Escolha uma Página

Mariana: dois anos como um dia

7 de novembro de 2017

Parece que foi ontem. A tragédia de Mariana está fazendo dois anos, mas para as vítimas do maior desastre ambiental do país, é como se tivesse se passado só um dia: ninguém foi julgado, indenizações não foram pagas, o Rio Doce continua morto e cerca de mil pessoas ainda não receberam suas novas casas. Mais de 700 dias se passaram, mas o luto dos 540 Krenak não tem dia para passar, desde que 34 milhões de metros cúbicos de lama tóxica tomaram o rio que chamam de Uatu e praticamente extinguiu sua cultura. As crianças hoje aprendem a nadar em caixas d’água e os remédios, tirados da flora nativa, agora precisam ser comprados em farmácias. As cerimônias à beira do rio acabaram e houve quem morresse de depressão, tamanha a tristeza. 

Morando provisoriamente em Mariana, em imóveis alugados, famílias atingidas pelo desastre dos distritos rurais de Paracatu e Bento Rodrigues, além de enfrentarem a incerteza, chegam a ser hostilizadas por locais. E devem esperar ainda mais dois anos até que suas novas casas fiquem prontas. O desemprego no município saltou de 5% para 23% desde que as atividades da Samarco foram suspensas. A lama virou poeira tóxica e está espalhando doenças pela região. Os doentes não recebem tratamento adequado: às vezes, mães precisam escolher qual filho levarão ao médico. Em novembro do ano passado, a Justiça Federal em Ponte Nova (MG) aceitou a denúncia do Ministério Público Federal contra 22 pessoas e as empresas Samarco, Vale, BHP Billiton e VogBR pelo rompimento da barragem de Fundão. Mesmo com responsabilidade comprovada, ninguém ainda foi condenado. Brechas na lei congelam o tempo em Mariana.

Samarco e suas controladoras (Vale e BHP) criaram a Fundação Renova para fazer o trabalho social, o de reconstrução e o de restauração ambiental. A previsão é que remoção de resíduos acabe em 2020, e que R$ 2 bilhões sejam pagos em indenizações, mas ainda não se tem a real dimensão do tamanho do desastre. O equivalente a 120 navios petroleiros de lama desceu 55 km do Rio Gualaxo do Norte e mais 22 km do Rio do Carmo até ambos desaguarem no Rio Doce. De lá, rumou para o mar, no município de Regência (ES), percorrendo ao todo 663 km. Não dá para saber ainda qual será o tamanho do estrago no litoral, já que a foz do rio continua a despejar rejeitos. A única certeza a respeito de Mariana é que não devemos esquecer dela, para que tragédia igual nunca se repita.

Saiba mais:

‘Temos que escolher quem vai se tratar’: famílias atingidas pela lama de Mariana sofrem com problemas de saúde

Desastre ambiental em Mariana afeta cultura dos índios Krenaks

Empresa quer explorar ouro em área devastada pela tragédia de Mariana

Rio Doce, da nascente à foz

Samarco usa acordo com União para pedir absolvição de crime ambiental

Não somos pautados pela Samarco, diz chefe de reparação de dano de tragédia

Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados

Sobreviventes de desastre de Mariana sofrem preconceito e moradores pedem volta de Samarco

Distrito de Mariana vira uma ‘Chernobyl não radioativa’

As vidas provisórias dos atingidos pelo desastre da Samarco em Mariana

Dossiê Mariana: a infâmia global das corporações

Morador ainda teme contaminação de lama 2 anos após tragédia em Mariana

Temer assina decreto que dá desconto de até 60% em multas ambientais

Após dois anos, impacto ambiental do desastre em Mariana ainda não é totalmente conhecido

Extensão da tragédia de Mariana segue desconhecida

Mariana: Von Martius documentou região que foi destruída

Manifesto dos atingidos pela Samarco: Dois anos de lama, dois anos de luta!