nosso
Olhar


Rios de Barcarena estão mais contaminados do que se pensava

Dira Paes, barcarena

Os crimes ambientais em Barcarena são muito maiores do que se pensava. Rios e igarapés desta região do Pará estão gravemente contaminados, como comprovou relatório do Instituto Evandro Chagas. Metais tóxicos, como arsênio, mercúrio, chumbo, cobre, alumínio e ferro foram encontrados nos rios Pará, Murucupi, Arienga, Arapiranga e Guajará do Beja, além dos igarapés Curuperê, Dendê, que cruzam comunidades vizinhas à refinaria norueguesa Hydro Alunorte. A concentração de chumbo, por exemplo, estava cinco vezes acima do limite estabelecido por lei. Nossas reservas de água estão ameaçadas, como aponta a atriz Dira Paes, a voz da nossa campanha pelos rios do Brasil! “É nosso direito e nossa obrigação protegê-los. Precisamos aumentar os debates em torno deste assunto urgente. Em nome de que estamos aceitando tanto descaso com nossas águas? ”

Os mesmos metais foram encontrados nos efluentes da refinaria, o que pode comprovar que houve o transbordamento em meados de fevereiro, quando Barcarena registrou uma chuva forte, provocando alagamentos. Os pesquisadores identificaram que o material tóxico se misturava a água da chuva e era lançado nos rios de Barcarena por três pontos de despejos clandestinos encontrados na Hydro Alunorte pela fiscalização do estado. As amostras das águas destes despejos também foram analisadas e demonstraram grande concentração de manganês.

“Os riscos ambientais são maiores do que se imaginava. Quando você joga efluente não tratado isso é caracterizado como um crime ambiental, muito mais do que apenas uma falha. Acho que a empresa tem que repensar o seu modo de produção”, comentou Marcelo Lima, pesquisador do instituto.

Ele ainda ressalta que os relatórios apresentados pela empresa Hydro sobre os rios e igarapés do entorno são “falhos e insuficientes”: “Porque esses dados não mostram os níveis de metais tóxicos nem mostram outras características físico-químicas, ou seja, não mostram que essas áreas apresentavam níveis de metais acima dos recomendados pela legislação brasileira.”

A saúde dos moradores que vivem no entorno do rio está em risco. Segundo médicos do Instituto Evandro Chagas, as altas concentrações de chumbo podem causar danos neurológicos e comprometimento esquelético. Por causa da contaminação, o órgão orientou a população a não usar o rio e recomendou a continuidade da distribuição da água potável.

Criado nos anos 1970, o polo industrial de Barcarena até hoje não tem licença ambiental. A cidade não dispõe de coleta de esgoto e nem de tratamento de lixo.

A Hydro afirmou que contratou a consultoria ambiental SGW para uma análise paralela e que promete apresentar as conclusões até 9 de abril. A refinaria foi multada em R$ 20 milhões por problemas de licenciamento.

Saiba mais

Despejo irregular da refinaria Hydro Alunorte tem impacto maior do que parecia no Pará

Novo laudo aponta contaminação em rio no entorno de fábrica no Pará

Pará: Novo relatório atesta contaminação de rios e igarapés pela Hydro Alunorte

Novas análises mostram que a poluição provocada pela Hydro Alunorte é mais grave

Fotos: FolhaPress



Publicações

Indígenas lutam na Justiça pela Funai

Nós temos uma Constituição e, diferentemente de muita gente por aí, os povos indígenas sabem usá-la....

A bicharada invade o Rio

A bicharada está invadindo o Rio de Janeiro. Ou seria o contrário? Outro dia, uma arara-vermelha,...

Xingu no #DesafioDos10Anos

Entramos no #DesafioDos10Anos! A imagem abaixo se refere à região da Volta Grande do Xingu, no...

O poder das palavras

Em 1938, um então desconhecido ator e diretor de cinema fez uma dramatização na rádio que...

O sapo Romeu encontra sua Julieta

Romeu finalmente encontrou sua Julieta. Mas ela não é fácil. Há 10 anos o anfíbio mais...

Indígenas temem uma grande invasão

Miriam Leitão esteve, em 2013, com o fotógrafo Sebastião Salgado em território Awá Guajá, no Maranhão,...

O ABC do Cerrado dá lição de sustentabilidade

O abecedário da preservação e da produtividade. Gerenciado pelo Banco Mundial, o ABC do Cerrado tem...

O limpa-folha-do-nordeste silenciou

O Brasil chega a 2019 mais silencioso. Perdemos o cantar de dois conterrâneos no ano passado:...

Terras indígenas: onde a natureza resiste

Na primeira metade do século XVI, o conquistador espanhol Francisco de Orellana equiparou a valentia das...

Funai perde atribuições fundamentais

A notícia parece preocupante e é mesmo. O novo governo baixou uma Medida Provisória que destitui...