skip to content

Acima da média

junho 2024

Acima da média

Por Marcia Hirota*

“Acima da média” é o termo mais ouvido nos últimos anos e, daqui para frente, vai fazer parte do cotidiano. Mais dias quentes e ondas de calor intensas. Mais períodos frios, chuvas excessivas, secura e baixa umidade. Os cientistas e ambientalistas alertam há tempos, mas o grau de frequência aumentou e nossas cidades não estão preparadas para enfrentar tragédias climáticas.

É triste ver o terrível momento pelo qual passa o Rio Grande do Sul e Santa Catarina diante da calamidade e do impacto direto na vida, história e memória das pessoas. Toda nossa solidariedade a elas. Enquanto o cenário ainda é crítico, temos que olhar para o passado e futuro. Precisamos nos munir de planos de prevenção, alerta, contingência, adaptação e mitigação frente às mudanças climáticas.

Segundo levantamento do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), vinculado à Secretaria de Estado de Economia e Planejamento do Espírito Santo, das 27 capitais brasileiras incluindo o Distrito Federal, 15 não contam com o Plano de Mudanças Climáticas. No universo das 16 capitais dos 17 estados abrangidos pelo bioma Mata Atlântica, 6 não elaboraram um plano climático: Aracaju (SE), Campo Grande (MS), Maceió (AL), Natal (RN), Porto Alegre (RS) e Vitória (ES). No contexto dos 3.429 municípios da Mata Atlântica, a maioria não possui planos de ação climática e a urgência é maior para aqueles localizados em regiões mais frágeis e áreas costeiras. É no bioma que vivem cerca de 70% da população brasileira.

A luta pelo desmatamento zero continua. Segundo dados apresentados pela SOS Mata Atlântica, INPE e Mapbiomas, a supressão da vegetação nativa ainda é preocupante no bioma mais devastado do país, enquanto a pauta deveria ser de restauração e adaptação.

“Acima da média” é também o ataque à legislação ambiental. Como apontou levantamento feito por especialistas a pedido de O Globo, o Congresso Nacional aprovou, ao menos, onze leis para afrouxar normas de proteção ambiental, na última década. E o problema persiste pois avança por lá o chamado “pacote da destruição”, com ameaças à Mata Atlântica e flexibilização que podem trazer retrocessos e mais desmontes, no caminho contrário à proteção ambiental e emergências impostas pelas mudanças climáticas. Uma luta urgente que conta com a participação atenta e efetiva da sociedade.

Para o futuro, o país precisa garantir políticas positivas mais robustas e avançar efetivamente na agenda de adaptação e mitigação climática, com empenho na preservação dos biomas e restauração dos ecossistemas, mais áreas protegidas e soluções baseadas na natureza, e modelos de desenvolvimento aliados à conservação dos nossos patrimônios naturais e à segurança para os povos, populações e comunidades locais.

Nos próximos meses, prefeitos(as) e vereadores serão eleitos. Será deles a responsabilidade de preparar nossas cidades para o futuro, que já é o presente. Para tanto, as agendas ambiental, social e climática devem fazer parte das prioridades. Caso contrário, continuaremos a presenciar tragédias climáticas “acima da média”.

*Marcia Hirota é presidente do Conselho da Fundação SOS Mata Atlântica e conselheira da ONG Uma Gota no Oceano.

Translate »