nosso
Olhar


O sol ainda há de nascer para todos no país tropical

O Sol vai brilhar por mais 7,5 bilhões de anos; logo, não foi inventada ainda nenhuma fonte de energia que seja mais renovável. Apesar disso, ela ainda é pouco aproveitada no ensolarado Brasil: a eletricidade gerada a partir da luz solar representa só 1,9% da matriz energética do país – para se ter uma ideia, as hidrelétricas respondem por 60% e a biomassa e a energia eólica, por 9% cada. Mas o setor vem ganhando força na última década e a previsão é que cresça 17 vezes nos próximos 20 anos, chegando a 32%. Em agosto, o país atingiu a marca histórica de 1 GW de geração distribuída. O Sol ainda há de nascer para todos no país tropical.

O Brasil planeja construir o segundo maior parque de energia fotovoltaica do mundo no município de Canindé de São Francisco, em Sergipe. O projeto prevê 1.200 MW de capacidade instalada – o maior é o Golmud Desert Solar Park, na província chinesa de Qinghai, que pode gerar 1.800 MW. Mas é na chamada geração distribuída, aquelas placas azuis que vemos no alto de casas e prédios ou em propriedades rurais e até mesmo aldeias indígenas, que a energia solar cresce a olhos vistos. O barateamento do equipamento, linhas de crédito específicas e subsídios são as forças motrizes desse avanço.

O número de instalações de painéis fotovoltaicos saltou de 7,4 mil em 2016 para quase 50 mil em 2018, um crescimento de mais de 500%. Hoje, mais de 100 mil casas e estabelecimentos comerciais brasileiros já são abastecidos por painéis solares – e as residências respondem por 70% desse número. No primeiro semestre de 2019 mais de 35 mil sistemas foram instalados – 175% a mais do que no mesmo período do ano passado. Brasília (14,8 KW) e Fortaleza (14,5 KW) são as cidades do país com maior potência instalada.

E tem outra coisa: a eletricidade brasileira é a quinta mais cara do mundo e, segundo uma pesquisa realizada pelo instituto Ilumina, entre 1995 e 2017 a conta de luz subiu 50% acima da inflação. Por isso todo mundo está correndo atrás de um jeito de economizar. Mas para instalar um painel solar em casa é preciso ter a autorização da companhia elétrica da sua região, e elas têm puxado a tomada do consumidor.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) dá um prazo de até 15 dias para a distribuidora fazer a sua avaliação, mas ele não tem sido cumprido. Só entre janeiro e agosto deste ano, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) recebeu 416 reclamações. O sonho da casa própria hoje vem acompanhado do sonho da geração de energia própria, mas o pesadelo da burocracia tem impedido que ele se realize.



Publicações

Do fogo na floresta ao óleo no mar: é preciso agir logo

Primeiro a Amazônia ardeu em chamas.  Somente após o fogo tomar as matas e as capas...

10 livros para você entender as mudanças climáticas

As consequências da crise climática estão todos dias no noticiário, tema de cúpulas de líderes globais...

Do fogo na floresta ao óleo no mar: é preciso agir logo

Primeiro a Amazônia ardeu em chamas.  Somente após o fogo tomar as matas e as capas...

Sabemos combater as mudanças climáticas

Por Dinamam Tuxá, coordenador-executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) Em 20 de setembro...

Em nome do clima

Quem disse que ciência e fé não podem andar juntas? Os cientistas foram os primeiros a...

O futuro é agora

Já notaram que todo filme-catástrofe começa um cientista alertando a Humanidade de algum perigo e sendo...

Outros olhares para o clima

“Vamos precisar de todo mundo/um mais um é sempre mais que dois”. As mudanças climáticas são...

A Amazônia ainda pulsa

Gigante pela própria natureza, a maior árvore da Amazônia escapou da mais grave temporada de incêndios...

Vivendo de vento

É possível viver de brisa. Os potiguares que o digam: não por acaso, quando se pensa...