nosso
Olhar


As mulheres indígenas não marcham só por elas

Diz a mitologia Munduruku que, nos tempos antigos, as mulheres habitavam o ekçá – a casa dos homens – e cabia aos homens trabalharem para elas. Esses papéis foram invertidos mais tarde; como qualquer sociedade, as comunidades indígenas são dinâmicas: assimilam costumes e se adaptam às circunstâncias. Hoje, um novo movimento feminista floresce no mundo. As mulheres indígenas não querem voltar a habitar o ekçá, mas igualdade. E, principalmente, garantir que seus direitos, assegurados pela Constituição, sejam respeitados. Por isso, assumiram um novo papel e agora lutam, lado a lado, com os homens.

As mulheres têm se destacado no movimento indígena atual. São nomes como a deputada federal Joênia Wapichana, Nara Baré, que está à frente da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia (Coiab) e Sonia Guajajara, coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), candidata à vice-Presidência da República na última eleição. E não por acaso, as mulheres também estão à frente da luta contra as mudanças climáticas: segundo um estudo da Universidade de Sidney, na Austrália, são elas que mais sofrem com os seus efeitos.

É neste contexto que nasce a Marcha das Mulheres Indígenas, que começa hoje, Dia Internacional dos povos Indígenas, e vai até o dia 13, em Brasília. No desfecho, elas levam às ruas da cidade as suas reivindicações e no dia 14, juntam-se à Marcha das Margaridas. O evento começou a ser gestados a partir de 2016, quando foi realizado a primeira plenária de mulheres indígenas no Acampamento Terra Livre (ATL). O tema escolhido para o encontro foi “Território: nosso corpo, nosso espírito”. Nada mais adequado, já que os indígenas se consideram parte indissociável da terra onde nasceram e vivem.

E é bom que todos fiquem atentos ao que elas têm a dizer: o recém-divulgado relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU indica que a consolidação do direito à terra dos povos indígenas como uma das principais respostas para a crise climática. Nada mais óbvio: se a Terra é o corpo e a alma do indígena, ninguém melhor do que ele para cuidar dela.



Publicações

Do fogo na floresta ao óleo no mar: é preciso agir logo

Primeiro a Amazônia ardeu em chamas.  Somente após o fogo tomar as matas e as capas...

10 livros para você entender as mudanças climáticas

As consequências da crise climática estão todos dias no noticiário, tema de cúpulas de líderes globais...

Do fogo na floresta ao óleo no mar: é preciso agir logo

Primeiro a Amazônia ardeu em chamas.  Somente após o fogo tomar as matas e as capas...

O sol ainda há de nascer para todos no país tropical

O Sol vai brilhar por mais 7,5 bilhões de anos; logo, não foi inventada ainda nenhuma...

Sabemos combater as mudanças climáticas

Por Dinamam Tuxá, coordenador-executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) Em 20 de setembro...

Em nome do clima

Quem disse que ciência e fé não podem andar juntas? Os cientistas foram os primeiros a...

O futuro é agora

Já notaram que todo filme-catástrofe começa um cientista alertando a Humanidade de algum perigo e sendo...

Outros olhares para o clima

“Vamos precisar de todo mundo/um mais um é sempre mais que dois”. As mudanças climáticas são...

A Amazônia ainda pulsa

Gigante pela própria natureza, a maior árvore da Amazônia escapou da mais grave temporada de incêndios...

Vivendo de vento

É possível viver de brisa. Os potiguares que o digam: não por acaso, quando se pensa...