skip to content
A energia do Tapajós vem do sol!

A energia do Tapajós vem do sol!

O astro-rei não perde a majestade na terra dos Mundurukus.
Ele dá vida à floresta e pode ajudar a preservá-la.
Usinas solares podem ser uma alternativa à construção de hidrelétricas no rio – que, não custa lembrar, é o último afluente da margem direita do Amazonas a correr livre.
O Greenpeace Brasil e a Fundação Empowered by Light implataram projetos-piloto em duas aldeias da Terra Indígena Sawré Muybu.
Os painéis fotovoltaicos vão fornecer energia para uma escola e freezers comunitários. E mais importante do que isso: servirão de exemplos a serem seguidos.
Via Greenpeace Brasil
Saiba mais: https://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/Energia-solar-brilha-para-o-povo-Munduruku/

Munduruku fazem protesto no ATL

Munduruku fazem protesto no ATL

Munduruku aprende a resistir engatinhando. Os bravos guerreiros da Bacia do Tapajós fizeram ontem um protesto pela demarcação da Terra Sawré Muybu em Brasília. Eles estão na cidade para participar do Acampamento Terra Livre (ATL) 2018.

Os Munduruku querem impedir a construção de hidrelétricas no Tapajós, o último afluente da margem direita do Amazonas a correr livre. Eles são um exemplo a ser seguido. Em nome de que deixamos atropelarem nossos direitos sem resistência?

Via Amazônia Real

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Saiba mais

É essa a energia limpa que o Brasil se orgulha em produzir?

É essa a energia limpa que o Brasil se orgulha em produzir?

Estudo feito pelo IPAM mostra que hidrelétrica no Tapajós pode aumentar o desmatamento na Amazônia em 25%.
Sem se preocupar com isso, o governo assinou medida provisória que autoriza a construção de barragens em terras indígenas mediante compensação financeira.
Enquanto na #COP21, líderes mundiais tentam encontrar soluções para salvar o planeta, o Brasil parece mais emprenhado em destruí-lo. #AtitudePeloClima  é NÃO construir hidrelétrica na Amazônia. Concorda? Assine: https://www.atitudepeloclima.org.
Saiba mais: https://migre.me/smk4t
Foto: Madeira desmatada antes do alagamento não foi removida corretamente e ficou dentro do lago da usina. Floresta em pé também foi alagada Foto: Ibama

O sagrado vínculo entre as águas e os povos tradicionais

O sagrado vínculo entre as águas e os povos tradicionais

Sagrado. É assim que os povos tradicionais veem os rios. Os rios que alimentam também purificam e renovam. Mas para isso, eles precisam ser livres. No entanto, nossas águas são castigadas por agrotóxicos, fertilizantes, pelos esgotos sem tratamento e pelos metais despejados por grandes empresas, refinarias e garimpeiros ilegais. Passamos do mês da água para o mês dos indígenas, que sempre se dedicaram a cuidar dos nossos recursos naturais e que hoje lutam por seus direitos e buscam um diálogo maior com o governo federal.

Durante o Fórum Mundial da Água, realizado em março, em Brasília, o IBGE divulgou um estudo sobre a importância dela para o PIB. Segundo a análise, o Brasil consumiu o equivalente a 35,4 bilhões de caixas d’água (de 1 mil litros cada) para produzir o PIB do ano de 2015. Esse montante diz respeito a toda a água consumida por famílias, governo e empresas naquele ano para gerar os R$ 5,9 trilhões correspondentes ao PIB em valores correntes. Isso significa que, na média geral, para cada mil litros (m³) de água que consome, a economia brasileira gera R$ 169. Essa relação funciona como um indicador de eficiência hídrica, onde é mais eficiente quem consome menos água para gerar mais riqueza. O setor de eletricidade e gás foi o mais eficiente, gerando R$ 846 para cada m³ consumido. Já a agropecuária foi apontada como o setor menos eficiente no uso do recurso, gerando R$11 a cada mil litros consumidos.

Os setores econômicos captam água diretamente do meio ambiente para suas atividades: 95,7% da água usada nas indústrias de transformação e construção são captados diretamente da natureza. Praticamente o mesmo ocorre nas indústrias extrativas (99,3%) e na agropecuária (96,6%). Já entre as famílias, 91,1% da água vem das empresas de captação, tratamento e distribuição.

Encerramos o mês dedicado às águas e iniciamos o mês dedicado aos povos indígenas. Eles que trazem consigo conhecimentos profundos sobre nossas águas, que têm reverência pelos rios e sabem cuidar como ninguém da nossa natureza. Estes povos, tão importantes na nossa história, na nossa preservação e na tentativa de buscar um caminho para o futuro, se sentem ameaçados e acuados. Mais que isso: eles sentem na pele a falta de diálogo com um governo que adota medidas administrativas e jurídicas para restringir seus direitos.

Para dialogar sobre a situação dos povos tradicionais, principalmente os indígenas, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) convoca etnias do Brasil inteiro, organizações indigenistas e a sociedade civil, para a maior mobilização nacional do ano – o Acampamento Terra Livre (ATL) que será realizado em Brasília – DF, entre os dias 23 a 27 de abril de 2018.

Saiba mais:

Brasil consome o equivalente a 35,4 bi de caixas d’água para produzir PIB de um ano

Apib divulga a convocatória do Acampamento Terra Livre (ATL) 2018

Legado do Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília, é excelente

Somos todos água

Somos todos água

O corpo humano é 75% água; ou seja, não só não podemos viver sem água, como é possível até dizer que, fisicamente, somos água. A Ciência nos fez saber desta conexão, mas esse conhecimento não tem nos impedido de secar lagos, de degradar rios e de poluir mares. Em 22 de março, comemora-se o Dia Mundial das Águas, e a Lei das Águas está completando 20 anos em 2017. De número 9.433/1997, ela instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Apesar disso, nossas águas continuam ao Deus dará. Então vamos aproveitar a ocasião para conversar sobre isso? Há uma lei que as rege, mas quem governa nossas águas?

Uma ideia que veio de longe, da Nova Zelândia: a Justiça local fez do Rio Whanganui pessoa jurídica. A partir de agora, mexeu com o Whanganui, mexeu com os Whanganui: qualquer dano causado ao terceiro maior rio do país será julgado como um dano aos indígenas do povo Maori que carregam seu nome. Enquanto nos acostumamos a conviver com rios mortos cortando as grandes cidades, os povos tradicionais lutam para mantê-los vivos. É um vínculo que está além do campo físico, também é cultural e imaterial.

Mas os Munduruku não protegem o Tapajós apenas por considerá-lo sagrado: a proximidade e o cotidiano não os deixam esquecer o quanto o rio é vital para sua sobrevivência. É dele que tiram o seu sustento diariamente, sem intermediários. O Brasil abriga a maior bacia hidrográfica e o maior aquífero do mundo. Que tal cuidarmos melhor desta dádiva?

Translate »