624 km², ainda é 70% maior do que determina a lei brasileira de clima, que o desmatamento deve cair para 3.900 km² por ano até 2020. Mas, com o incêndio que devastou há semanas o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros e deixou ainda mais evidente o seu descaso com a natureza, o país chega à Alemanha com o filme mais queimado do que nunca. Ao cortar o orçamento do Ministério do Meio Ambiente pela metade, enfraqueceu órgãos como o Ibama, atingindo diretamente o trabalho de fiscalização contra invasões e prevenção e combate a incêndios.

O novo 7 x 1 se sacramentou com o lançamento do novo relatório do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG). Segundo a pesquisa, o Brasil realizou a façanha de se tornar a única grande economia do mundo a aumentar o nível de poluição sem crescer. Emitimos 8,9% a mais de gases do efeito estufa em 2016 do que em 2015. É o nível mais alto desde 2008, o que nos garante a sétima posição entre os maiores poluidores do planeta. Este crescimento se deveu à alta de 27% no desmatamento na Amazônia em 2016, mas o agronegócio é o seu principal motor, respondendo por 74% das emissões. Se fosse um país, o setor seria o oitavo maior poluidor do mundo, à frente do Japão.

O agronegócio é também o segmento que mais atua no sentido de restringir demarcações, invadir e extinguir terras indígenas e quilombolas – que são comprovadamente barreiras verdes ao desmatamento e, por consequência, fundamentais para minimizar os efeitos das mudanças climáticas. Além disso, o Brasil foi, ao lado da Indonésia, o país que mais perdeu cobertura florestal em 2016. Enquanto China e Europa dão uma guinada para a economia sustentável, em agosto rescindimos o contrato para a construção de 16 parques eólicos e nove usinas solares, que gerariam 557 megawatts de energia limpa, para investir em termelétricas e combustíveis fósseis. Quer dizer, investir não é bem o termo, pois está prestes a ser votada no Congresso uma MP que dará de presente à indústria de petróleo nada menos do que R$ 1 trilhão em subsídios.

Soluções à vista e a prazo

Apesar dos pesares, políticos e especialistas não vão começar do zero em busca de saídas. Mesmo que faça projeções sombrias, o relatório da ONU Meio Ambiente traz soluções concretas e baratas. Nas áreas de agropecuária, construção civil, geração de energia, indústria, transporte e silvicultura, investimentos em tecnologia poderiam reduzir a emissão de 36 giga toneladas de CO2 por ano até 2030. E os custos seriam realmente pequenos — menos de US$ 100 por tonelada de CO2 não liberada. Mas é preciso começar essa transição em dois anos – ou seja, é para ontem. É preciso vontade política e fazer pressão. Os alemães sabem disso e mostraram do que são capazes em Hamburgo, no encontro do G20 no ano passado. As manifestações no país já começaram e está agendada para o dia 11, em Bonn, a principal delas, puxada por um coletivo de movimentos e organizações.

Foto: Wolfgang Rattay/Reuters

Saiba mais:

Atuais compromissos para Acordo de Paris não manterão aquecimento global abaixo dos 2ºC

Conferência do Clima começa com pressão por metas mais ambiciosas

COP23 leva adiante trabalhos pelo Acordo de Paris

Aquecimento global pode provocar danos irreversíveis à saúde humana, dizem especialistas

Brasil chega à Conferência do Clima com discurso contraditório, dizem ambientalistas

Que imagem o Brasil tentará vender na COP23?

Economia e conservação na Amazônia (do Ministério do Meio Ambiente)

Estudos apontam perda de R$ 1 tri em renúncia fiscal após leilão do pré-sal

Aquecimento global é “inequívoco”, diz relatório do governo dos EUA

Estudo mostra que 250 empresas emitem um terço do CO2 do mundo

Agro Brasil: século 19 ou 21? (artigo de Luís Fernando Guedes Pinto, do Imaflora)

Folheto de convocação para a manifestação do dia 11/11 em Bonn

Quanto reduzir para cumprir a meta?

Ambientalistas invadem mina de carvão na Alemanha

Milhares protestam em Bonn contra combustíveis fósseis

Índios de 14 países fazem protestos antes de conferência sobre mudanças climáticas da ONU

O que nós esperamos da COP23

Céu de carbono

Céu de carbono

O planeta azul está cinza como nunca. Em 2016, a concentração mundial de dióxido de carbono (CO2) atingiu o mais alto nível dos últimos 800 mil anos. O aumento nas últimas sete décadas não tem precedentes na História da Humanidade. Os dados foram divulgados ontem (30/10) pela World Meteorological Organization, e certamente vão influenciar a próxima Conferência do Clima (COP-23), em novembro, na Alemanha.

As concentrações de CO2 estão 145% mais altas do que em níveis pré-industriais (antes de 1750): chegaram a 403,3 partes por milhão em 2016, contra 400 em 2015. Isso graças a uma combinação explosiva da mão humana com o El Niño. Somos impotentes contra fenômenos naturais, mas podemos fazer a nossa parte.

Via G1 – O Portal de Notícias da Globo

Foto: Agência Brasil

Saiba mais