nosso
Olhar


Contagem regressiva

Espécies ameaçadas

Em fevereiro deste ano, um pequeno roedor marrom, o Melomys rublicola, foi declarado oficialmente o primeiro mamífero do planeta a ser extinto por causa das mudanças climáticas. O ratinho era endêmico da Ilha de Bramble, que fica entre a Austrália e a Papua-Nova Guiné. Ele desapareceu quando o seu habitat foi engolido pelas águas, devido o aumento do nível do mar. No mês passado, foram as girafas que entraram para a lista de espécies ameaçadas: de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), sua população foi reduzida em aproximadamente 40%, de 1985 a 2016. Ainda segundo a UICN, nove espécies de mamíferos podem sumir da face da Terra este ano: o rinoceronte-branco-do-norte, o tigre chinês, o leopardo amur, o gorila-das-montanhas, a saola, o rinoceronte preto, a vaquita e o lobo vermelho.

Quem será a próxima vítima?

É bem capaz de o ser humano entrar na lista. Ou alguém acredita que somos capazes de sobreviver a essa catástrofe?

O planeta caminha para a sua sexta extinção em massa e a causa desta vez não é de um meteoro, como o que dizimou os dinossauros, ou algum cataclismo natural: por trás dela está a atividade humana. De acordo com um alarmante relatório divulgado pela ONU, das 8 milhões de espécies de plantas e animais que existem, de 500 mil a 1 milhão estão ameaçadas de desaparecer. O desenvolvimento insustentável comanda a destruição, pois traz a reboque a exploração inconsequente do solo e dos mares, as mudanças climáticas, a poluição e as espécies invasoras – como o próprio mosquito Aedes aegypti, uma praga que saiu do Egito para infernizar o mundo inteiro.

Mas o estrago vem de longe: desde 1900, a média de espécies nativas na maioria dos principais biomas da Terra diminuiu pelo menos 20%, e ao menos 680 espécies de vertebrados foram extintas desde o século 16. Entretanto, nos últimos 40 anos cresceu consideravelmente o número total de espécies ameaçadas de extinção: hoje, mais de 40% das espécies de anfíbios, quase 33% dos corais e 1/3 de dos mamíferos marinhos e tubarões estão ameaçados. “A velocidade de extinção é centenas de vezes maior que a natural”, afirma Paul Leadley, professor da Université Paris-Sud in Orsay e diretor do laboratório Ecology, Systematics and Evolution.

Leadley é um dos autores do relatório da Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) da ONU. O levantamento foi elaborado por 145 especialistas e 310 colaboradores de 50 países, com base em cerca de 15 mil artigos científicos, e é o mais completo já produzido sobre o tema. Segundo o documento, de 1980 para cá as emissões de CO₂ dobraram, fazendo a temperatura do planeta aumentar cerca de 0,7 º C, por exemplo. “Pela primeira vez, a gente tem uma fotografia do processo de mudança ambiental do planeta”, diz Eduardo Brondizio, professor de Antropologia da Universidade de Indiana e pesquisador do Núcleo de Estudos Ambientais da Unicamp, um dos coordenadores do relatório da IPBES.

Outros dados relevantes: aproximadamente 25% das emissões de gases de efeito estufa são causadas pelo desmatamento e pela produção agrícola, e a pesca industrial já domina mais de 55% do oceano. Além disso, houve um aumento de 10 vezes na poluição por plásticos desde 1980, e fertilizantes e outros insumos agrícolas que chegam à costa, levados pelas águas contaminadas dos rios, já criaram mais de 400 “zonas mortas” oceânicas. Estas cobrem 245 mil km², uma área maior do que a do Reino Unido.

Calcula-se que quase 1/3 da área florestal da Terra tenha ido abaixo depois da Revolução Industrial; e a partir de 1970, o desmatamento aumentou 45%. “Ecossistemas, espécies, populações selvagens, variedades locais e raças de plantas e animais domesticados estão diminuindo, deteriorando-se ou desaparecendo. A rede essencial e interconectada da vida na Terra está ficando menor e cada vez mais desgastada”, diz Josef Settele, pesquisador do centro de pesquisa ambiental alemão Helmholtz, que também participou do projeto.

Segundo Eduardo Brondizio, ainda é possível evitar o pior, mas é preciso contar com o conhecimento dos povos tradicionais: “Eles manejam grandes bacias hidrográficas e ecossistemas, com implicações em pontos muito distantes daqueles onde vivem. Contribuem para a qualidade da água e para a diversidade de habitats, lideram o esforço por reflorestamento e monitoram atividades ilegais”, explica. “Estamos em um momento crítico, não só não reconhecendo populações indígenas como, em alguns casos, condenando seu modo de vida. Esquecemos o potencial do conhecimento local”, completa.

Enquanto o parlamento de países como Reino Unido e Irlanda declaram “emergência climática”, anunciando planos de ação em setores como aquecimento, transporte, indústria e agricultura, para intensificar a resposta às mudanças climáticas e reduzir a emissão de gases, e o chamado G7 do Meio Ambiente (França, Canadá, Alemanha, Estados Unidos, Itália, Japão e Reino Unido) se reúne para discutir medidas concretas contra o combate ao desmatamento e à a poluição por plásticos, a adoção de sistemas de refrigeração limpos e a proteção de recifes de corais, o Brasil continua no caminho inverso.

O governo acaba de anunciar a revisão das 334 áreas de proteção ambiental e uma deputada ruralista pede a extinção do Parque Nacional dos Campos Gerais, criado em 2006 para proteger, principalmente, a araucária, árvore que é símbolo do Paraná. Segundo um estudo desenvolvido pelas universidades Federal de Santa Catarina (UFSC), do estado de Santa Catarina (Udesc) e de São Paulo (USP), a araucária já quase tinha desaparecido há 2 mil anos. Quem a teria salvado da extinção foram justamente os povos pré-colombianos que habitavam a região na época, promovendo o seu replantio.

A perda da biodiversidade “é um resultado direto da atividade humana e constitui uma ameaça direta ao bem-estar humano em todas as regiões do mundo”, alerta o pesquisador Josef Settele. É bom o bicho homem abrir o olho, pois a fila da extinção anda e ele pode estar antes do seu fim.

Saiba mais:

Mamífero australiano é o 1º animal extinto pelo aquecimento global

Girafas entram para a lista de espécies ameaçadas de extinção

Oito espécies que podem entrar em extinção já em 2019

Ouça cinco animais ameaçados de extinção no Brasil

Menos áreas verdes, mais mosquitos transmissores de doenças

Guia Desafio Natureza: o que você pode fazer contra o impacto das espécies exóticas invasoras

As principais ‘extinções em massa’ na Terra

Um milhão de espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção, segundo relatório da ONU

De 500 mil a 1 milhão de espécies estão ameaçadas de extinção, diz relatório

Um milhão de espécies ameaçadas de extinção a um ritmo sem precedentes

Temos que mudar narrativa do desenvolvimento, diz brasileiro autor de estudo sobre extinção

G7 do Meio Ambiente se reúne na França para analisar medidas concretas

Call4Nature: cientistas, ambientalistas e celebridades pedem para líderes mundiais salvarem o planeta

Governo fará revisão geral das 334 áreas de proteção ambiental no País

Ministro do Meio Ambiente admite rever criação do Parque Nacional dos Campos Gerais

Povos pré-colombianos podem ter evitado extinção da araucária

Por que os indígenas são a chave para proteger a biodiversidade planetária

Derretimento da Antártica já está seis vezes mais rápido do que há 40 anos



Publicações

Lobo em pele de cordeiro

O Brasil é o lobo em pele de cordeiro do ambientalismo. Da boca pra fora, somos...

O rastro da destruição

Alguém ligou a motosserra e despejou o mercúrio no rio, mas os crimes de desmatamento e...

Governadores acordam para as mudanças climáticas

Ainda não são todas, mas algumas autoridades estão acordando para o fato de que precisamos combater...

Não é hora de lavar as mãos, mas de pôr mãos à obra

A catástrofe ambiental que devastou Moçambique no mês passado é só um prenúncio do que está...

É hora de ouvir os povos indígenas

Tem muita gente por aí dizendo saber o que o índio quer. Os palpites são muitos...

O Acampamento Terra Livre precisa de nossa ajuda

Indígenas de todo país vão se reunir em Brasília entre os dias 24 e 26 de...

Biodiversidade de Abrolhos sob ameaça

Abrolhos, com seu mar azul esverdeado, é um arquipélago localizado no sul da Bahia. O primeiro...

Em nome de que enterramos nossos rios?

Tratamos nossos rios como lixo. Nas grandes cidades brasileiras eles foram varridos para debaixo do tapete....

Van distribui cinema e sustentabilidade

Sustentabilidade de cinema, só que na vida real. O projeto Cinesolar transporta filmes e noções de...