nosso
Olhar


O PNaRa é o antídoto contra o PL do Veneno

PNaRA é o antídoto para a PL do Veneno

O PL do Veneno, o Projeto de Lei 6299/2002 – que revoga a Lei de Agrotóxicos, de 1989 – tem um antídoto, e ele se chama PNaRA. A Política Nacional de Redução de Agrotóxicos (este é o seu nome completo), ou PL 6670/2016, é uma iniciativa popular que tem como finalidade implantar medidas que ajudem a reduzir gradualmente o uso de pesticidas químicos no Brasil.

Esse conjunto de ações incluem incentivo à pesquisa e desenvolvimento de produtos de origem biológica – os chamados bioinseticidas – e à adoção de práticas de cultivo menos agressivas ao meio ambiente, de raiz agroecológica. A produção orgânica pode ser economicamente viável e o Brasil ainda deve faturar exportando tecnologia sustentável. Em nome de quê, então, ainda querem nos empurrar mais veneno?

O PNaRA prevê a adoção de medidas econômicas para desestimular o uso de agrotóxicos – que, por incrível que pareça, são isentos de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e em muitos estados pagam praticamente nada de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O dinheiro economizado poderia ser revertido em pesquisa. Há poucas semanas, inclusive, a Agência de Segurança Sanitária (Anvisa) aprovou um novo bioinseticida produzido a partir de um verme chamado nematoide para combater a vespa-da-madeira, praga que ataca árvores.

Só no ano passado, a indústria agroquímica movimentou cerca de R$ 30 bilhões no Brasil. E graças a essas facilidades fiscais, os cofres públicos deixaram de arrecadar pelo menos R$ 1,3 bilhão. E este é só o rombo federal: o estado de São Paulo, por exemplo, deixou de arrecadar pelo menos R$ 1,2 bilhão em 2015. É uma conta que não fecha: além dos prejuízos gigantescos para o meio ambiente, a saúde pública também sai perdendo.

Para cada US$ 1 que se gasta com agrotóxicos, perde-se US$ 1,28 com tratamento de pessoas intoxicadas – e olha que estamos falando apenas das pessoas que trabalham diretamente com esses produtos. Ainda não há estimativas de quantas são contaminadas indiretamente, seja pela água ou por alimentos que consomem.

Graças à influência da opinião pública, os ruralistas decidiram rever alguns dos pontos mais controversos do PL 6299/2002. Nesta terça (19/6), haverá uma nova reunião deliberativa. Só que depois de dois anos de espera, também começou a funcionar na Câmara a comissão especial que vai avaliar o PNaRA. Ou seja, juntou a fome com a vontade de comer. Cabe a nós continuarmos a pressão e lutar por uma alimentação mais saudável.

Assine a petição #ChegaDeAgrotóxicos

Saiba mais:

Texto integral do PNaRA

É hora de virar o jogo: PNaRA X PL do Veneno

Acompanhe a tramitação do PNaRA na Câmara

Temer deixa de arrecadar pelo menos R$ 1,3 bi com isenções aos agrotóxicos

Com incentivo do governo, Brasil lidera uso de agrotóxicos que matam 184 por ano

Pressão da opinião pública funciona e projeto de lei de agrotóxicos será revisto

Comissão especial da Câmara para reduzir uso de agrotóxicos começa a funcionar

Comissão Especial da PNaRA: um importante espaço para o debate sobre a produção de alimentos de verdade

Como os agrotóxicos agem no seu corpo?

Agroecologia e agricultura familiar mantêm a força produtiva no campo

Alimento orgânico ou agroecológico? Entenda a diferença entre os modos de produção

O que é agroecologia

Bioinseticida contra o greening é lançado em evento do Fundecitrus

Anvisa aprova bioinseticida à base de nematoides

Controle biológico como alternativa ao consumo excessivo de agrotóxicos (entrevista com o engenheiro agrônomo José Roberto Postali Parra, da Academia Brasileira de Ciências)

Manifesto contra a ‘Lei do Veneno’ recebe apoio de dezenas de entidades científicas

FAO promove consultas sobre estatísticas agroambientais na América Latina e Caribe

Pesquisa relaciona agrotóxicos a puberdade precoce e má formação congênita

ONU faz alerta sobre aprovação de nova lei dos agrotóxicos no Brasil

A ‘ciência’ dos defensores do ‘Pacote do Veneno’

 



Publicações

Negligência

Onde eu nasci passa um rio  Que passa no igual sem fim  Igual, sem fim, minha...

Advogada quilombola é a primeira com mestrado em Direito no país

Vercilene Francisco Dias é mestre em pioneirismo. A advogada se tornou a primeira mulher quilombola com...

Ainda temos ecossistemas intactos

É para comemorar. Agora temos um mapa global de ecossistemas intactos da Terra. Os cientistas responsáveis...

Voo para as cidades

Sabe aquele tipo de tendência pela qual a gente torce para se tornar parte do nosso...

Sabedoria premiada pela ONU

A sabedoria das mulheres Xikrin da aldeia Pot-Krô, no Pará, rompe fronteiras. Ao criarem uma miniusina...

Carnaval consciente

Este ano não vai ser igual aquele que passou, eu não cuidei, você também não cuidou....

Parques nacionais conquistam corações

O meio ambiente conquista cada vez mais o coração das pessoas. E a gente fica feliz...

Somos a terra

É natural: o Projeto de Lei de estreia apresentado pela primeira indígena eleita para o Congresso...

Vale diz não a proposta de contratação de assessoria independente para avaliar prejuízos em Brumadinho

Uma inversão de valores. A Vale disse não a uma proposta das famílias atingidas pelo desastre...

Joenia Wapichana: crime ambiental é crime hediondo

Faz todo o sentido. O primeiro Projeto de Lei da deputada federal Joenia Wapichana (Rede/RR) torna...