Escolha uma Página
Pedra cantada

Pedra cantada

No Brasil, profeta não arruma emprego; tudo é previsível. O que aconteceu em Brumadinho há três anos era pedra cantada. Pouco depois do desastre, já se sabia que dois relatórios do corpo técnico da Vale, um de 2017 e outro de 2018, alertavam a direção da empresa sobre os riscos de rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão. Mesmo assim, nada foi feito para evitar a morte de 272 pessoas e o desaparecimento de seis. Pior: menos ainda fizeram depois para evitar novas calamidades. Minas Gerais está aí como prova. Continuam empurrando com a barriga pessoas para a morte.

Segundo a Agência Nacional de Mineração (ANM), ainda há no país 65 barragens como a de Brumadinho, que deveriam estar desativadas. Destas, 46 ficam em Minas. Jeferson Lucas de Godoy, operário de 29 anos, vive à sombra desta aflição. Da janela da sala, no município de Ouro Preto, vê uma dessas estruturas, classificada pela ANM como em situação de emergência declarada. “Vivo embaixo de uma bomba relógio. E se estourar, tenho dois bebês e uma criança para pegar e correr”, diz ele. Como não sentir o medo quase palpável de Jefferson?

Minas chegou a ter 374 municípios – 43,8% do total – em situação de emergência por causa das chuvas. Cerca de 13,2 milhões de pessoas vivem em áreas que foram atingidas por chuvas e inundações, ou 61,6% da população. Barragens – de mineradoras e hidrelétricas – das regiões mais afetadas correram o risco de romper e algumas, como a do Carioca, no Rio São João, no centro-oeste do estado, e a da Mina de Pau Branco, em Nova Lima, região metropolitana de Belo Horizonte, transbordaram. E só há 14 fiscais para vistoriar todas as 350 em funcionamento.

A empatia que sentimos pelos mineiros pode virar dor à flor da própria pele. Minas hoje é uma espécie de maquete do futuro do meio ambiente no Brasil. O país pode virar um campo minado, caso absurdos, como a lei que afrouxa o licenciamento ambiental seja aprovada, e a verba para a área continue a cair como árvores. Uma monocultura de Brumadinhos.

E olha que a situação atual já inspira muitos cuidados: mais de 8 milhões de brasileiros vivem em áreas de risco – quatro a cada 100, sendo que no Sudeste a proporção chega a 10%. Não à toa, a região detém o trágico título de maior desastre climático do Brasil, quando 918 pessoas morreram e 99 desapareceram, levadas pela chuva que castigou a Serra Fluminense (RJ), em 11 de janeiro de 2011.

Esta data, o 5 de novembro de 2015 (Mariana) e o 25 de janeiro de 2019, nunca deveriam ser esquecidos, para que jamais dias tão tristes se repetissem. Nossos problemas não começaram no atual governo, mas ele teve que encarar Brumadinho menos de um mês depois da posse. Era de se esperar que tivesse mais sensibilidade em relação a isso e honrasse a memória dos mortos pela lama tóxica da Vale. Nesse bingo azarado não é questão de sorte não acontecer algo, mas questão de tempo, caso nada seja feito. Cabe a nós juntar as vozes para que não nos tornemos as pedras cantadas da vez.

 

Saiba mais:

A angústia de viver ao lado de barragens

‘É um povo que vive em uma intensa busca do que não tem reparo’, diz bispo

Três anos após tragédia de Brumadinho, indignação persiste

Três anos após Brumadinho, só 14 fiscais vistoriam 350 barragens de Minas

Brumadinho, 3 anos: Quem são as 6 vítimas ainda desaparecidas na tragédia

Três anos após tragédia, adoecimento mental preocupa Brumadinho (MG)

Três anos depois, tragédia como a de Brumadinho pode se repetir

Processo criminal da tragédia em Brumadinho pode voltar à estaca zero

Lentidão da Justiça gera sentimento de impunidade no caso Brumadinho (MG)

Três anos de Brumadinho: população luta contra dependência da mineração, mas governo estimula

Bolsonaro corta verbas de pesquisas, combate a incêndios florestais, indígenas e hospitais

Venezuela vive crise ambiental com uma ‘onda de destruição’

Governo aposta em projeto polêmico para duplicar hidrovia

Mais de 8 milhões de brasileiros vivem em área de risco e previsões dos próximos meses acendem alerta

Desastres não naturais

Matopiba: crescimento do agronegócio é um dos responsáveis por enchentes que assolam Nordeste

Documentos indicam que Vale sabia das chances de rompimento da barragem de Brumadinho desde 2017

Tragédia de Brumadinho poderia ter sido evitada, segundo ANM

 

Minas terrestres

Minas terrestres

O governo atual encarou o maior desastre ambiental de nossa História logo no início do seu mandato. Foi como se tivesse pisado numa mina terrestre de guerras passadas. Ele não teve culpa alguma pelo rompimento de uma barragem de rejeitos tóxicos da Vale em Brumadinho, Minas Gerais, que foi causado por décadas de crimes e descaso que antecederam sua chegada. Mas, em vez de lhe servir de lição de preservação e prevenção, o acidente parece ter sido usado de base para a elaboração de uma espécie de manual sobre como destruir o verde. E saiu plantando mais minas. É uma política ambiental movida ao que há de errado: afrouxamento na legislação, omissão e enfraquecimento dos órgãos de fiscalização, que são um convite à corrupção. Vejam a última do ministro do Meio Ambiente. Condenado pela Justiça de São Paulo por falsificar mapas da Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê, em 2016, quando era secretário estadual, ele agora pretende extinguir as regras que protegem manguezais e restingas.

Esse guia é seguido nos mais diversos setores ambientais. No caso da decisão do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), especialmente desfigurado pelo ministro para essas ocasiões, os interesses são diversos. O mais óbvio é o dos setores imobiliário e turístico, pois criar uma “Cancún brasileira” é uma obsessão pessoal do presidente – e o Conama também optou por liberar construções em áreas localizadas no entorno de represas artificiais, que também beneficia esses negócios. Mas há outros menos evidentes, como a criação de camarão (carcinicultura), um negócio que rendeu R$ 1,1 bilhão em 2019. Sozinha, esta modalidade de “agronegócio marinho” é responsável pela destruição de metade dos manguezais brasileiros. Já o terrestre seria teoricamente beneficiado pela revogação da exigência de licenciamento ambiental para projetos de irrigação – a água desviada clandestinamente por agricultores é justamente um dos maiores flagelos que assolam o São Francisco. Cerca de 14,2 milhões de brasileiros dependem diretamente das águas do “rio da integração nacional”, cuja bacia banha sete estados e o Distrito Federal.

Voltemos ao exemplo de Brumadinho. Era de se esperar que o governo – que, por sinal, agiu com rapidez no dia do acidente – redobrasse a atenção para esse tipo de estrutura. Mas o Relatório de Segurança de Barragens 2019, da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), diz o contrário, já que houve um aumento de 129% no número de barragens em condições críticas no Brasil em relação a 2018 – crescendo de 68 para 156, em 22 estados. A maioria delas (63%) pertence à iniciativa privada. Aqui, as maiores interessadas são as más empresas ligadas à mineração, mananciais de propina. Justamente quem sairia ganhando com a fraude na Área de Proteção Ambiental da Várzea do Rio Tietê.

E o futuro aponta para mais insegurança ainda: recém-aprovada, a nova lei que regula a Política Nacional de Segurança de Barragens excluiu a exigência de que os planos de emergência das empresas fossem examinados pelas agências reguladoras. Caso o plano de emergência que a empresa alemã Tüv Süd apresentou à Vale para a barragem da mina do Córrego do Feijão fosse analisado antes, o pior poderia ter sido evitado. O mais provável é que fossem exigidas mudanças no projeto, uma vez que estudos prévios já apontavam falhas – como, por exemplo, que os rejeitos chegariam até o refeitório dos trabalhadores em um minuto ou menos e que as rotas de fuga seriam alcançadas em até cinco minutos.

Só em Minas Gerais, a Agência Nacional de Mineração (ANM) tem 360 barragens para fiscalizar. Quatro dessas estruturas correm risco de rompimento iminente, o mesmo número de fiscais que o órgão tem para dar conta do trabalho em todo o estado no momento. São 30 fiscais para cuidar de 841 barragens de mineração em todo o país e o Ministério da Economia ainda determinou um corte de 9% no orçamento da ANM, que passaria dos atuais R$ 67,5 para R$ 61,4 em 2021. Assim como o Ibama, a agência está sendo enfraquecida enquanto a boiada passa. É mais uma instrução do manual sendo seguida. Os 19 mortos em Mariana e os 270 de Brumadinho merecem mais respeito.

#MeioAmbiente #Natureza #ANM #ANA #Barragens #Brumadinho #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:

Entenda as mudanças nas regras do meio ambiente após decisões do conselho presidido por Salles

Liminar suspende mudanças ambientais de Salles por “risco de danos irreparáveis”

Criação de camarão impulsiona desmate de 50% dos mangues no País

Em Natal, projeto social recupera área de manguezal destruída pela carcinicultura

Número de barragens em condição crítica aumentou 129% no Brasil, mostra relatório

Número de barragens críticas no país cresce 129%, mostra relatório

Relatório mostra crescimento de barragens em condições críticas em 2019

Lei de segurança de barragens exclui obrigação de agências reguladoras analisarem planos

‘Tragédia iminente’, diz associação de cidades mineradoras de MG sobre corte no orçamento da agência que fiscaliza barragens

Agência federal fica sem verba para fiscalizar barragens e tem ‘futuro comprometido’, diz diretor

MPF quer anular acordo de R$ 250 milhões firmado entre Vale e Ibama

Mineração em terras indígenas pode causar prejuízo anual de US$ 5 bi, diz estudo

Empresa contratada para fiscalizar barragens é cliente das mineradoras que precisa fiscalizar

Peixes migradores caíram 76%; destruir barragens antigas pode ser solução

Barragens de minério de ouro interditadas por risco de rompimento em MT não têm plano emergencial

Vale diz não a proposta de contratação de assessoria independente para avaliar prejuízos em Brumadinho

Vale diz não a proposta de contratação de assessoria independente para avaliar prejuízos em Brumadinho

Uma inversão de valores. A Vale disse não a uma proposta das famílias atingidas pelo desastre em Brumadinho de contratação de uma assessoria técnica independente. Ela teria como missão calcular os danos provocados pelo rompimento da barragem da mineradora.

As vítimas alegam que somente uma empresa livre de qualquer influência tem como fazer um levantamento com correção das perdas na saúde, financeiras, ambientais, entre outras. A Vale diz que tem todas as condições de fazer essa contagem. Há controvérsias.

Via O Globo

Foto: Adriano Machado/Reuters

Saiba mais