pt Português
Uma Gota no Oceano

O bicho está pegando

A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) incluiu 1.840 novas espécies ameaçadas de extinção em sua lista vermelha. Agora, são ao todo 30.178 animais e plantas que podem ser riscados mapa. O anúncio foi feito durante a Conferência do Clima da ONU (COP-25), em Madri, na Espanha. Em fevereiro deste ano, o rato de cauda em mosaico (Melomys rubicola) foi declarado oficialmente o primeiro mamífero extinto por causa das mudanças climáticas. O roedor vivia apenas na pequena Ilha de Bramble, perto da Austrália, que está sendo tragada pelo mar – encolheu de 4 para 2,5 hectares. O ratinho sumiu do mapa junto com 97% de seu habitat.

O Melomys rubicola era a única espécie endêmica de mamíferos da Grande Barreira de Corais. Só na Austrália, que ora enfrenta as maiores ondas de calor e incêndios florestais de sua história, 37% das espécies de peixes fluviais estão ameaçadas e 25% das espécies de eucalipto podem desaparecer. “As mudanças climáticas aumentam as múltiplas ameaças que as espécies enfrentam, e devemos agir de maneira rápida e decisiva para enfrentar esta crise”, disse a costa-riquenha Grethel Aguilar, diretora-geral da UICN. O desequilíbrio do clima não é a única ameaça da fauna e da flora, que também são vítimas da poluição, da caça e da pesca predatória, do desmatamento e da exploração desenfreada dos recursos naturais do planeta. Mas ainda é possível reverter esse cenário apocalíptico.

Calcula-se que entre os séculos XVIII e XX cerca de 300 mil baleias jubartes foram mortas. Nos anos 1950, a população de espécie foi reduzida a pouco mais de 400 indivíduos no Atlântico Sul. O cetáceo só não foi extinto porque um acordo internacional – que não foi respeitado apenas por Japão, Noruega e Islândia – proibiu sua caça em 1985. O último censo realizado pelo Programa Baleia Jubarte, concluído em novembro, registrou 17 mil delas na costa brasileira. Segundo um estudo publicado em outubro na Royal Society Open Science devem haver 25 mil jubartes em todo Atlântico Sul. “Este é um exemplo claro de que, se fizermos a coisa certa, a espécie se recupera. Espero que sirva de exemplo para que possamos fazer o mesmo por outras populações animais”, diz o biólogo brasileiro Alexandre Zerbini, da agência federal americana, principal autor da pesquisa.

Outro censo recém-realizado mostra que Brasil e Argentina, ao menos em relação ao maior felino das Américas, vêm fazendo a coisa certa. Embora a sobrevivência da espécie ainda esteja por um fio, a população de onças-pintadas na região de Iguaçu, área de Mata Atlântica onde os países mantêm parques nacionais, também vem aumentando. Hoje, o número estimado de animais hoje está entre 84 e 125; em 2014 eram entre 51 e 84 e em 2016, entre 71 e 107. A proeza é resultado do trabalho de uma força-tarefa formada pelo WWF-Brasil, pela Fundación Vida Silvestre Argentina, pelo Parque Nacional do Iguaçu, pelo Parque Nacional Iguazú, pelo Projeto Onças do Iguaçu, pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). “Nosso trabalho de conservação vai além do monitoramento. Atuamos na conscientização de moradores vizinhos ao parque para a redução das principais ameaças à vida silvestre que são a caça, perda de habitat e os atropelamentos”, explica Felipe Feliciani, analista de conservação do WWF-Brasil.

Já é tarde demais para a arara-azul-pequena, o caburé-de-pernambuco, o limpa-folha-do-nordeste e o gritador-do-nordeste, aves brasileiras declaradas extintas no ano passado; mas a ararinha-azul pode ter uma segunda chance. Existem apenas 177 delas vivendo em cativeiro, mas um projeto do ICMBio prevê a reintrodução do pássaro em seu habitat, a Caatinga. Depois de muita negociação, está prevista para março do ano que vem a chegada de 50 deles, vindos da Alemanha. Os bichinhos vão passar por um período de adaptação e só os considerados aptos a voltarem a viver na natureza serão soltas. Que a ararinha-azul volte logo a bater asas no sertão e chegue a hora de a onça beber água.

Saiba mais:

IUCN Red List of Threatened Species

Quase 2.000 novas espécies são incluídas em lista vermelha de ameaça de extinção

Primeira espécie de mamífero oficialmente extinta devido às mudanças climáticas

Extinção. Estes são os animais que desapareceram em 2018

Número de baleias jubartes no Brasil salta de 400 para 17 mil em 60 anos

Depois de quase extintas, baleias-jubarte atingem número recorde no Brasil e Atlântico Sul

Assessing the recovery of an Antarctic predator from historical exploitation

Aumenta população de onças-pintadas na região de Iguaçu

Bióloga do Projeto Onças do Iguaçu ganha prêmio internacional pela conservação da fauna silvestre na América Latina

Chegada de 50 ararinhas-azuis no Brasil é confirmada para março de 2020

Receba info da Gota Desenvolvimento Sustentável

Saiba Mais