nosso
Olhar


Chegou a hora de reagir

Cada gota conta - reagir - react

Não se trata mais apenas de resistir, é preciso reagir. O último Dia Internacional do Meio Ambiente (5/6) pode ser um marco dessa virada: o governo aproveitou a data para anunciar a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que passou de 65 mil para 240 mil hectares. Isso só foi possível porque a sociedade se mobilizou e se fez ouvir. Juntos, fizemos a diferença. Se continuarmos unidos, podemos conquistar novas vitórias e impedir os retrocessos ambientais que estão sendo gestados no Congresso Nacional.

Em escala planetária, a reação começou há alguns dias, quando os demais líderes do G7, grupo que reúne os países mais poderosos do mundo, deixaram o presidente americano Donald Trump falando sozinho e reafirmaram o seu compromisso com o Acordo de Paris. Trump e os negacionistas ficaram isolados até nos EUA, pois estados, cidades, universidades e empresas do país já anunciaram que vão continuar seus esforços para combater as mudanças climáticas. No dia 5/6, foi divulgada uma carta aberta, com mais de mil assinaturas, intitulada “Ainda estamos dentro”, que denuncia o “grave erro” cometido por Trump ao se retirar do tratado. Os signatários, liderados pelo empresário e ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg – atual enviado especial da ONU para o clima -, também asseguram que continuarão “apoiando ações pelo clima para cumprir o Acordo de Paris”. 

A defesa do meio ambiente é um trabalho de formiguinha, pois exige muita dedicação e senso de coletividade. Mas o esforço individual de cada um também conta, e muito. Um bom exemplo disso é o do agricultor Antonio Vicente, que plantou uma floresta sozinho, a 200 quilômetros de São Paulo. Hoje com 84 anos, ele comprou em 1973 um pedaço de terra de 30 hectares, preocupado com a devastação que via à sua volta: “Quando era criança, os agricultores cortavam as árvores para criar pastagens e pelo carvão. A água secou e nunca voltou. Pensei comigo: ‘a água é o bem mais valioso, ninguém fabrica água e a população não para de crescer. O que vai acontecer? Ficaremos sem água”. Ao longo desses anos, ele plantou, uma a uma, as 50 mil árvores de sua propriedade. De lá para cá, a Mata Atlântica paulista perdeu cerca de 183 mil hectares para a agricultura. Mas na floresta de Seu Antônio tem até bicho: “Há tucanos, todo tipo de aves, pacas, esquilos, lagartos, gambás e, inclusive, javalis”, conta ele.

No Pantanal, a bióloga Neiva Guedes criou o Projeto Arara Azul, que está conseguindo salvar a ave homônima da extinção, monitorando cem ninhos naturais e artificiais e promovendo a educação ambiental, para evitar a caça. Neiva teve a ideia ao visitar a região para um curso sobre conservação e se deparar com uma árvore seca, apinhada de aves. “Parecia uma árvore de Natal, mas, em vez de bolinhas, tinha araras. Foi paixão à primeira vista. Ouvi do professor que a espécie poderia desaparecer se nada fosse feito. Eu não era pantaneira nem ornitóloga, mas fiquei determinada a fazer alguma coisa”, conta. Hoje, graças à sua iniciativa, mais de 5 mil indivíduos povoam o Pantanal.

Quer fazer a sua parte? Se informar e compartilhar informação é um bom começo. 

Conheça melhor a história de Antonio Vicente, na BBC Brasil: A incrível história do brasileiro chamado de louco pelos vizinhos por plantar a própria floresta

Saiba mais sobre o Projeto Arara Azul 

E sobre a carta “Ainda estamos dentro”, no jornal O Globo: Políticos, empresas e universidades enviam carta aberta à ONU a favor do Acordo de Paris



Publicações

Quilombo é História

Zumbi dos Palmares, o senhor das demandas, também era conhecido como sweka, “homem invisível”, em idioma...

Patrimônio Mundial em risco

Vamos ficar olhando Machu Pichu sumir do mapa? Dos 241 sítios naturais considerados Patrimônio Mundial pela...

As duas caras do Brasil na COP23

Nesta quarta-feira (14/11), foi apresentado na 23ª Conferência do Clima da ONU, em Bonn, na Alemanha,...

Hora de reajustar o termostato

Vamos começar amenizando o clima: o levantamento anual da ONG internacional Global Carbon Project, divulgado na...

Sombras sobre o planeta

Sombras ameaçadoras pairam sobre o planeta. Há 25 anos, cientistas do mundo todo lançaram um alerta...

Rio Doce entra na Justiça

Como ninguém ainda pagou o pato por Mariana, o próprio Rio Doce vai tomar uma providência:...

Fechou o tempo na Índia

Fechou o tempo em Nova Delhi, na Índia. E as escolas e a entrada de caminhões....

Super-frutas da Mata Atlântica

Vai araçá-piranga, cereja-do-rio-grande (foto), grumixama, ubajaí e bacupari-mirim? Na Mata Atlântica ainda tem, mas pode acabar....

Mariana: dois anos como um dia

Parece que foi ontem. A tragédia de Mariana está fazendo dois anos, mas para as vítimas...

COP 23: no calor dos acontecimentos

A 23ª Conferência do Clima (COP 23), que ora se realiza em Bonn, na Alemanha, tinha...