Escolha uma Página
Justiça para os povos indígenas

Justiça para os povos indígenas

O Ministério Público Federal (MPF) está cobrando na Justiça que a União pague R$ 10 milhões em indenização a indígenas da Terra Indígena Kayab, no Pará.

Em 2012, uma operação da Polícia Federal em combate a garimpos ilegais resultou na morte de um índio e em lesões permanentes a vários outros na aldeia Teles Pires.

Para o MPF, o resultado desastroso da operação foi provocado por despreparo e precipitação dos seus organizadores.

Os direitos dos povos indígenas precisam ser respeitados – antes de tudo, pelas autoridades federais.

Via: Ministério Público Federal

Saiba mais: https://www.mpf.mp.br/pa/sala-de-imprensa/noticias-pa/mpf-cobra-uniao-por-acao-policial-que-lesionou-e-matou-indigenas-no-para

Hidrelétrica mata peixes

Hidrelétrica mata peixes

Assim que encheram o principal reservatório de Belo Monte, foram encontradas mais de 16 toneladas de peixes mortos no Rio Xingu. Isso foi em 2015; mas em janeiro deste ano, o Ibama determinou a paralisação das turbinas da hidrelétrica, depois de uma nova mortandade.

Agora é a Usina de Colíder, no Rio Teles Pires (afluente do Tapajós) que está sendo investigada pela polícia de Mato Grosso por peixecídio em massa. A Secretaria de Meio Ambiente local acusa a empresa de dificultar as apurações. Tem até ocultação de cadáver nesse crime.

Via G1

Foto: SindPesca

Saiba mais

Munduruku em pé de paz

Munduruku em pé de paz

Os Munduruku estão em pé de paz. Desde ontem, quase duas centenas deles ocupam o canteiro de obras da Hidrelétrica São Manoel, no Rio Teles Pires, entre o Pará e Mato Grosso. E nos dão mais lições: a manifestação foi planejada num encontro de mulheres e eles fazem questão de frisar seu o caráter pacífico.

Os Munduruku só querem ter seus direitos respeitados e reverenciar seus mortos: suas principais reivindicações são a devolução das urnas funerárias de seus ancestrais, que foram retiradas de seus cemitério sem o consentimento deles, e a demarcação e da Terra Indígena Sawré Muybu.

Via Fórum Teles Pires

Foto: Caio Mota

Saiba mais

Mais respeito com os Munduruku

Mais respeito com os Munduruku

Imaginem se demolissem a Basílica do Santo Sepulcro ou o Muro das Lamentações ou removessem a Caaba para dar lugar a um condomínio ou passar uma estrada? Pois foi o que aconteceu com o lugar mais sagrado do povo Munduruku: o Salto de Sete Quedas foi inundado para a construção da Hidrelétrica de Teles Pires. Para os Munduruku, tinha sido ali que o universo havia se originado. E a usina não os afetou apenas espiritualmente.

Lideranças Munduruku, Apiaká e Kayabi vão à Brasília a convite da Procuradoria-Geral da República apresentar um dossiê com os danos causados com a construção – que, entre outras coisas, afetou a qualidade da água e reduziu a quantidade de peixes. Hoje, estão sendo erguidas

três barragens no Teles Pires simultaneamente e a qualquer momento pode sair a licença para a construção de São Manoel. Ao todo, planeja-se construir 43 grandes hidrelétricas e 102 pequenas na Bacia do Tapajós. Cerca de 890 mil pessoas serão diretamente impactadas pelos projetos.

Via Fórum Teles Pires

Foto: Caio Mota

Saiba mais

Veja mais vídeos