nosso
Olhar


Devastação premiada

Devastação premiada - license to deforest

O campo está minado. Manifestações como as que vêm acontecendo no sudoeste do Pará, como os bloqueios na BR-163 que culminaram com o incêndio de veículos do Ibama em Cachoeira da Serra, podem se multiplicar. Elas são fruto da política ambiental do governo, que, além de causar conflitos, tem feito o país perder dinheiro. O corte da Noruega no Fundo Amazônia pode ter sido só o começo.

O termo “insegurança jurídica” foi usado pelo ministro do Meio Ambiente Sarney Filho, quando do anúncio dos vetos do presidente Temer às Medidas Provisórias 756 e 758. Elas incidiam diretamente sobre os limites da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim e foram consideradas inconstitucionais pelo Ministério Público. A MP 756 foi devolvida ao Congresso, para que volte na forma de Projeto de Lei. Essa “insegurança jurídica”, na verdade, é causada pelo próprio governo, quando faz esse tipo de manobra.

A redução da Flona do Jamanxim é reivindicada pela bancada ruralista com o objetivo de regularizar terras públicas invadidas na região. Também aprovada pela Câmara e igualmente questionada pelo Ministério Público, a MP 759 (a MP da Grilagem) vai além, pois dita novas regras para regularização fundiária urbana e rural. Na prática, ela vai facilitar a legalização de terras invadidas. Seria uma espécie de devastação premiada. As manifestações no sudoeste paraense são justamente para pressionar o governo para a aprovação dessas medidas. Precisamos reagir.

 

Mais desmatamento, menos dinheiro

 

Os últimos dados do Prodes, programa que monitora via satélite o desmatamento da Amazônia, apontam que a velocidade de destruição da floresta cresceu cerca de 30% de agosto de 2015 a julho de 2016. É a maior extensão desmatada desde 2008 na Amazônia Legal. Boa parte desse crescimento se concentra nos estados de Pará, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas. E a porcentagem de desmatamento em áreas (teoricamente) protegidas dobrou desde 2008, e hoje atinge a 12%.

Os veículos incendiados certamente farão muita falta ao combalido Ibama, que perdeu 30% do seu orçamento de 2015 para 2016. E a tendência é que esses recursos minguem ainda mais. A Noruega era o maior doador ao Fundo da Amazônia (que financia o combate ao desmatamento) e já havia destinado ao Brasil US$ 1,1 bilhão entre 2009 e 2016. O corte de quase R$ 200 milhões atingirá diretamente programas de preservação.

A Alemanha anunciou que também pensa em sanções. E o ministro francês da Transição Ecológica, Nicolas Hulot, incluiu o bloqueio da importação de produtos florestais ou agrícolas que contribuam para o desmatamento no mundo, principalmente na Amazônia, no sudeste da Ásia e no Congo em seu plano para o clima para os próximos cinco anos.  Entre os principais itens estão o óleo de soja, o ouro verde dos ruralistas. Ou seja: no fim, o prejuízo será rateado por todos.

 

O que pode ser feito?

 

A solução mais barata e eficaz para deter o desmatamento e levar a paz ao campo, acabando com a tal “insegurança jurídica”, é a demarcação de Terras Indígenas e Quilombolas, mesmo com o pagamento de indenizações a eventuais removidos. E a proteção às Unidades de Conservação, como as Flonas e os Parques Nacionais. Outra opção é remunerar quem preserva a floresta. Sistemas deste tipo já funcionam bem em países como Costa Rica, que paga produtores rurais para abandonarem a prática da pecuária extensiva.

No Brasil, embora o Código Florestal de 2012 preveja esse mecanismo, ainda não há regulamentação nacional. Hoje, apenas alguns estados, como o Pará, adotam programas desse tipo. Outro mecanismo que poderia financiar a manutenção de áreas de floresta no país é o REDD+. Desenvolvido durante as conferências do clima da ONU, o conceito propõe a compra de créditos de carbono, seja por governos ou empresas, poupados por florestas em regiões ameaçadas pelo desmatamento. Mas como não existem ainda regras que guiem a implantação do programa no Brasil, as iniciativas são voluntárias e pontuais. O Acre é o único estado estabelecer um programa de REDD+. E pela queda de 75% no desmatamento desde 2004, já recebeu R$ 100 milhões do banco de desenvolvimento alemão, o KFW. Em economês: floresta preservada é um passivo; destruí-la é prejuízo na certa.

 

Saiba mais:

 

Manifestações e bloqueio de partes da BR-163 chega ao terceiro dia

Protesto na BR-163 afeta transporte de grãos no PA; veículos do Ibama são queimados

Carros a serviço do Ibama são queimados no sudeste do Pará

Oito camionetes do Ibama são incendiadas em ataque no Pará

Por que Temer vetou a proposta de reduzir a proteção de florestas no Pará

Mais de 2 mil imóveis irregulares em terras públicas na Amazônia podem ser legalizados por “MP da grilagem”

Brasil destrói 128 campos de futebol de floresta por hora

Empresários do Pará pedem a Temer que acabe com Fundo Amazônia

França vai vetar importação de produtos ligados ao desmatamento da Amazônia

Amazônia em chamas: o inferno é aqui!

 



Publicações

Colhendo consciência ecológica

A garotada de Carazinho botou a mão na massa para plantar a própria merenda. E o...

Rio de Janeiro por água abaixo

A imagem acima pode deixar de ser meramente ilustrativa. Uma nova ferramenta desenvolvida pela Nasa tenta...

Biodiversidade grau 10

Tem bicho saindo pelo ladrão no Brasil. Segundo o Projeto Earth Biogenome, o país abriga 10%...

Mocambo em festa

Este Dia de Consciência Negra vai entrar para a história de 185 famílias no município de...

Cabo verde mesmo

Há um país de língua portuguesa, ensolarado e onde venta à beça, que vai usar isso...

Quilombo é História

Zumbi dos Palmares, o senhor das demandas, também era conhecido como sweka, “homem invisível”, em idioma...

Patrimônio Mundial em risco

Vamos ficar olhando Machu Pichu sumir do mapa? Dos 241 sítios naturais considerados Patrimônio Mundial pela...

As duas caras do Brasil na COP23

Nesta quarta-feira (14/11), foi apresentado na 23ª Conferência do Clima da ONU, em Bonn, na Alemanha,...

Hora de reajustar o termostato

Vamos começar amenizando o clima: o levantamento anual da ONG internacional Global Carbon Project, divulgado na...

Sombras sobre o planeta

Sombras ameaçadoras pairam sobre o planeta. Há 25 anos, cientistas do mundo todo lançaram um alerta...