Escolha uma Página

Correndo atrás da eficiência

25 de julho de 2018

O ar-condicionado que o brasileiro usa não é eficiente nem aqui, nem lá na China. O produto não entra no mercado chinês, pois não atende às exigências locais. O pior é que como a temperatura do planeta só aumenta, ele pode deixar de ser um luxo para virar artigo de primeira necessidade – como os aquecedores em países muito frios. Estima-se que o número de aparelhos em todo o mundo suba das atuais 1,6 bilhão de unidades para 5,6 bilhões até 2050, de acordo com o último relatório da Agência Internacional de Energia (IEA). Esses quatro bilhões a mais vão demandar mais energia. E quanto mais se produz energia, mais a temperatura sobe. Como evitar uma sobrecarga?

Segundo um estudo recém-divulgado pela Sustainable Energy for All (SEforALL), o aquecimento global põe em risco as vidas de mais de um bilhão de pessoas, que não têm acesso a condicionadores de ar e a geladeiras. Com a crise no Brasil, mal sobra dinheiro para comprar comida; o que dirá um eletrodoméstico que ainda custa tão caro? A solução mais óbvia é adotar políticas para reduzir o custo do aparelho e o consumo de eletricidade, para o calor não subir tanto.

Historicamente o governo brasileiro sempre preferiu – muitas vezes por razões que até o diabo duvida – investir em mais geração de energia do que em redução de consumo. E não há melhor forma de economizar eletricidade do que apostar em eletrodomésticos que gastem menos. É aí que entra a tal da eficiência energética. O país devia ter feito a revisão dos seus índices há dois anos; e, mesmo com esse atraso todo, desde maio a portaria que estabelece os novos parâmetros aguarda pela assinatura do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para entrar em vigor. E olha que esses índices ainda estão bem longe do ideal. Vamos ter que correr atrás desse prejuízo.

No ranking da eficiência energética, o Brasil é o vigésimo entre os 25 países que mais consomem energia no mundo, segundo a 4ª edição do International Energy Efficiency Scorecard, do American Council for an Energy-Efficient Economy (ACEEE). Itália e Alemanha empatam em primeiro lugar, com 75,5 pontos de 100 possíveis, seguidos por França, Reino Unido e Japão. No relatório fica claro porque ocupamos uma posição tão vexaminosa: a Alemanha investe por ano mais de US$ 2,5 bilhões em eficiência energética (US$ 31 per capita) e a Itália, mais de US$ 1,5 bilhão (US$ 25), enquanto o Brasil investe só US$ 191 milhões (US$ 0,94).

O ar-condicionado já é o segundo maior consumidor de eletricidade no Brasil nos setores doméstico e comercial. De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) do Ministério de Minas e Energia, vai responder por mais de 18% do consumo elétrico das famílias em 2024. Como não costuma ficar ligado o tempo todo, o eletrodoméstico também causa picos de demanda. Isso acaba forçando o acionamento das termelétricas – segundo a Agência Internacional de Energia, ele será responsável por 31% do pico de carga residencial em 2050.

E quanto mais se usa energia poluente, como as usinas movidas a carvão, mais o planeta esquenta. Para suportar o calor de hoje, estamos correndo o risco de não conseguirmos cumprir as metas com as quais nos comprometemos no Acordo de Paris. O Lawrence Berkeley National Lab, do Departamento de Energia dos EUA, calculou que uma melhoria de 30% nos índices de eficiência energética significaria a redução de 23% das emissões de gases do efeito estufa pelo setor elétrico brasileiro até 2050. Sem contar que energia de termelétrica custa mais caro e isso se reflete diretamente na conta de luz.

Em países como China, Coreia do Sul, Japão e EUA, o aumento de eficiência energética em eletrodomésticos é política pública. São estabelecidas metas que visam não só reduzir o consumo, como também promover a inovação tecnológica. Assim, a indústria tem como se preparar para atingir – ou até mesmo superar – essas metas. O resultado desse planejamento são custos de produção – e de comercialização – mais baixos, o aumento contínuo da eficiência e, não menos importante, os ganhos ambientais. Porque não é só no Brasil que as coisas estão fervendo.

As recentes ondas de calor mataram mais de 50 pessoas no Canadá e mais de 40 no Japão, onde os termômetros chegaram a bater os 41,1° C: “É como viver numa sauna”, resumiu Yuriko Koike, governadora de Tóquio. Para se ter uma ideia, o calorão que atingiu a Europa na semana passada chegou a áreas próximas do Círculo Polar Ártico. Na última quarta-feira (18), as temperaturas ultrapassaram os 30°C em regiões onde costuma fazer frio o ano inteiro. Na Lapônia, região no extremo norte da Finlândia, onde se acredita que more o Papai Noel, o termômetro marcou 33,4°C. Periga o bom velhinho pedir um ar-condicionado de presente de Natal.

Saiba mais:

Regulamentação Específica e Programa de Metas de Condicionadores de Ar

World Energy Rankings Suggest Countries Need Energy Efficiency to Meet Paris Goals

Antes que dê curto

Aquecimento global coloca 1 bilhão em risco por falta de ar-condicionado

Com aquecimento global, falta de geladeira e ar-condicionado vai afetar mais de 1 bilhão de pessoas

A surpreendente onda de calor em países conhecidos pelo frio extremo

‘É como viver numa sauna’, diz governadora de Tóquio sobre onda de calor no Japão

Temperatura bate recorde no Japão

Onda de calor próxima ao Ártico fez temperaturas ultrapassarem os 30°C

Mudança climática começa a afetar estações do planeta

Aquecimento global devasta árvores milenares do Líbano

Na Índia, o calor do verão pode em breve se tornar literalmente insuportável

Incêndios na Suécia atingem círculo polar ártico