nosso
Olhar


Guerra de informação

Guerra de informação - information

O telefone sem fio não para de tocar e as centrais de boatos funcionam 24 horas por dia. Há uma guerra de narrativas em curso, e a internet é um campo minado. Mesmo os mais atentos podem pisar numa mina; imaginem, então, o cidadão distraído? Na correria do dia a dia, ele acaba tomando por verdade boa parte do que lê nas redes sociais e nos grupos de troca de mensagens. Como reagir? Mais do que nunca, é preciso buscar informação de qualidade, a nossa melhor arma nessa briga. E encontrar boas fontes também é uma boa forma de administrar melhor o tempo, que anda cada vez mais escasso.

A área socioambiental é um dos mais ativos campos de batalha desta guerra. E a luta é de Davi contra Golias. Representando interesses poderosos, Donald Trump disparou contra as mudanças climáticas e se elegeu presidente da nação mais poderosa do mundo; aqui no Brasil, o agronegócio se veste de pop e usa da propaganda enganosa e de sua força no governo para investir contra o meio ambiente e os direitos dos povos tradicionais.

É preciso desarmar esses falsos discursos fazendo o uso de bons argumentos. E a missão de Uma Gota no Oceano é justamente fornecer informação consistente, com linguagem atraente e acessível ao cidadão. Nossos principais aliados são organizações e entidades comprometidas em produzir alguns dos melhores estudos e pesquisas sobre a área, como a Fundação SOS Mata Atlântica, o Greenpeace Brasil, o Instituto Socioambiental – ISA, o Observatório do Clima e o WRI Brasil

Uma história muito difundida, por exemplo, é a de que o agronegócio precisa expandir suas fronteiras Amazônia adentro. De forma bastante didática, usando gráficos, o Observatório do Clima mostrou que se trata de pura falácia (veja aqui). As conclusões tiradas a partir dos últimos estudos sobre a região mostram por exemplo, que o seu PIB agropecuário cresceu, mesmo com o desmatamento em queda, assim como a produção de carne e de soja. Outra dado significativo: os dez municípios que mais desmataram em 2016 estão entre os mais pobres não só da Amazônia, como do país. E mais: a intensidade de carbono de nossa economia (a quantidade de gás carbono emitida por cada real gerado no PIB) caiu. Até 2014, o país ganhou mais dinheiro poluindo menos.

Caso o índice de desmatamento de 2016 continue nos próximos anos, chegaremos a 2025 com quase o dobro das emissões de CO2 estabelecidas pelas metas do Acordo de Paris. Vamos combater o bom combate? Junte-se a nós! 



Publicações

Quilombo é História

Zumbi dos Palmares, o senhor das demandas, também era conhecido como sweka, “homem invisível”, em idioma...

Patrimônio Mundial em risco

Vamos ficar olhando Machu Pichu sumir do mapa? Dos 241 sítios naturais considerados Patrimônio Mundial pela...

As duas caras do Brasil na COP23

Nesta quarta-feira (14/11), foi apresentado na 23ª Conferência do Clima da ONU, em Bonn, na Alemanha,...

Hora de reajustar o termostato

Vamos começar amenizando o clima: o levantamento anual da ONG internacional Global Carbon Project, divulgado na...

Sombras sobre o planeta

Sombras ameaçadoras pairam sobre o planeta. Há 25 anos, cientistas do mundo todo lançaram um alerta...

Rio Doce entra na Justiça

Como ninguém ainda pagou o pato por Mariana, o próprio Rio Doce vai tomar uma providência:...

Fechou o tempo na Índia

Fechou o tempo em Nova Delhi, na Índia. E as escolas e a entrada de caminhões....

Super-frutas da Mata Atlântica

Vai araçá-piranga, cereja-do-rio-grande (foto), grumixama, ubajaí e bacupari-mirim? Na Mata Atlântica ainda tem, mas pode acabar....

Mariana: dois anos como um dia

Parece que foi ontem. A tragédia de Mariana está fazendo dois anos, mas para as vítimas...

COP 23: no calor dos acontecimentos

A 23ª Conferência do Clima (COP 23), que ora se realiza em Bonn, na Alemanha, tinha...