Escolha uma Página

Cada gota conta

11 de junho de 2018

Nem sempre a realidade reflete nossas escolhas, mas diariamente temos a oportunidade de tomar pequenas decisões que, juntas, desenham o nosso futuro, e até mesmo o do planeta. Um recém-divulgado estudo da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento e Solidariedade (CIDSE), uma organização que congrega agências católicas de desenvolvimento da Europa e da América do Norte, sugere medidas drásticas. Segundo o relatório A urgência climática: navegar para um novo paradigma, a produção e o consumo de energia respondem por 2/3 das emissões totais de gases do efeito estufa e 80% do CO₂. Caso a gente queira manter o aumento da temperatura média global em 1,5°C, será preciso banir o quanto antes os combustíveis fósseis e usar somente fontes de energia limpa. Já reduzir o consumo – e, por conseguinte, a conta da luz – também depende da gente.

Se fosse um país, o rebanho bovino brasileiro seria o 17º maior poluidor do mundo. O setor agropecuário é responsável por mais de 70% de nossas emissões. A CIDSE aposta que a agroecologia seria uma saída viável não só para diminuir emissões como também para alimentar o planeta. E isso não parece algo distante: a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) calcula que 1,3 bilhão de toneladas de alimentos vá para o lixo por ano, o que dá cerca de 30% do total produzido. Uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas aponta que a família brasileira joga fora em média 128 quilos de comida por ano. Os seja, o maior problema é o desperdício; outro assunto que pode começar a ser resolvido em casa.

O conceito “pegada de carbono” é usado para definir a quantidade total de emissões de uma pessoa, uma organização, um evento, uma cidade ou um país. Reduzir, reusar e reciclar são os três pilares da sustentabilidade que contribuem para diminuir a pegada de carbono de cada um. São pequenos atos do dia a dia: dar preferência ao transporte público ou usar biocombustível em seu automóvel; não desperdiçar água; e só comprar o necessário. Para facilitar, anote numa agenda, até se tornar um hábito.

Só a má gestão de resíduos, além de danos ambientais e climáticos (na produção e no descarte) gera um prejuízo de R$ 8 bilhões anuais ao país; levar uma vida mais sustentável pode dar lucro. A ambientalista Fernanda Cortez, criadora do movimento Menos 1 Lixo e Defensora da ONU na campanha Mares Limpos, consegue economizar um bom dinheiro enquanto faz a sua parte para ajudar a preservar o clima. Só em produtos de limpeza e de higiene pessoal, que ela mesma faz em casa, deixa de gastar R$ 2 mil por ano. O desenvolvimento sustentável doméstico é o futuro.

Saiba mais:

O que é ‘pegada de carbono’. E a estimativa para 13 mil cidades

Família brasileira desperdiça 128 quilos de comida por ano, revela pesquisa da FGV

Seja um cidadão político para além das urnas

Rebanho bovino responde por 17% das emissões de gases de efeito estufa no Brasil

Como diminuir a sua pegada de carbono de forma simples e econômica

Defensora da ONU poupou mais de R$ 6 mil com vida sustentável e dá dicas de como economizar