Escolha uma Página

O século 19 ainda move o Brasil

29 de maio de 2018

O país do futuro é movido a passado. O Brasil parou nos últimos dias por causa de uma greve de caminhoneiros, que deixou os postos de gasolina sem combustível. O motor a combustão foi inventado em 1866, pelo alemão Nikolaus August Otto. Hoje, enquanto os veículos elétricos começam a tomar as ruas do mundo, o governo brasileiro oferece mais subsídios para a indústria dos combustíveis fósseis. Mesmo em se tratando de eletricidade, estamos atrelados ao século 19: a primeira hidrelétrica brasileira, a Usina de Marmelos, foi inaugurada em 1889. Temos sol e vento de sobra, as tecnologias de produção de energias solar e eólica estão cada vez mais baratas, mas preferimos barrar nossos rios, com consequências quase sempre desastrosas.

Diversificar nossas matrizes energéticas e sistemas de transporte é questão estratégica. Mais ainda, como demonstraram os caminhoneiros: de segurança nacional. Entre as nações de dimensões continentais, o Brasil é o que mais depende de rodovias. Os caminhões transportam 65% de toda a carga do país, enquanto na Austrália essa taxa é de 53%; na China, de 50%; no Canadá, de 43%; nos Estados Unidos, de 32%; e na Rússia, de só 8%. Além de tudo, sai muito mais caro usar caminhões do que trens ou navios. E eles poluem bem mais. Ironicamente, cerca de 15% de toda a carga transportada por estradas é justamente combustível.

Mas nem sempre foi assim: até meados do anos 1920 o Brasil tinha uma malha ferroviária considerável. Hoje, ela está sucateada. Trens de passageiros, só os urbanos. Para cortar grandes distâncias, só de carro, ônibus ou avião. O lobby da indústria petrolífera ganhou a corrida, com voltas de vantagem. O petróleo não serve apenas para mover os veículos, mas também para asfaltar as próprias estradas. É um pacote completo.

O ProÁlcool foi criado há 40 anos como uma grande esperança, mas ficou pelo meio do caminho; também ficou pela estrada o programa de incentivo à produção e ao uso do biodiesel. Atualmente, os derivados de petróleo (gasolina, diesel e querosene de aviação) respondem por mais de 80% de nossa força motriz. Nessa velocidade, quem sabe um dia chegamos ao século 20.

Saiba mais:

Venda de carros eletrificados bate recorde no mundo em 2017

No Japão há mais pontos de recarga para elétricos que bombas de gasolina

Os impactos da greve dos caminhoneiros na economia

3 razões que explicam o fim da era do petróleo barato

Petrobras perde R$ 126 bi em valor de mercado desde início da greve dos caminhoneiros

Brasil precisa dobrar investimento por 25 anos para ter infraestrutura de transporte com ‘mínimo de qualidade’

Uma semana de greve de caminhoneiros e de caos na República Federativa das Rodovias

Se greve persistir, recuperação do campo poderá demorar seis meses

Transporte de cargas no Brasil é dos mais caros e ineficientes do mundo

“Apagão” dos combustíveis expõe urgência da necessidade de descarbonizar os transportes

Greve de caminhoneiros mostra necessidade de outras formas de transporte

Por que o Brasil abriu mão do trem e ficou dependente do caminhão

Circuito curto de alimentos, a saída possível para evitar dependência dos transportes

A cidade que driblou a greve dos caminhoneiros

Greve dos caminhoneiros corta poluição de São Paulo pela metade

E se fosse elétrico?