Escolha uma Página

Gotas de Informação

Desmatamento Nutella

Desmatamento Nutella

Tem o desmatamento raiz e o desmatamento Nutella. Estão destruindo o habitat natural de nosso primo orangotango para produzir a famosa iguaria e outros gêneros alimentícios.

É tempo de esfriar a cabeça e a temperatura do planeta

É tempo de esfriar a cabeça e a temperatura do planeta

Os dois maiores poluidores do mundo, Estados Unidos e China, parece que finalmente se deram conta de seu papel no drama do aquecimento global e anunciaram que vão assinar o Acordo de Paris no dia 22 deste mês.

Rio dá adeus às sacolas plásticas

Rio dá adeus às sacolas plásticas

Situações extremas exigem medidas extremas. O governo do Estado do Rio de Janeiro sancionou uma lei que proíbe que estabelecimentos comerciais distribuam sacolas plásticas descartáveis. Além disso, determina que ofereçam em troca produtos biodegradáveis e reutilizáveis.

É por dúzia, quilo ou metro?

É por dúzia, quilo ou metro?

O patrão ficou maluco e para salvar a própria pele está promovendo uma queima total de áreas preservadas de florestas e de direitos dos povos tradicionais. O freguês – no caso, a bancada ruralista – está rindo de orelha a orelha, mas o precinho de ocasião vai deixar um baita buraco no balanço.

Mocambo em festa

Mocambo em festa

Este Dia de Consciência Negra vai entrar para a história de 185 famílias no município de Porto da Folha, em Sergipe: o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) reconheceu ontem (20/11) que elas pertencem ao Território Quilombola Mocambo, o primeiro reconhecido no estado, em 2014, e o quinto no país.

Não ao Juízo Final quilombola

Não ao Juízo Final quilombola

Em pleno século XXI ainda há quem meça os negros em arrobas. Somente 115 anos depois da promulgação da Lei Áurea, o Estado brasileiro se dispôs a conceder algum tipo de reparação aos descendentes dos africanos que foram aqui escravizados. Mas o Decreto 4.887, que regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação de comunidades quilombolas está sobre risco.

Proteção ambiental até debaixo d’água

Proteção ambiental até debaixo d’água

A ONU deu a largada para a formulação de um novo tratado para a preservação e o uso sustentável dos recursos biológicos dos oceanos. A ideia é que o novo acordo também permita a criação de reservas marinhas.

Estamos chegando ao limite

Estamos chegando ao limite

Segundo o “State of the Climate”, relatório anual sobre o clima, alguns recordes preocupantes foram quebrados no ano passado.Temperatura, nível dos oceanos e emissões de gases do efeito estufa atingiram as maiores marcas da história moderna.

Mais agrotóxicos na salada

Mais agrotóxicos na salada

Salada se tempera com azeite e vinagre, não com Benzoato de Emamectina. A substância, proibida no Brasil desde 2010, foi liberada no apagar das luzes do ano passado. E podem botar mais veneno em nossa mesa se o Projeto de Lei (PL) 6299/02, que flexibiliza a o uso de agrotóxicos no Brasil for aprovado no Congresso Nacional. A votação na comissão especial pode acontecer hoje. Depois, ela segue para o plenário da Câmara.

Cabo verde mesmo

Cabo verde mesmo

Há um país de língua portuguesa, ensolarado e onde venta à beça, que vai usar isso para funcionar com energia 100% limpa e renovável até 2025. Lamentavelmente, não falamos do Brasil, mas de Cabo Verde. Os cabo-verdianos começam a pôr em prática as metas que estabeleceram quando assinaram o Acordo de Paris. Hoje, essa taxa é de 25%.

Marco temporal é regressão ao século XVI

Marco temporal é regressão ao século XVI

O Brasil está prestes a regredir ao século XVI: para salvar a própria pele, o presidente fez mais um agrado à bancada ruralista atacando novamente os direitos dos povos indígenas. Temer aprovou ontem um parecer da Advocacia-Geral da União de 2009, sobre a demarcação da Terra Indígena Raposa-Serra do Sol. A decisão pode trazer à tona a famigerada tese do “marco temporal”.

Feio Monte

Feio Monte

Praticamente concluída, a usina de Belo Monte só tem beleza no nome. A hidrelétrica é um monstrengo, em vários sentidos. Muita coisa feia foi feita também para que ela fosse construída, enquanto boa parte das obras prometidas para reduzir impactos sociais e ambientais causados por ela na região ainda estão no papel – ou saíram de qualquer jeito, como escolas sem professores e alunos, redes de saneamento básico que não funcionam. Uma empreitada movida a propina.