nosso
Olhar


Coletivo quilombo

Quilombo é liberdade

Se para o indígena a terra é a sua própria existência, para o quilombola, significa liberdade. Assinada em 13 de maio de 1888, pela Princesa Isabel, a Lei Áurea está fazendo 130 anos. É uma data a ser lembrada para que crimes como a escravatura jamais se repitam; mas para os descendentes dos primeiros quilombolas é somente uma vitória a mais em sua longa história. Seus antepassados já haviam conquistado a liberdade – em muitos casos, já no século XVI. E essa liberdade era a terra em que viviam, os quilombos. Havia africanos de diferentes etnias e regiões no Brasil, e essas comunidades eram formadas por essa diversidade. Um quilombo representa o esforço de muitos povos. Mais do que o tom de sua pele, é essa terra que os define.

Além disso, a liberdade concedida pela Abolição da Escravatura não foi completa. Africanos e afrodescendentes não mereceram nenhuma compensação; ao contrário, a sua inclusão na sociedade foi dificultada. A cidadania plena lhes foi negada. Seus direitos foram conquistados gradualmente, com muita luta. Apenas em 1988, com a atual Constituição, os descendentes dos quilombolas asseguraram oficialmente o direito às terras de seus antepassados, onde nasceram e de onde tiram o seu sustento. Mas, como não raramente acontece no Brasil, a Justiça tarda. Somente 4% dos mais de 1.600 processos de titulação de quilombos em andamento no Incra foram concluídos até hoje. A luta agora é assegurar que esse direito se concretize.

Em 8 de fevereiro deste ano, uma dupla vitória histórica: em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), os quilombolas derrotaram o DEM, partido que havia ajuizado uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra a regulamentação de seus direitos, e derrubaram a ameaça do “marco temporal” – tese que defende que só teriam direito à terra aqueles que a tivessem ocupando até a data da promulgação da Constituição, 5 de outubro de 1988. Mas há muito a ser feito ainda.

Só a Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq) representa mais de 3.500 quilombos em todas as regiões do país, e 2.465 já foram reconhecidos pela Fundação Palmares. Entretanto, o orçamento do programa de reconhecimento de áreas quilombolas do Incra encolheu 94% em sete anos. Comunidades quilombolas preservam áreas de floresta e tradições. E não é apenas no campo que despertam cobiça: existem quilombos encravados em grandes cidades, como Rio de Janeiro e Belo Horizonte, ameaçados pela especulação imobiliária. A luta contra a discriminação também é incessante. Lamentavelmente, a violência contra os negros vem crescendo tanto nas metrópoles quanto nas áreas rurais – em 2017, 14 quilombolas foram assassinados, o maior número já registrado.

Além disso o Brasil, que há 20 anos vinha sendo considerado exemplo do combate ao trabalho escravo, vem retrocedendo nessa área ultimamente, principalmente por pressão da bancada ruralista. Ninguém é imune à injustiça. Quando o seu vizinho perde um direito, os seus também estão ameaçados. A luta pela liberdade requer o esforço de todos.

Saiba mais:

Brasil viveu um processo de amnésia nacional sobre a escravidão, diz historiadora

O legado de negros muçulmanos que se rebelaram na Bahia antes do fim da escravidão

No Rio, Arquivo Nacional marcar os 130 da abolição da escravatura no Brasil

Maior parte dos quilombos no RJ ainda não tem posse da terra

Governo regulariza terceira comunidade quilombola

13 de maio: dia de resistência

Quilombo Sacopã resiste há 105 anos em meio a prédios e mansões na Lagoa

Conversa com Bial sobre os 130 anos de Abolição da Escravatura

Descendentes de escravos no Brasil arriscam tudo na luta por terras

Após 130 anos da abolição, mulheres quilombolas se colocam à frente da luta por direitos

Abolição da escravidão em 1888 foi votada pela elite evitando a reforma agrária, diz historiador

Onde a escravidão persiste

A luta segue nos quilombos da Amazônia

Escravidão brasileira, fantasma que se recusa a desaparecer

Negros, um século de escravidão

130 anos pós-abolição

Muito além da princesa Isabel, 6 brasileiros que lutaram pelo fim da escravidão no Brasil

O Brasil é quilombola!

Quilombo é História

Quilombo preserva, preserva quilombo



Publicações

Rumo ao desmatamento zero na Mata Atlântica

Desmatamento zero não é utopia. A destruição da Mata Atlântica é a menor desde 1985, quando...

Desmatar o Cerrado é fogo

Estamos brincando com fogo - e pode não ter como apagar. O Cerrado é a nossa...

Hidrelétrica mata peixes

Assim que encheram o principal reservatório de Belo Monte, foram encontradas mais de 16 toneladas de...

Mais veneno chegando à mesa

Vai mais uma pitada de veneno? Depois de 14 anos repousando na gaveta, está para ser...

O ramo das fazendas solares está crescendo

Plantando energia. O ramo das fazendas solares particulares está crescendo no Brasil. As empresas vendem eletricidade...

Preservação ambiental só no papel

O que mais tem é área de preservação ambiental no papel. No mundo real, porém, só...

Lixo plástico nas alturas

Onde nenhum homem jamais esteve. Outro dia, falamos aqui que foi encontrado lixo plástico a mais...

Retrocesso indigesto

Retrocesso indigesto: enquanto a União Europeia decidiu banir mais agrotóxicos de seu cardápio, o Congresso trama...

Eficiência gera economia

Trocando a eficiência energética em miúdos: basta substituir o aparelho de ar condicionado para o consumidor...

Mais agrotóxicos na salada

Salada se tempera com azeite e vinagre, não com Benzoato de Emamectina. A substância, proibida no...