Escolha uma Página

É fogo!

22 de julho de 2022

Parece notícia do ano passado ou retrasado, mas o Hemisfério Norte está pegando fogo e recordes de temperatura são batidos todos os dias. As projeções para o Brasil são igualmente preocupantes – a gente fala disso mais adiante. Até segunda-feira (18/7), Portugal registrou 659 mortes por causa das altas temperaturas; na Espanha, já morreram pelo menos 500 pessoas e se espera que no fim de semana passe dos 44° C em Sevilha. A área destruída pelos incêndios no continente já é maior que a de 2021 e poderá superar a de 2017, a maior já registrada. É fogo!

Na Inglaterra, os termômetros marcaram 40,2°C em Londres, um calor nunca visto no país, praticamente uma febre alta – segundo as previsões, isso só aconteceria em 2050. Para quem vive num país tropical já é o maior perrengue; agora imaginem para um cidadão inglês médio, que mora em casas com janelas minúsculas, não tem ar-condicionado ou sequer um ventilador em casa e não pode nem pegar um refresco em algum prédio com sistema de refrigeração central, já que são raros? 

A coisa está tão feia na França que fazendeiros estão fazendo a colheita à noite, para evitar que o calor dos tratores cause incêndios. No sudoeste do país, mais de 100 km² queimaram e obrigaram 16 mil pessoas a fugirem de suas casas. A Terra gira em torno de seu eixo; mas como ele é ligeiramente inclinado, o sol bate mais diretamente no sul do que no norte. Por isso, faz mais frio por lá. Por isso os europeus têm se empenhado tanto em reduzir suas emissões de efeitos do gás estufa. A invasão da Ucrânia pela Rússia puxou o feio de mão do processo, pois eles estão sendo obrigados a usar mais carvão na produção de energia.

As mudanças climáticas são uma consequência do aquecimento global. É por causa desse desequilíbrio que, por exemplo neva com cada vez mais frequência no sul do país. Funciona assim: o Brasil recebe da Antártida correntes de ar frio e manda para lá massas de ar quente. É uma espécie de sintonia fina que pode ser bagunçada à menor variação. Como tem feito um calor anormal na Região Sul – as secas estão aí como prova – há uma perturbação nesse delicado sistema de trocas, que abre espaço para a entrada de frentes frias cada vez mais violentas. Mas, diferentemente do pessoal do norte, temos uma matriz energética relativamente limpa. O que pega é a famosa “vontade política”.

Como prometemos no primeiro parágrafo, vamos adiantar a previsões para as próximas temporadas de incêndio no país. E elas são de arrepiar. Até meados do mês passado, 6. 220 km² de Amazônia já tinham sido carbonizados – contra 4.400 km² do mesmo período em 2021. O número é 30% superior à média histórica para o primeiro semestre e o Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (Inpe) detectou 2.562 focos de calor, a maior quantidade desde 2007. No ano passado, a maior floresta tropical do mundo perdeu 18 árvores por segundo, mas as autoridades responsáveis prometem se empenhar para superar a marca.

Para começar, inventaram a pedalada pirotécnica: criaram um grupo para definir o que pode ou não ser classificado como desmatamento e queimada. A tal comissão de notáveis não tem sequer um nome ligado ao Inpe, órgão reconhecido internacionalmente pela sua excelência, mas gente ligada aos ministérios da Defesa, da Justiça e Segurança Pública, da e da Economia. Ou seja, só gente que entende do riscado – no sentido de riscar florestas do mapa. E a cereja encharcada de querosene do bolo: o governo gastou só 18% do orçamento destinado à prevenção e ao combate a incêndios. O pior é que, como a situação piora a cada ano, esses ainda serão considerados os bons velhos tempos, caso a gente não forme nosso próprio corpo de bombeiros. Os hidrantes são as urnas.

 

Saiba mais:

Superfície queimada pelos incêndios florestais na UE supera a de 2021 – Se a tendência se confirmar, 2022 poderá igualar ou superar a área queimada em 2017, o pior ano já registrado

Como salvar uma árvore de 2.000 anos e 61 metros de um incêndio – Autoridades se esforçam para proteger uma sequoia gigante no Parque Nacional Yosemite

Reino Unido registra recorde histórico de temperatura do país, com 40,2 °C

Com onda de calor, previsão climática para 2050 pode se tornar realidade no Reino Unido na próxima semana, 28 anos antes

Europa cozinha em calor devastador enquanto queima mais carvão

Europa: Portugal e Espanha têm mais de mil mortes por calor

Onda de calor na Europa: temperatura deve passar de 40ºC em Paris, e incêndios devastam sul da França

Suíça pode bater recorde de temperatura nos próximos dias

Por que Europa enfrenta onda de calor recorde, com incêndios e mortes?

Incêndios na Europa: o que são as queimadas ‘de sexta geração’ que devastam sul do continente

Depois de inundações, a China atravessa temporada de calor extremo

Em meio à onda de calor na Europa, ONU chama crise do clima de ‘suicídio coletivo’

Como seria a vida se não houvesse mais natureza

Amazônia: o que aconteceu três anos após o fogo e a seca?

Com recorde de queimadas na Amazônia desde 2007, governo gasta só 18% do orçamento contra incêndio

Queimadas na Amazônia estão 30% acima da média histórica e já superam piores projeções para 2022

Amazônia tem mês de junho com maior número de queimadas desde 2007; no Cerrado, índice é o maior desde 2010

Campeão de queimadas, Mato Grosso pode afrouxar regras ambientais

Sem Inpe, governo cria grupo para decidir o que pode ser ‘classificado’ como desmatamento e queimada

Amazônia perdeu 18 árvores por segundo em 2021, e desmate subiu 20% no país

Projetos contra o desmatamento ligados ao Fundo Amazônia correm risco de ficar sem recursos

Projeto bilionário dos EUA contra desmatamento na Amazônia segue travado

O que diz o premiado plano de Bogotá contra as mudanças climáticas?