Nossas
Campanhas


Nenhum direito a menos, nenhum passo atrás

Nenhum direito a menos, nenhum passo atrás - no right rights lost - no step backwards

“Dia do Juízo Final”. Era assim que o dia 16 de agosto de 2017 estava sendo chamado. No Supremo Tribunal Federal, estava em pauta o direito dos povos tradicionais brasileiros. Indígenas e quilombolas estavam nas mãos dos ministros da Suprema Corte.

A partir deste cenário, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ) uniram suas forças e suas lutas por seus direitos e lançaram, com apoio de organizações parceiras, a campanha Nenhum Direito a Menos, Nenhum Passo Atrás, contra o “marco temporal” e a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) que questiona o decreto que regulamenta as terras quilombolas no Brasil. E ficou a cargo de Uma Gota No Oceano, a produção gráfica desta campanha que uniu as duas já existentes: Nenhum Quilombo a Menos e Nossa História não Começa em 1988.

Felizmente, duas das três ações que estavam na pauta sobre os indígenas do Mato Grosso foram vencidas por unanimidade no Supremo. O governo do estado de Mato Grosso, que pedia reparação financeira pelas Terras Indígenas no estado, além de perder o processo, teve que arcar com os custos do mesmo e pagar módicos R$100 mil reais à União. A terceira ação indígena que seria julgada no dia, e a mais perigosa, foi retirada de pauta. O julgamento da TI Ventarra, no Rio Grande do Sul, poderia consolidar a tese do nada constitucional “marco temporal”. Essa tese prega que só teriam direito à terra povos que nelas estivessem em 5 de outubro de 1988, data da promulgação da Carta Magna brasileira. Porém, antes disso, muitos povos tradicionais foram expulsos de suas terras, inclusive por meios violentos. O novo julgamento ainda será marcado pelo STF.

A ADI levada ao STF pelo DEM questiona o Decreto 4887 de 2003, que garante o direito à terra pelas populações declaras quilombolas. O julgamento da inconstitucionalidade do decreto teve inicio em 2012. Depois do voto favorável à ADI do relator, o ex-ministro Cezar Peluso, e do voto favorável a constitucionalidade do decreto pela ministra Rosa Weber, o ministro Dias Toffoli pediu vistas do processo em 2015. Marcado para ser retomado em 16 de agosto de 2017, o julgamento precisou novamente ser adiado.

Saiba mais:

Indígenas e quilombolas fazem vigília em frente ao STF, em Brasília


Publicações

Água Limpa é a Onda

As praias e o mar fazem parte da vida do Rio de Janeiro, são patrimônios da...

PEC 215, não!

Em apoio à Mobilização Nacional Indígena (MNI), teve início em setembro de 2015, nas redes sociais, a...

Entrando pelo Cano

Campanha Entrando pelo Cano em apoio ao Desmatamento Zero do Greenpeace Brasil para mostrar a relação...

#TamuatéAki

A campanha permanente Tamuaté-Aki  reúne pessoas e organizações com o objetivo comum de apoiar os povos indígenas...

#AtitudePeloClima

O Climate Reality e a ONG Uma Gota no Oceano desenvolveram em parceria a campanha #AtitudePeloClima,...

Não corte a nossa onda: saneamento, já!

Dando continuidade à campanha Saneamento Já, de 2014, aproveitamos a etapa carioca do WCT para reforçar...

Saneamento, já!

O surfista Gabriel Medina foi um dos mobilizadores da campanha, que em 2015 aproveitou a etapa...

PEC-215, Não!

O ator Eriberto Leão foi uma das Gotas que entraram em campo para defender os direitos...

Saneamento Já! 2014

O músico havaiano Jack Johnson aproveitou sua passagem pelo Rio de Janeiro para apoiar a campanha...

Energia Para a Vida

Nosso objetivo é conscientizar e mobilizar os cidadãos para transformar o atual modelo energético brasileiro, aproveitando...