Escolha uma Página

Encontro dos Povos Mebengokrê e Lideranças Indígenas do Brasil

19 de janeiro de 2020

Estivemos na Aldeia Piaraçu, no Mato Grosso, para acompanhar o Encontro dos Povos Mebengokrê e Lideranças Indígenas do Brasil. O evento reuniu 600 lideranças indígenas de todo o país no território do povo Kayapó entre os dias 14 e 17 de janeiro. Também aconteceu ali um encontro histórico: Angela Mendes, filha de Chico Mendes, conheceu o cacique Raoni, e eles selaram uma aliança pelas florestas e pela natureza. Uma Gota no Oceano coordenou a comunicação do evento que contou com a cobertura jornalística de repórteres do Brasil e internacionais.

Em um momento de pouco diálogo no cenário político nacional e internacional, os 47 povos presentes deram uma aula de diplomacia. O resultado do encontro foi a assinatura do Manifesto do Piaraçu – das Lideranças Indígenas e Caciques do Brasil na Piaraçu, um documento de quatro páginas que sintetiza as principais demandas do movimento indígena e o compromisso de esforço coletivo para construção de uma agenda política nacional e internacional em defesa da natureza.

A composição do texto final se assemelhou aos procedimentos diplomáticos para assinatura de acordos internacionais da ONU. Primeiro foram realizadas mesas de conversa por três dias. As atas das reuniões foram transformadas em um relatório original de trinta páginas. Jovens indígenas formados em Direito transformaram o extenso relatório em um documento enxuto, apresentado em português. Os anciãos se organizaram em delegações e um jovem de cada povo traduziu o documento do português para a língua nativa de sua delegação. Após nove horas de negociação, o texto final foi assinado pelas principais lideranças.

As grandes pautas abordadas foram os assassinatos de lideranças; os empreendimentos governamentais previstos para serem construídos sobre as Terras Indígenas; a atividade garimpeira e do mercado de mineração; a ação de madeireiros ilegais; a municipalização do sistema de saúde indígena, que ignora o tratamento especial dado atualmente a essas comunidades; e o desmonte da Funai. Os líderes decidiram por unanimidade dar destaque à defesa dos territórios, o combate à atividade minerária, de garimpo e de madeireiras e ao arrendamento de terras.

Depois do encontro, o documento foi levado pelo cacique Raoni a várias lideranças políticas do Brasil e do mundo, para que os direitos dos povos originários sejam respeitados.

#CadaGotaConta #UmaGotaNoOceano #MexeuComÍndioMexeuComClima #TamuAtéAki #EmNomeDeQuê? #PovosIndígenas #PovosTradicionais

Leia mais:

Cacique Raoni preside encontro com 47 povos indígenas às margens do Rio Xingu

Encontro no Xingu debate situação indígena

O que levou centenas de indígenas a encontro no Xingu

Raoni e 45 povos indígenas lançam manifesto pela vida

Líderes indígenas dizem temer genocídio e apoiam cacique Raoni, atacado por Bolsonaro