nosso
Olhar


Hora de reajustar o termostato

COP 23, termostato, thermostat

Vamos começar amenizando o clima: o levantamento anual da ONG internacional Global Carbon Project, divulgado na 23ª Conferência do Clima da ONU (COP 23), em Bonn, na Alemanha, mostra que o desenvolvimento sustentável é possível: ao contrário do Brasil, que realizou a façanha de poluir mais e encolher o seu PIB, 22 países (entre eles Reino Unido, França e Suécia) vêm conseguindo aliar crescimento econômico e redução de emissões de CO2. A má notícia é que, embora esse grupo esteja fazendo o seu dever de casa, ele é responsável por apenas 20% das emissões globais. E o mais grave: estável há três anos, o nível de CO₂ liberado na atmosfera está subindo. A estimativa é de que, no fim do ano, seja contabilizado um aumento de 2% em relação a 2016. Ou seja: ou começamos a reajustar o termostato ou as metas do Acordo de Paris, para que a temperatura média global não suba mais do que 2°C até o fim do século, vão pelos ares.

A principal responsabilidade por esse triste feito é atribuída à recuperação da economia mundial e, em particular, ao reaquecimento econômico da China – dona, sozinha, de 28% das emissões e que ampliou seu lançamento de CO₂ em 3,5% em relação a 2016. Mas, claro, os chineses não estão sozinhos na festa do carbono. Na Índia, a alta foi de 2%, cifra que acompanha seu crescimento econômico. Segundo o estudo, dos 41 bilhões de toneladas das emissões globais de gás carbônico, 31 bilhões vêm da indústria e do uso de combustíveis fósseis. Em sétimo lugar entre os maiores poluidores do mundo, o Brasil responde por 3,4%.

No relatório do Global Carbon Project, o país aparece com emissões em queda – atribuída pelos técnicos não a qualquer política ou ação para a redução do carbono, mas, sim, à grave crise econômica que atravessamos. O estudo, no entanto, leva em consideração apenas as emissões do setor energético, não incluindo na conta as provocadas pelo desmatamento, nossa principal plataforma de lançamento de CO₂. Incluindo essas e outras cargas, em 2016 as emissões brasileiras subiram 9%, como consequência do aumento de 27% na taxa de desmatamento entre agosto de 2015 e julho de 2016, conforme concluiu o último relatório do Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estufa (Seeg). Com isso, o efeito terapêutico da crise – que tirou o país da tomada e nos fez efetivamente emitir 7,3% menos de CO₂ com energia – foi por água abaixo.

Uma série de decisões políticas justifica o fenômeno: as tentativas continuadas de redução de proteção de florestas e de Terras Indígenas; e os desestímulos a políticas de baixo carbono, tanto para atividades no campo (como o crédito à agricultura de baixa emissão, que em 2017 atingiu seu patamar mais baixo) quanto a utilização das energias solar e eólica. “Ninguém pode acreditar no que o governo brasileiro diz aqui (na COP 23), porque é o contrário do que se faz no Brasil. Lá, as emissões avançam, quando aqui se fala que é para reduzir”, disse Sonia Bone Guajajara, da coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

O fosso entre o discurso e a fala fica ainda maior com a MP 795/2017, que tem o potencial de conceder R$ 1 trilhão em subsídios para empresas petrolíferas ao longo das próximas duas décadas. Nossa vergonha só não é maior porque a própria Alemanha, país sede da COP 23, também não tem feito direito a sua lição de casa e não conseguirá cumprir suas metas climáticas. Papel mais feio ainda estão fazendo os EUA que, com a entrada da Síria no Acordo de Paris, hoje são o único país fora do tratado.

Saiba mais:

Levantamento anual do Global Carbon Project

Emissões globais de gás carbônico devem ter alta de 2% em 2017

“Países estão excedendo suas metas”, diz enviado britânico

Governo brasileiro põe delegação da COP23 na berlinda

Emissões em 2017 batem recorde e soterram esperança de “pico”

COP 23: no calor dos acontecimentos

Quando será a virada energética global?

Protesto em defesa do clima tem tom de Carnaval em Bonn

Alemanha, país-sede da CoP-23, não cumprirá sua meta climática

Síria planeja entrar no acordo do clima de Paris, isolando os Estados Unidos

Brasil cobra ambição na COP, mas não faz ‘lição de casa’ climática

Sarney Filho diz que renúncia tributária para petróleo é ‘inaceitável’

Desmatamento agrega ao PIB apenas 0,013% ao ano, diz estudo

Patrimônios naturais ameaçados pelo clima dobram em 3 anos

Estudo lançado na COP23 indica caminhos para o Brasil zerar o desmatamento na Amazônia

 

 



Publicações

Ouçam o que tem a dizer Salgado

As imagens de Sebastião Salgado valem mais do que mil palavras, mas sempre vale a pena...

Estrago no Cerrado pode ser irreversível

Depois de feito o estrago, é difícil de consertar. Segundo um estudo da Universidade Estadual Paulista...

Nem tudo que reluz vale ouro

O verde vale mais do que o ouro. O Brasil tem a maior biodiversidade do mundo...

Soldados do meio ambiente

Intervenção militar do bem: a China convocou 60 mil soldados para plantar árvores. A ideia é...

População tenta salvar Cantareira

Ninguém quer mais ver o Cantareira dessa forma e a população paulistana está fazendo a sua...

Reciclar é com os noruegueses

Ninguém recicla garrafa de plástico como os noruegueses: a taxa em 2016 foi de 97%, o...

Grandes metrópoles estão ficando sem água

A crise hídrica não respeita fronteiras, nem condições socioeconômicas. Como a Cidade do Cabo, na África...

Austrália renovável

Não é só o réveillon que chega primeiro na Austrália. A Tesla instalou no sul do...

Vamos dar mais bola para o tatu?

Todo mundo quer esquecer da Copa de 2014 mas, felizmente, tem gente que lembra do seu...

O próprio DEM dá razão aos quilombolas

O próprio DEM admite: errou ao entrar com uma ação no STF contra os direitos constitucionais...