Uma Gota no Oceano

Campo minado

Começamos um novo ano legislativo, e ele traz uma boa e uma má notícia: a boa é que a bancada ruralista perdeu mais da metade de seus representantes no Congresso Nacional, caindo de 245 para 117 deputados e senadores; a má é que sua influência sobre o Executivo aumentou. Chegou até mesmo no que deveria ser nossa primeira linha de defesa: já no dia 23 de janeiro, representantes da Frente Parlamentar da Agricultura (FPA) se reuniram com o ministro do Meio Ambiente. Entre as pautas discutidas com Ricardo Salles estavam duas bombas que só não detonaram ainda porque a opinião pública está atenta: a “articulação política para a votação” do novo Projeto de Lei do Licenciamento Ambiental e de outro Projeto de Lei, conhecido como PL do Veneno, que flexibiliza ainda mais o uso de agrotóxicos no país. Ou seja, seguimos sobre um campo minado.

Logo depois do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, Ricardo Salles defendeu a revisão da Lei de Licenciamento Ambiental. Até aí, nada contra. Mas o projeto atual, apresentado originalmente em 2004, foi modificado ao longo dos anos para atender aos interesses do agronegócio e da mineração – daí a pressa dos ruralistas. Além disso, o ministro é condenado pela Justiça de São Paulo justamente por manipular dados para beneficiar empresas de mineração quando era secretário estadual da pasta. Para piorar, ainda fez pouco-caso publicamente de Chico Mendes – as duas biografias falam por si sós. Então, muita calma nessa hora: também se plantam bombas nas entrelinhas.

Fora que mesmo antes do encontro com Salles, os ruralistas já tinham conseguido detonar a primeira: no dia 22 de janeiro o Ministério da Agricultura autorizou o registro de mais 28 novos agrotóxicos e princípios ativos. O pacote inclui substâncias já banidas na União Europeia, como o Imazetapir e o Sulfentrazona. A atual titular da pasta, a deputada federal Tereza Cristina, foi presidente da FPA e presidiu a comissão especial que aprovou a ida do PL do Veneno para a votação em plenário. Sacaram? Tem outros agentes infiltrados e mais minas sendo plantadas pelo caminho. Cabe ao cidadão consciente ficar alerta para identificá-las e desarmá-las antes que explodam.

No primeiro dia de mandato, o novo governo detonou uma Medida Provisória que, entre outras concessões ao agronegócio, explodiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea). O órgão, que era composto por 2/3 de representantes da sociedade civil e 1/3 de representantes governamentais, exercia o controle social na formulação, execução e monitoramento das políticas públicas voltadas ao segmento. Quem vai fiscalizar agora o veneno que chega às nossas mesas? Não podemos ser pegos desprevenidos novamente. Tem outras bombas nos esperando logo ali na frente.

Por exemplo: o que esperar de Valdir Colatto, um ex-deputado ruralista que, assim como a ministra da Agricultura, foi presidente da FPA, e contribuiu ativamente nas mudanças no Projeto de Lei do Licenciamento Ambiental, até deixá-lo ao gosto de seus camaradas? Ele não se reelegeu no último pleito, mas continua na ativa, no Executivo: hoje é nada menos do que o chefe do Serviço Florestal Brasileiro (SFB). O órgão foi inexplicavelmente transferido do Ministério do Meio Ambiente para o da Agricultura.

O mesmo ex-parlamentar é autor do Projeto de Lei que libera a caça de animais silvestres no Brasil (PL 6268/2016), prática proibida há mais de 50 anos. É outra pauta de interesse dos ruralistas, que também pleitearam no encontro com Ricardo Salles a revogação de resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e de portarias do Ministério do Meio Ambiente sobre espécies ameaçadas de extinção. Uma das primeiras ações do atual governo foi expedir um decreto que facilita a posse de armas, principalmente em áreas rurais. Como se vê, o arsenal é variado.

Mas guardamos outra boa notícia para o final: nosso esquadrão antibombas está ganhando reforços de peso. Além de agora contarmos com a primeira deputada federal indígena de nossa história, Joênia Wapichana, a Frente Parlamentar Ambientalista, ainda em formação, a cada dia recebe novas adesões. Que o espírito de Chico Mendes nos ilumine para chegarmos ilesos ao início do próximo ano legislativo.

Saiba mais:

Setor de armas, agronegócio e construção: quem financiou as últimas campanhas dos futuros ministros?

Depois de Brumadinho, ministro do Meio Ambiente defende discussão da lei de licenciamento ambiental

Tragédia da Vale põe em xeque pressão política por licença ambiental rápida e simples

Exportação agropecuária, efeito estufa e Mariana: erros do ministro do Meio Ambiente

Bancada ruralista perde metade dos deputados e senadores após eleições

Bancada ruralista e ministro do Meio Ambiente articulam PL do Veneno e relaxamento de multas

Ministro do Meio Ambiente bloqueia ONGs ambientais no Twitter

Sob governo Bolsonaro, primeiro e segundo escalão da Agência Nacional de Mineração mantêm vínculo com MDB

Como ruralistas transformaram o projeto de licenciamento ambiental em ataque à fiscalização

Ao mesmo tempo em que extingue o Consea, novo governo libera dezenas de agrotóxicos

Ministério da Agricultura aprova registro de agrotóxicos de alta toxicidade

Deputados ruralistas rejeitados pelas urnas voltam ao poder em cargos do governo Bolsonaro

Ministra da Agricultura anuncia deputado Valdir Colatto como novo chefe do Serviço Florestal

Fiscalização de barragens: órgão federal de controle é o 2º mais exposto a fraudes e corrupção, diz TCU

Por que é importante saber quem foi o ambientalista Chico Mendes?

Receba info da Gota Alternativas Energéticas

Saiba Mais