Escolha uma Página
A gota d’água de Belo Monte

A gota d’água de Belo Monte

Há mais de seis anos a gente vem batendo nessa tecla: a corrupção é insustentável. Em 15 de novembro de 2011, foi lançado um vídeo-manifesto, É a Gota D’Água + 10, questionando a maior obra do Programa de Aceleramento do Crescimento (PAC) do governo brasileiro: a Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. O monstrengo já custou mais de R$ 30 bilhões e sempre teve sua eficiência e os seus relatórios de impactos socioambientais questionados por especialistas. O Xingu é um rio de grandes variações e durante oito meses por ano praticamente seca. Ele também guarda as maiores diversidades biológica e social da Amazônia. Em uma semana, a campanha reuniu mais de um milhão de assinaturas e entrou para história da Internet. Fomos atacados por todos os lados, acusados de querermos brecar o desenvolvimento do país. Mas o tempo, senhor da razão, mostrou que estávamos certos: a conta dos prejuízos causados pela usina ainda não fecharam. 

Hoje (9/3), a pedido do Ministério Público Federal (MPF), a Justiça Federal no Paraná expediu mandados de busca e apreensão em Curitiba e São Paulo, com o objetivo de aprofundar as investigações sobre o pagamento de propina na obra. Batizada Buona Sorte pela Polícia Federal, a operação faz parte da 49ª (não perca as contas) fase da Lava-Jato. A construção de Belo Monte começou a ser planejada ainda nos anos 1970, durante a ditadura militar. O PT o tirou do papel a fórceps, graças a um dispositivo muito usado pelos generais, a “suspensão de segurança”, o que levou o Brasil a ser denunciado na Organização dos Estados Americanos (OEA). E o principal alvo da Buona Sorte, coincidentemente, é outro personagem daquela época sombria, o ex-ministro Antônio Delfim Netto, que teria embolsado R$ 15 milhões. Belo Monte parece ter sido construída para gerar corrupção, e não energia.

A operação se baseia em fortes indícios de que o consórcio Norte Energia foi indevidamente favorecido para vencer o leilão destinado à concessão da usina. As provas recolhidas indicam que o Delfim recebeu 10% do percentual pago pelas construtoras Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e J. Malucelli, enquanto o restante da propina foi dividido entre o PMDB e o PT, ficando 45% para cada partido. Para a procuradora da República Jerusa Burmann Viecili, integrante da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, “as provas indicam que o complexo esquema criminoso verificado no âmbito da Petrobras se expandiu pelo país e alcançou também a Eletrobrás, em especial nos negócios relativos à concessão e construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Essa obra, além de ter ocasionado graves impactos sociais e ambientais na região que já haviam sido demonstrados pelo Ministério Público Federal, também redundou em elevados prejuízos econômicos para toda sociedade”.

Que belo papelão. Nossos rios são nossa maior riqueza: em nome de que permitimos absurdos desse tipo? De 18 a 23 deste mês, acontece em Brasília o 8º Fórum Mundial da Água. Será a primeira vez que o evento será realizados num país do Hemisfério Sul. Paralelamente, a mesma cidade receberá o Fórum Alternativo Mundial da Água 2018 (Fama). Vamos aproveitar a ocasião para conversarmos mais sobre isso? Uma Gota no Oceano e entidades parceiras estão lançando, junto com o diretor Luiz Fernando Carvalho, a campanha Em Nome de Quê? pensando nisso. Em breve a gente dá mais detalhes.

[huge_it_videogallery id=”25″]

Saiba mais:

49ª fase da Lava Jato apura ilícitos na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Lava Jato investiga pagamento de propina para construção de Belo Monte

Nova operação da Lava Jato mira propina em Belo Monte

PF abre fase 49 da Lava Jato e mira Belo Monte

Delfim Netto levou R$ 15 mi de propina por Belo Monte, diz Lava Jato

Lava Jato mira ex-ministro Delfim Netto e estima que ele recebeu R$ 15 mi em propina por Belo Monte

Delfim Netto é alvo de buscas da Lava Jato em investigação sobre Belo Monte

Lava-Jato: PF investiga propina em Belo Monte e mira Delfim Netto

Ex-ministro Delfim Netto é alvo de busca e apreensão na 49ª fase da Lava Jato

Delfim Netto, de czar econômico da ditadura a alvo da Lava Jato

Delfim diz que formação de consórcio garantiu a disputa por Belo Monte

O legado de violência deixado pela usina de Belo Monte

Estado brasileiro é denunciado na OEA por ainda usar lei da ditadura militar