pt Português
Uma Gota no Oceano

As mudanças climáticas chegaram e não têm hora para ir embora

Ninguém vai poder dizer que foi pego desprevenido. As mudanças climáticas chegaram depois de muito aviso. E não há mais como negar as evidências: os recordes de calor mundo afora, os incêndios cada vez mais frequentes que consomem a Europa e os Estados Unidos, a camada de gelo mais espessa e antiga do Ártico que se rompe e derrete. Agora cabe a nós decidirmos se a visita indesejada vai embora um dia ou não; porque ela pode ter vindo para ficar. O presidente dos EUA Donald Trump continua fingindo que não está acontecendo nada e ofereceu mais facilidades à indústria do carvão – o que pode causar cerca de 1.400 mortes prematuras de americanos por ano até 2030.

Só que nem todos lhe dão trela por lá: das 19 cidades do mundo que assinaram um compromisso por edificações carbono zero a partir de 2030 estão oito americanas, entre elas Los Angeles, Nova York e Washington D.C. E a Califórnia sedia em setembro dois importantes encontros sobre o clima, que antecipam a COP 24, que acontece em dezembro, em Katowice, na Polônia: o Governors’ Climate and Forests Task Force e a Global Climate Action Summit. Uma Gota no Oceano e lideranças indígenas brasileiras participam dos eventos. Quer mandar o seu recado?

As medidas de Trump para beneficiar a indústria do carvão enfraqueceriam consideravelmente o Plano da Energia Limpa, criado pelo ex-presidente Barack Obama. Os americanos podem apelar para o pragmatismo alegando que os investimentos no combate às mudanças climáticas cresceram mais de cinco vezes entre 2014 e 2016, chegando a US$ 1,42 trilhão no país. As energias solar e eólica empregam quase dez vezes mais trabalhadores do que as de carvão, enquanto os investimentos americanos em combustíveis fósseis caíram na mesma proporção, nos últimos anos.

Já sabemos que dificilmente o Brasil cumprirá a sua parte no Acordo de Paris. Mas diferentemente do que aconteceu nos Estados Unidos, não podemos simplesmente sair do tratado, já que lá a adesão foi somente uma decisão presidencial (de Obama), enquanto aqui houve a ratificação, por maioria absoluta, do Congresso. Então vamos ficar com fama de caloteiros, mesmo. Segundo o Imazon, o desmatamento aumentou entre agosto de 2017 e julho deste ano 39% em relação ao período anterior. A Amazônia perdeu quase 4 mil quilômetros quadrados, 13 vezes o tamanho de Belo Horizonte. A taxa voltou a crescer depois de uma redução de 20%.

De acordo com um levantamento do projeto Mapbiomas, o país perdeu 71 milhões de hectares de vegetação nativa em 30 anos. Também retrocedemos ao planejar construir novas termelétricas e retirar subsídios da indústria de energia solar. Precisamos nos entrincheirar para barrar novos retrocessos até as próximas eleições – como a já aprovada Medida Provisória que concede subsídios à indústria petrolífera até 2040 – e contra-atacar quando o novo Congresso assumir. As eleições são a nossa chance de eleger representantes mais responsáveis e comprometidos com o bem comum, como é o meio ambiente.

Baseado no último relatório da Sistema de Estimativas de Emissões de Gases (Seeg), nosso parceiro Observatório do Clima traçou dez metas que deveriam nortear o próximo governo no rumo do desenvolvimento sustentável: definição de uma nova governança climática do Brasil que seja orientada pela ciência e os compromissos no contexto do Acordo de Paris; suspensão de propostas e de negociações com setores do Parlamento que possam levar a retrocessos ou flexibilizações na legislação ambiental; revisão dos compromissos do Brasil para alinhá-los às metas do Acordo de Paris para 2025 e 2030, buscando de evitar aquecimento global além de 1,5°C; rediscussão do papel do petróleo na economia brasileira nos próximos 20 anos e das políticas de subsídio para essa fonte fóssil de energia; ampliação do Programa de Agricultura de Baixo Carbono (Programa ABC) e inclusão de emissões nos critérios do sistema de subsídios federais do setor; aceleração do processo de implementação de mecanismo(s) de precificação de carbono no Brasil, a partir do diálogo entre Governo e sociedade civil; adequação de políticas públicas e planos de desenvolvimento (em infraestrutura, energia, agropecuária e indústria) à Política Nacional sobre Mudança do Clima; aprimoramento da gestão e planejamento da Política Nacional sobre Mudança do Clima com efetiva participação da sociedade; estabelecimento de uma lei de responsabilidade climática que consolide pactos internos para cumprir as metas assumidas pelo Brasil e as aprofunde; ampliação da agenda climática do país, com direcionamento de recursos para institutos de pesquisa em mudança do clima e fortalecimento de programas locais.

Segundo cientistas da Universidade de Brest, na França, e do Instituto Meteorológico Real Holandês, a temperatura deve subir ainda mais pelo menos até 2022. Um estudo internacional publicado pela Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos, concluiu que estamos mais perto de chegar a um ponto sem retorno no que imaginávamos. Isso aconteceria quando o aquecimento da Terra estiver em 2°C acima dos níveis pré-industriais. O planeta já esquentou 1°C em relação àquela época e continua aquecendo 0,17°C a cada dez anos. Cruzar essa linha causaria um efeito dominó catastrófico, que deixaria o planeta em estado permanente de efeito estufa, fazendo a temperatura subir de 4°C a 5°C acima da era pré-industrial, e níveis do mar entre 10 e 60 metros. Regiões do planeta se tornariam inabitáveis. Enquanto a União Europeia já discute a revisão de suas metas climáticas para 2030, com vistas à COP 24, outros atores parecem desconhecer o papel que lhes cabe nesse drama.

Saiba mais:

Qualquer projeto de futuro tem de mirar a biodiversidade

Homem não pode ignorar efeitos das transformações que causa no planeta

Terra corre risco de entrar em ‘efeito estufa’ irreversível

Mudança climática gera incêndios mais frequentes e intensos

Presidente eleito terá de retomar trilha da responsabilidade climática e enfrentar retrocesso

Céticos do clima devem pedido de desculpas a quem acreditou neles

Terra tem ainda vários anos quentes pela frente

‘Nova’ Aneel tenta cortar subsídios a energia eólica e solar

Brasil teve perda líquida de 71 milhões de hectares de vegetação nativa em 30 anos

‘Mudança climática é ameaça à biodiversidade’, diz botânico

Onda de calor quebra camada de gelo marinho mais ‘antiga e espessa’ do Ártico

Parte do solo do ártico não está mais congelando — nem mesmo no inverno

Nova regra de Trump para emissões de usinas a carvão pode causar mais mortes

Economia verde avança no mundo, apesar de Trump

Desmatamento na Amazônia cresceu 39%, diz instituto

Tempestade de fumaça invade a cidade americana de Seattle

Leilão de carvão é um retrocesso

O risco dos incêndios florestais para a saúde humana

Perda de savana africana emite três vezes mais CO2 do que se pensava

Para permanecer potência agrícola, Brasil deve preservar Amazônia

19 Global Cities Commit to Make New Buildings “Net-Zero Carbon” by 2030

Receba info da Gota Alternativas Energéticas

Saiba Mais