nosso
Olhar


Emergência climática

Emergência climática

O clima não está normal nem aqui, nem lá na China. Junho e julho de 2019 foram os mais quentes da História, recordes de calor foram batidos em todo o Hemisfério Norte. Houve apagões em Nova York, o fogo queima florestas no Ártico, os termômetros marcaram 45,1°C na França (42,6°C em Paris) e 800 milhões (!) de chineses estão sendo afetados pelas temperaturas de mais de 40°C que atinge suas metrópoles.

Parlamentos de Alemanha, Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, Espanha, EUA, França, Irlanda, Itália, Nova Zelândia, Reino Unido, República Checa e Suíça decretaram emergência climática. A Organização Meteorológica Mundial (OMM) não tem dúvida: essas ondas de calor “carregam a assinatura da mudança climática provocada pelo homem”.

O homem causa e paga: segundo um relatório da seguradora alemã Munich Re, desastres naturais causados pelo desequilíbrio no clima provocaram prejuízos de US$ 42 bilhões no primeiro semestre. Por isso, mesmo que o presidente Donald Trump vá abolir as regras adotadas no governo Barack Obama para reduzir emissões de poluentes por veículos, a Califórnia e outros 13 estados americanos continuarão a aplicá-las. Quatro das maiores montadoras do mundo instaladas nos Estados Unidos  – Ford, Volkswagen, Honda e BMW  – juntaram-se esta semana ao grupo de dissidentes.

Está acontecendo mais rápido do que esperávamos. No ano passado, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) anunciou que as emissões de CO₂ teriam que ser reduzidas em 45% até 2030, para manter o aumento das temperaturas médias globais abaixo de 1,5°C até o fim do século. Hoje, os cientistas reconhecem que será preciso corrigir essa meta e que os próximos 18 meses serão fundamentais.

Neste momento, estamos nos encaminhando para 3°C de aquecimento até 2100, o que seria catastrófico para a vida – humana e animal – no planeta. “A matemática do clima é brutalmente clara: embora o mundo não possa ser curado nos próximos anos, pode ser fatalmente ferido por negligência até 2020”, diz Hans Joachim Schellnhuber, fundador e diretor emérito do Instituto Potsdam de Pesquisas sobre o Impacto Climático.

Assim como nos EUA, no Brasil parece haver um descompasso entre o que pensam opinião e o poder públicos. Pesquisas recém-divulgadas pelo Instituto Datafolha apontam que 85% da população, que sofre os efeitos na pele, acredita que o planeta está esquentando e 72% concordam que a causa é a atividade humana; que 86% dos brasileiros rejeitam a ideia de abrir as terras indígenas para a mineração. Enquanto isso, o governo, que é uma entidade abstrata, luta contra a Ciência e os fatos. Não se detém catástrofes por decreto.

Saiba mais:

 

 



Publicações

Do fogo na floresta ao óleo no mar: é preciso agir logo

Primeiro a Amazônia ardeu em chamas.  Somente após o fogo tomar as matas e as capas...

10 livros para você entender as mudanças climáticas

As consequências da crise climática estão todos dias no noticiário, tema de cúpulas de líderes globais...

Do fogo na floresta ao óleo no mar: é preciso agir logo

Primeiro a Amazônia ardeu em chamas.  Somente após o fogo tomar as matas e as capas...

O sol ainda há de nascer para todos no país tropical

O Sol vai brilhar por mais 7,5 bilhões de anos; logo, não foi inventada ainda nenhuma...

Sabemos combater as mudanças climáticas

Por Dinamam Tuxá, coordenador-executivo da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) Em 20 de setembro...

Em nome do clima

Quem disse que ciência e fé não podem andar juntas? Os cientistas foram os primeiros a...

O futuro é agora

Já notaram que todo filme-catástrofe começa um cientista alertando a Humanidade de algum perigo e sendo...

Outros olhares para o clima

“Vamos precisar de todo mundo/um mais um é sempre mais que dois”. As mudanças climáticas são...

A Amazônia ainda pulsa

Gigante pela própria natureza, a maior árvore da Amazônia escapou da mais grave temporada de incêndios...

Vivendo de vento

É possível viver de brisa. Os potiguares que o digam: não por acaso, quando se pensa...