Escolha uma Página

Ouro de tolo verde

10 de fevereiro de 2022

O terreno é fértil e a safra de absurdos no Brasil cresce de forma assombrosa. Agorinha mesmo, a Câmara aprovou, em regime de urgência, o famigerado PL do Veneno. Daí é comum a gente esquecer um ou outro despautério. Alguém se lembra do “dia do fogo”? O evento (sic), que segundo a Polícia Federal, teria sido promovido por ruralistas no Pará, dominou os noticiários em agosto de 2019, ano em que incêndios criminosos devoraram 9.060 km² de Amazônia. Os malfeitores atearam fogo em 197 pontos espalhados por reservas florestais de três municípios paraenses e o deixaram tomar conta de tudo. Não foi só por pura maldade, queriam botar algo que julgavam mais lucrativo no lugar. E a decisão apressada dos deputados em flexibilizar o uso de agrotóxicos tem relação com isso.

O crime permanece impune, mas o que motivou o “dia do fogo” já se sabe: plantar soja. Ela só costuma chegar diretamente ao prato do brasileiro médio na forma de óleo, mas responde por 49% do cultivo de grãos no país. Não há pedaço de terra que não queiram tomar para ela, seja terra indígena, quilombo ou unidade de conservação, e junto chegam obras gigantes de infraestrutura e mais agrotóxicos. Mas além dos danos ambientais, o apetite insaciável e nada saudável do agronegócio pela leguminosa também é um dos maiores responsáveis pela volta da fome e da carestia no Brasil.

É ouro verde: a produção brasileira corresponde a 40% do comércio mundial do grão e a 73% do óleo de soja. Cerca de 75% tomam o caminho da China sem que a gente sinta nem o cheiro. Segundo a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), o país exportou 80 vezes mais soja em janeiro deste ano – 4,274 milhões de toneladas – do que no mesmo mês em 2020. Entre 1988 e 2020, a produção de soja cresceu 576%. No mesmo período, as lavouras dos três alimentos mais consumidos pelos brasileiros encolheram: a de arroz caiu 73%; a de mandioca, 33%; e a de feijão, 54% – segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o último terá a menor área cultivada desde 1976.

E ainda corremos o risco de azedarem ainda mais nosso arroz, feijão e farinha do dia a dia. Nem precisava, pois mesmo com a legislação anterior o governo atual liberou 1.517 novos agrotóxicos, uma incrível média de 505 por ano; mas, mesmo assim, a Câmara aprovou de supetão, no último dia 9, o Projeto de Lei 6299/2002, vulgo PL do Veneno, que agora vai ser analisado pelo Senado. Uma das mudanças previstas é que o registro de novas substâncias seria decisão exclusiva do Ministério da Agricultura – cuja titular é conhecida como “musa do veneno”. O agro que serve ao Brasil ou o Brasil que serve ao agro?

Enquanto trata o grande produtor a pão de ló, dá migalhas para o pequeno. Entre os ministérios, o da Agricultura teve um dos menores cortes do orçamento aprovado pelo presidente para este ano, R$ 87,2 milhões. Para se ter uma ideia, Trabalho e Educação perderam, respectivamente, R$ 1 bilhão e R$ 739,9 milhões. Já o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) teve o maior corte de verba do orçamento geral – perdeu R$ 1,3 bilhão ou 35% do total. O pão que o diabo amassou e sem manteiga.

Quem diz é o Censo Agropecuário do IBGE de 2017: a agricultura familiar ocupa 77% das propriedades produtivas do país – 23% de nossa área agrícola total – e assegura renda e comida na mesa para 10 milhões de brasileiros. “O corte no Pronaf surpreendeu muito porque, em São Paulo, por exemplo, 78% dos agricultores são pequenos e cerca de 90% usam o programa”, disse Tirso Meirelles, vice-presidente da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo (Faesp). Outros mecanismos voltados para os pequenos agricultores e a população mais carente, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), também estão morrendo de inanição. Seria a fome não uma crise, mas um projeto?

Mas o pior é que esse ouro verde é de tolo. O desmatamento para a expansão da fronteira agrícola e as mudanças climáticas têm acentuado os períodos de seca na região conhecida como Matopiba (que engloba trechos de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), a casa da soja por excelência. O comércio e a política internacionais são uma selva e 44% dos princípios químicos ativos usados em agrotóxicos no Brasil são proibidos na União Europeia, o que soa como música aos ouvidos da concorrência.

No último dia 12, o presidente da França, Emmanuel Macron, que está em campanha para a reeleição, mandou na lata, quer dizer, no seu Twitter: “Continuar dependendo da soja brasileira é endossar o desmatamento na Amazônia”. Ele quer que os franceses plantem a própria soja. Os chineses, que não gostam de depender de ninguém, estabeleceram a meta de aumentar sua produção em 40% até 2025, chegando a 23 milhões de toneladas de grãos. O agronegócio pode ficar sem freguês e sem nada para vender. E pode sobrar só veneno para os nossos pratos, caso a gente não pressione o Senado a rejeitar o PL 6299.

 

Saiba mais:

Câmara aprova projeto que facilita autorização de agrotóxicos

Projeto de lei sobre agrotóxicos: o que pode mudar em relação às regras atuais

Alvo de ambientalistas, ‘PL do Veneno’ já foi criticado por Fiocruz, Abrasco, Anvisa e outros órgãos

O Assunto #641: Agrotóxicos – o que muda com o PL do Veneno

Cartazes chamam políticos pró-flexibilização de agrotóxicos de ‘bancada do câncer’

Câmara aumenta poder do Ministério da Agricultura para registrar agrotóxicos

Agricultores do país reclamam de problemas nas entregas de agrotóxicos e citam riscos

Anvisa pode apagar atuação com agrotóxicos, diz ex-gerente da agência sobre PL 6.299

Câmara dos Deputados aprova “Pacote do Veneno”, em aceno ao agronegócio

Agro cobra de governo e Congresso mais R$ 3 bilhões para o crédito rural

Área incendiada no ‘Dia do Fogo’ foi transformada em plantação de soja

Área incendiada no ‘Dia do Fogo’ foi transformada em plantação de soja no Pará, aponta levantamento

Área plantada de feijão, arroz e mandioca em 2022 é a menor dos últimos 45 anos

Soja: país deve exportar 80 vezes mais neste mês do que em janeiro de 2021

Brasil é tricampeão em grãos, fome e desmatamento (Ana Chamma, Gerd Sparovek e Tereza Campello)

Abandono de estoques e menos agricultura familiar são ingredientes do aumento da fome no país

Cinco culturas ocupam 70% da área agrícola do Brasil, diz Imaflora

Orçamento da União 2021 revela descaso com Agricultura Familiar

‘Governo ainda não entendeu a importância da agricultura familiar’

Governo tenta ‘invisibilizar’ a agricultura familiar, que garante alimento no país

Corte em crédito rural no Orçamento de 2021 ameaça agricultura familiar

Maior tendência de seca na América do Sul foi em área de transição de Amazônia e Cerrado, diz estudo

Eventos climáticos extremos estão mais frequentes; o que isso significa?

China quer elevar em 40% safra de soja até 2025 para depender menos de importação

Governo rebate Macron: “Soja brasileira não exporta desmatamento”

Em resposta a Macron, governo diz que soja brasileira ‘não exporta desmatamento’