nosso
Olhar


O PNaRa é o antídoto contra o PL do Veneno

PNaRA é o antídoto para a PL do Veneno

O PL do Veneno, o Projeto de Lei 6299/2002 – que revoga a Lei de Agrotóxicos, de 1989 – tem um antídoto, e ele se chama PNaRA. A Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (este é o seu nome completo), ou PL 6670/2016, é uma iniciativa popular que tem como finalidade implantar medidas que ajudem a reduzir gradualmente o uso de pesticidas químicos no Brasil.

Esse conjunto de ações incluem incentivo à pesquisa e desenvolvimento de produtos de origem biológica – os chamados bioinseticidas – e à adoção de práticas de cultivo menos agressivas ao meio ambiente, de raiz agroecológica. A produção orgânica pode ser economicamente viável e o Brasil ainda deve faturar exportando tecnologia sustentável. Em nome de quê, então, ainda querem nos empurrar mais veneno?

O PNaRA prevê a adoção de medidas econômicas para desestimular o uso de agrotóxicos – que, por incrível que pareça, são isentos de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e em muitos estados pagam praticamente nada de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O dinheiro economizado poderia ser revertido em pesquisa. Há poucas semanas, inclusive, a Agência de Segurança Sanitária (Anvisa) aprovou um novo bioinseticida produzido a partir de um verme chamado nematoide para combater a vespa-da-madeira, praga que ataca árvores.

Só no ano passado, a indústria agroquímica movimentou cerca de R$ 30 bilhões no Brasil. E graças a essas facilidades fiscais, os cofres públicos deixaram de arrecadar pelo menos R$ 1,3 bilhão. E este é só o rombo federal: o estado de São Paulo, por exemplo, deixou de arrecadar pelo menos R$ 1,2 bilhão em 2015. É uma conta que não fecha: além dos prejuízos gigantescos para o meio ambiente, a saúde pública também sai perdendo.

Para cada US$ 1 que se gasta com agrotóxicos, perde-se US$ 1,28 com tratamento de pessoas intoxicadas – e olha que estamos falando apenas das pessoas que trabalham diretamente com esses produtos. Ainda não há estimativas de quantas são contaminadas indiretamente, seja pela água ou por alimentos que consomem.

Graças à influência da opinião pública, os ruralistas decidiram rever alguns dos pontos mais controversos do PL 6299/2002. Nesta terça (19/6), haverá uma nova reunião deliberativa. Só que depois de dois anos de espera, também começou a funcionar na Câmara a comissão especial que vai avaliar o PNaRA. Ou seja, juntou a fome com a vontade de comer. Cabe a nós continuarmos a pressão e lutar por uma alimentação mais saudável.

Assine a petição #ChegaDeAgrotóxicos

Saiba mais:

Texto integral do PNaRA

É hora de virar o jogo: PNaRA X PL do Veneno

Acompanhe a tramitação do PNaRA na Câmara

Temer deixa de arrecadar pelo menos R$ 1,3 bi com isenções aos agrotóxicos

Com incentivo do governo, Brasil lidera uso de agrotóxicos que matam 184 por ano

Pressão da opinião pública funciona e projeto de lei de agrotóxicos será revisto

Comissão especial da Câmara para reduzir uso de agrotóxicos começa a funcionar

Comissão Especial da PNaRA: um importante espaço para o debate sobre a produção de alimentos de verdade

Como os agrotóxicos agem no seu corpo?

Agroecologia e agricultura familiar mantêm a força produtiva no campo

Alimento orgânico ou agroecológico? Entenda a diferença entre os modos de produção

O que é agroecologia

Bioinseticida contra o greening é lançado em evento do Fundecitrus

Anvisa aprova bioinseticida à base de nematoides

Controle biológico como alternativa ao consumo excessivo de agrotóxicos (entrevista com o engenheiro agrônomo José Roberto Postali Parra, da Academia Brasileira de Ciências)

Manifesto contra a ‘Lei do Veneno’ recebe apoio de dezenas de entidades científicas

FAO promove consultas sobre estatísticas agroambientais na América Latina e Caribe

Pesquisa relaciona agrotóxicos a puberdade precoce e má formação congênita

ONU faz alerta sobre aprovação de nova lei dos agrotóxicos no Brasil

A ‘ciência’ dos defensores do ‘Pacote do Veneno’

 



Publicações

Indígenas lutam na Justiça pela Funai

Nós temos uma Constituição e, diferentemente de muita gente por aí, os povos indígenas sabem usá-la....

A bicharada invade o Rio

A bicharada está invadindo o Rio de Janeiro. Ou seria o contrário? Outro dia, uma arara-vermelha,...

Xingu no #DesafioDos10Anos

Entramos no #DesafioDos10Anos! A imagem abaixo se refere à região da Volta Grande do Xingu, no...

O poder das palavras

Em 1938, um então desconhecido ator e diretor de cinema fez uma dramatização na rádio que...

O sapo Romeu encontra sua Julieta

Romeu finalmente encontrou sua Julieta. Mas ela não é fácil. Há 10 anos o anfíbio mais...

Indígenas temem uma grande invasão

Miriam Leitão esteve, em 2013, com o fotógrafo Sebastião Salgado em território Awá Guajá, no Maranhão,...

O ABC do Cerrado dá lição de sustentabilidade

O abecedário da preservação e da produtividade. Gerenciado pelo Banco Mundial, o ABC do Cerrado tem...

O limpa-folha-do-nordeste silenciou

O Brasil chega a 2019 mais silencioso. Perdemos o cantar de dois conterrâneos no ano passado:...

Terras indígenas: onde a natureza resiste

Na primeira metade do século XVI, o conquistador espanhol Francisco de Orellana equiparou a valentia das...

Funai perde atribuições fundamentais

A notícia parece preocupante e é mesmo. O novo governo baixou uma Medida Provisória que destitui...