nosso
Olhar


Mais veneno chegando à mesa

Veneno agrotóxicos, poison, pesticides

Vai mais uma pitada de veneno? Depois de 14 anos repousando na gaveta, está para ser levado à votação na Câmara Federal o Projeto de Lei (PL) 6299/2002, revogando a atual Lei de Agrotóxicos (7.802/1989). Caso seja aprovado, ele abre brechas para a regulamentação de novos produtos que podem ser nocivos à saúde humana e ao meio ambiente. O PL do Veneno é de autoria do atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Sua volta à cena abriu uma guerra no governo, botando os Ministérios da Saúde, a Anvisa e o Ibama contra o chefiado por Maggi. Além disso, o Ministério Público Federal declarou que o projeto é inconstitucional e ele enfrenta a oposição de entidades do quilate da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Em novembro passado, a opinião pública se revoltou com a liberação do Benzoato de Emamectina, substância proibida no Brasil desde 2010, por suspeita de causar danos ao sistema nervoso. No mês passado a União Europeia proibiu produtos que contenham substâncias conhecidas como neonicotinoides porque podem causar a extinção de insetos polinizadores, como as abelhas. A China também está endurecendo suas leis ambientais e fechando fábricas de pesticidas.

Em nome de que botar a mão num vespeiro desses, justamente quando o resto do mundo começa a adotar políticas de restrição ao uso de agrotóxicos? Estamos na contramão. Arriscar a vida da população está custando mais caro, mas o Brasil parece estar disposto a pagar o preço. O país pode deixar de ser o maior e se tornar o único grande comprador de agrotóxicos. Bom, há pistas a serem seguidas: fabricantes desses produtos financiam campanhas de boa parte dos integrantes da bancada ruralista. Se a gente ligar os pontos vai ver que não dá para engolir mais essa de boca fechada.

No momento, o PL do Veneno está sendo avaliado por uma comissão especial da Câmara, que deve voltar a se reunir no próximo dia 29. É ela quem vai decidir se o projeto vai ou não ao plenário para votação. Só que 20 dos 26 membros desse colegiado são ruralistas. Vai ser preciso muita pressão para derrubá-lo; os lobistas das fábricas de pesticidas insistem em minimizar os seus efeitos nocivos e sempre encontram alguém disposto a lhes dar aval. É uma história que se repete: nos anos 1970, quando começaram a ser divulgados os malefícios do fumo, a indústria tabagista chegou a encomendar estudos falsos para rebater as acusações. A contrapropaganda é uma estratégia antiga, mas os propósitos ficam claros nos pequenos detalhes do projeto. Como, por exemplo, alterar o termo “agrotóxico”, usado na legislação de 1989, para “defensivos fitossanitários”. Fica clara a intenção de levar o consumidor na conversa – como no caso do projeto para tirar o selo “T” dos transgênicos.

Foi o engenheiro agrônomo Adilson Paschoal, Ph.D. em Ecologia e Conservação de Recursos Naturais pela Universidade Estadual de Ohio, nos Estados Unidos, que criou a palavra, em 1977, com rigor científico: “agrotóxicos têm sentido geral para incluir todos os produtos químicos usados nos agrossistemas para combater pragas e doenças. O termo é uma contribuição útil, já que a ciência que estuda esses produtos chama-se toxicologia”, escreveu ele em seu livro “Pragas, praguicidas & a crise ambiental”. Não à toa, ela foi adotada oficialmente, batizando sua lei específica. Paschoal também defende que o uso de agrotóxicos aumenta o número de pragas, porque matam os seus predadores naturais, como as vespas, que também são insetos polinizadores. Professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP, ele é um dos pioneiros da agroecologia no Brasil e defensor de sua viabilidade econômica.

Além dos métodos mais sustentáveis de produção, como a agrofloresta ou permacultura, inspirados nos usados pelos povos tradicionais, a Ciência tem apontado novos caminhos. Assim como está mudando a matriz energética do mundo, a atividade agropecuária começa a buscar soluções menos danosas ao meio-ambiente – e, por que não?, mais economicamente viáveis. O controle natural de pragas e os chamados bioinseticidas parecem ser o caminho. A empresa mexicana Seipasa acaba de conseguir o registro de um novo bioinseticida nos Estados Unidos. Um imenso novo mercado se descortina. O Brasil tem expertise nessa área. Um estudo desenvolvido há seis anos pela Esalq/USP, em parceria com a Universidade da Califórnia pode levar ajudar na erradicação do greening, principal doença que afeta os laranjais. E a fórmula é 100% natural: usar hormônios do psilídeo para combater o próprio inseto. Em nome de que vamos continuar marcando passo?

Assine a petição #ChegaDeAgrotóxicos

Saiba mais:

Pesticidas matam 200 mil pessoas por intoxicação aguda todo ano, alertam especialistas

Posicionamento Inca acerca dos agrotóxicos

Relatório Nacional de Vigilância em Saúde de Populações expostas a Agrotóxicos (do Ministério da Saúde)

Pesquisa da Fiocruz sobre agrotóxicos

‘O uso seguro de agrotóxicos é um mito’ (entrevista com Raquel Rigotto, professora do Departamento de Saúde Comunitária da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará)

Por que o uso de agrotóxicos aumenta o número de pragas, na visão deste pesquisador

FAO recomenda ações para evitar perder um terço da comida no mundo

Projeto de Lei do Agrotóxico abre crise no governo

A Câmara e o Senado não são lugares para decidir sobre uso de agrotóxicos (artigo de Jânio de Freitas)

Médicos e MPF tentam barrar lei ruralista sobre agrotóxicos apelidada de “pacote de veneno”

MPF declara inconstitucional projeto que muda registro de agrotóxicos

Quais são os pontos do projeto que flexibiliza as regras sobre agrotóxicos

UE bane uso de pesticidas nocivos às abelhas

Pesticidas e químicos ameaçam polinizadores, diz diretor da FAO

Restrição ambiental na China pode elevar preço de defensivos em 30%

China fechará fábricas de agroquímicos para combater poluição

A ameaça do “Pacote do Veneno”

Inseticida botânico pode ser a solução para algumas lavouras

Obtiene Seipasa el registro fitosanitario del biopesticida Seican en EE.UU

Novas estirpes de bactérias podem originar biopesticidas

Tecnologia para acabar com praga na agricultura é modelo para exportação

Pesquisa descobre como atrair inseto do greening e vai ajudar a controlar doença

Documentário ajuda a refletir sobre os efeitos da má alimentação na saúde e no meio ambiente

Organizações Internacionais lucram milhões com contrabando de agrotóxicos

Brasil é um dos cinco países do mundo que mais vende terra para estrangeiros

Cético da mudança climática no cerrado é bancado por ruralistas



Publicações

Negligência

Onde eu nasci passa um rio  Que passa no igual sem fim  Igual, sem fim, minha...

Advogada quilombola é a primeira com mestrado em Direito no país

Vercilene Francisco Dias é mestre em pioneirismo. A advogada se tornou a primeira mulher quilombola com...

Ainda temos ecossistemas intactos

É para comemorar. Agora temos um mapa global de ecossistemas intactos da Terra. Os cientistas responsáveis...

Voo para as cidades

Sabe aquele tipo de tendência pela qual a gente torce para se tornar parte do nosso...

Sabedoria premiada pela ONU

A sabedoria das mulheres Xikrin da aldeia Pot-Krô, no Pará, rompe fronteiras. Ao criarem uma miniusina...

Carnaval consciente

Este ano não vai ser igual aquele que passou, eu não cuidei, você também não cuidou....

Parques nacionais conquistam corações

O meio ambiente conquista cada vez mais o coração das pessoas. E a gente fica feliz...

Somos a terra

É natural: o Projeto de Lei de estreia apresentado pela primeira indígena eleita para o Congresso...

Vale diz não a proposta de contratação de assessoria independente para avaliar prejuízos em Brumadinho

Uma inversão de valores. A Vale disse não a uma proposta das famílias atingidas pelo desastre...

Joenia Wapichana: crime ambiental é crime hediondo

Faz todo o sentido. O primeiro Projeto de Lei da deputada federal Joenia Wapichana (Rede/RR) torna...