pt Português
Uma Gota no Oceano

Frágil equilíbrio

A Amazônia está na corda bamba, equilibrando uma bandeja cheia cristais em cada mão, sem rede de proteção. Cada um desses frágeis utensílios representa um serviço vital prestado pela floresta ao mundo. Se ela cair, caímos juntos. Há anos os cientistas Carlos Nobre e Thomas Lovejoy vêm alertando a população sobre a arriscada caminhada da região rumo ao ponto de inflexão – quando a mata foi devastada a tal ponto que perde seu poder de regeneração e tem início um processo de desertificação irreversível. Este ponto será atingido quando de 20% a 25% da Amazônia tiver ido abaixo. Hoje este número, segundo dados do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), está em 17%. Cerca de 700 mil km² (o equivalente a 23 Bélgicas) já foram devastados – sendo que desse total, 300 mil km² só nos últimos 20 anos – e a taxa de desmatamento de 2020 deverá ser 186% maior que a de 2012. Basta um sopro para o tombo.

Afora sua influência benéfica no clima do planeta e da quantidade de água que produz (via chuva) e armazena (em rios, lagos e aquíferos), o coronavírus nos deu mais uma razão para preservar a Amazônia. E isso tem a ver com outra riqueza sua, a biodiversidade. Uma pesquisa internacional, liderada University College London (UCL), compilou informações de 184 estudos e chegou à conclusão de que a maior fonte de novas pandemias está no entorno de florestas destruídas. Publicada no início deste mês na revista “Nature”, ela aponta que o desmatamento e a consequente redução da biodiversidade fazem com que cresçam as populações de certas espécies de roedores, aves e morcegos que são os melhores hospedeiros para os microrganismos que podem nos infectar.

Isso tem acontecido com cada vez mais frequência em países africanos e asiáticos e pode tomar efeitos catastróficos se começar a acontecer com igual intensidade aqui também. “Na Amazônia, tem uma quantidade de vírus imensa. A próxima epidemia, com o nível de agressão que nós estamos fazendo ao meio ambiente, já está a caminho”, alertou o médico sanitarista e ex-presidente da Anvisa Gonçalo Vecina. Alguns desses vírus, como “sabiá”, que causa a febre hemorrágica brasileira, uma doença rara e de alta mortalidade, já são conhecidos. Numa área equivalente a um campo de futebol (1,08 hectare) cabem 310 árvores, 96 trepadeiras, 160 pássaros, 33 anfíbios, 10 primatas e 1 bilhão de invertebrados. Eles formam uma barreira viva contra doenças – que, como vem mostrando a Covid-19, podem rapidamente se espalhar pelo globo.

O mito da Amazônia como fruto intocado da natureza começou a ir ao chão mais ou menos na época em que Carlos Nobre e Thomas Lovejoy lançaram seus primeiros estudos sobre o seu ponto de inflexão. Hoje já se conhece o papel fundamental dos povos originários em sua exuberância. O solo original da região é pobre; os indígenas o tornaram fértil ao misturá-lo com restos de cerâmica, carvão e resíduos orgânicos. Eles cobriram 10% da Amazônia com essa mistura chamada “terra preta”. Criaram uma civilização milenar que chegou a ter uma população de milhões de pessoas, mas que desapareceu, repentinamente, no século XVI. O motivo mais provável é o mesmo que assombra seus ancestrais hoje. “Os europeus encontraram povos com rara suscetibilidade a doenças, que se espalharam como fogo em palha seca”, explicou o biólogo Charles Clement, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). A Amazônia é obra deles; sem os povos indígenas não conseguiremos salvá-la – e nos salvar.

#Amazônia #Desmatamento #MeioAmbiente #MudançasClimáticas #Pandemia #Covid19 #UmaGotaNoOceano #CadaGotaConta

Saiba mais:

“O ponto de inflexão chegou, é agora”, alertam especialistas

Desmatamento explode na Amazônia – Taxa de 2020 deverá ser 186% maior que a de 2012

‘Pandemia é resposta biológica do planeta’, diz autor de ‘O Tao da Física’ – Fritjof Capra relaciona desigualdade e devastação ambiental ao novo coronavírus

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

‘É possível ver um Brasil sem bife, mas não sem floresta’, diz Jonathan Safran Foer, autor de ‘Nós somos o clima’

Ameaça aos índios e à memória – Proteger povos indígenas da Covid-19 é garantir presente e futuro (Ilona Szabó de Carvalho, Melina Risso e Michele dos Ramos)

COVID-19 é grave ameaça para os povos indígenas, diz Bachelet

Floresta destruída pode ocultar cura da Covid-19 (Marcelo Leite)

Amazônia está crescendo mais devagar do que se imaginava, apontam estudos

‘Os indígenas podem nos ajudar a evitar que pandemias se tornem mais recorrentes’, diz Aparecida Vilaça

Redução da biodiversidade favorece o surgimento de novas pandemias

Próxima epidemia ‘já está a caminho’, alerta médico sobre desmatamento na Amazônia

Receba info da Gota Desenvolvimento Sustentável

Saiba Mais