nosso
Olhar


Mudanças climáticas derretem o Ártico

artico - arctic

Na semana que passou comemoramos O Dia Internacional do Meio Ambiente e também o Dia Mundial dos Oceanos. Ficamos cientes de dados como as 8 milhões de toneladas de plástico que são descartadas no mar todos os anos. E vimos também que, se até 2050 nada for feito com relação isso, teremos mais plástico do que peixes nos mares.

Na última semana, o presidente americano Donald Trump deixou o Acordo de Paris, o que pode atrapalhar o objetivo do tratado e não reduzir as mudanças climáticas como se esperava. Um dos reflexos deste fenômeno é o aumento da temperatura no planeta, que coloca em risco principalmente a Antártica e o Ártico, causando, entre outros problemas, o derretimento de geleiras. Isso pode causar a elevação do nível dos oceanos e fazer desaparecer lugares como as Ilhas Maldivas, onde o presidente fez um apelo para que Trump não abrisse mão do acordo.

Mas voltando ao Ártico. As consequências das mudanças climáticas por lá são mais fortes e muitas vezes sentidas primeiro do que em outros locais do planeta.

Recentemente, o banco mundial de sementes, criado pela Noruega e que fica no extremo norte no país, na região do Ártico, foi parcialmente inundado por conta do derretimento do permafrost (o solo da região ártica, uma camada de gelo que, ao menos em tese, não deveria derreter). Felizmente, nada se perdeu e o governo norueguês já divulgou um plano para conter possíveis futuros acidentes causados principalmente pelas mudanças climáticas na região.

Estudos mostram que a diminuição da cobertura de gelo no Ártico, foi de 74% entre 2009 e 2016, como divulgou o secretário-geral da Organização Mundial Meteorológica, Petteri Taalas. A área congelada é a menor já registrada por satélite, em quase quatro décadas, em pleno inverno na região, segundo a NASA.

Abaixo, o vídeo feito pela própria NASA mostrando as mudanças na formação de gelo na região do Ártico:

A perda de cobertura de gelo está afetando o ecossistema na região, como o tempo de florescimento dos fitoplânctons, os organismos microscópicos que estão na base da cadeia alimentar marinha. Além disso, os ursos polares, morsas, baleias e outros animais dependem do gelo marinho para sobreviver.

Quem está se beneficiando por esse degelo é o homem, o principal causador dele. Com a diminuição da área congelada, aumenta a invasão humana, expandindo atividades como a pesca, o turismo, o transporte a até a exploração de petróleo na região. Japão, China e Coreia do Sul anunciaram que se uniram para um estudo científico conjunto no oceano Ártico para preparar o terreno para a abertura de novas rotas de transporte e exploração de recursos.

No norte do Canadá, o aumento das temperaturas está fazendo com que as estradas de gelo formadas no longo e denso inverno da região se formem mais tarde que o habitual e derretam antes do esperado. Essas estradas são importantes para o transporte de combustível, madeira, diamantes e carcaças de alce para as minas e comunidades remotas da região.

As pessoas que vivem por lá esperam ansiosamente pelo inverno para que as estradas de gelo, que são a sua única garantia de sobrevivência, deem acesso às comunidades isoladas. Esta crise está se tornando uma questão de vida ou morte. Algumas dessas comunidades quase ficaram sem óleo diesel para manter as luzes acesas porque as estradas de gelo foram abertas semanas mais tarde.

Outro dado alarmante é que o derretimento o solo do ártico está liberando antigos vírus e bactérias que, depois de ficarem tanto tempo “dormentes”, voltam à vida e podem acabar causado grandes epidemias.

Conforme a Terra vai aquecendo, mais camadas do permafrost vão derretendo. Normalmente. cerca de 50 cm das camadas mais superficiais desse solo derretem no verão. Mas com o aquecimento global, camadas mais profundas e antigas têm derretido também, liberando esses vírus e bactérias.

E não apenas esses microrganismos são uma ameaça. Conforme a Terra vai aquecendo, os países do Norte vão se tornando mais suscetíveis a epidemias “do Sul”, como malária, cólera, dengue, que são doenças de temperaturas mais quentes. A elevação de temperatura deixa o clima mais propício para a reprodução de mosquitos vetores dessas doenças, como o tão conhecido Aedes aegypti, responsável por transmitir além da dengue, a febre amarela, Chikungunya e Zika.

Saiba mais: 

Noruega vai aumentar proteção  de sementes ante o aumento das temperaturas

Degradação Ártico é oportunidade de negócio para pesca, turismo e transporte

O manto gelado da Terra quebrou mais um recorde assustador

Japão, China e Coreia do Sul se juntam para uma missão especial

Aquecimento ameaça estradas de gelo

Como o derretimento de geleiras está levando ao ressurgimento de doenças “adoremecidas”

Aquecimento global pode “ressuscitar” doenças antigas

 

Fotos: Reuters, Blog do Pedlowski, NASA, Kerstin Langenberger, Aventuras Produções. 



Publicações

Quilombo é História

Zumbi dos Palmares, o senhor das demandas, também era conhecido como sweka, “homem invisível”, em idioma...

Patrimônio Mundial em risco

Vamos ficar olhando Machu Pichu sumir do mapa? Dos 241 sítios naturais considerados Patrimônio Mundial pela...

As duas caras do Brasil na COP23

Nesta quarta-feira (14/11), foi apresentado na 23ª Conferência do Clima da ONU, em Bonn, na Alemanha,...

Hora de reajustar o termostato

Vamos começar amenizando o clima: o levantamento anual da ONG internacional Global Carbon Project, divulgado na...

Sombras sobre o planeta

Sombras ameaçadoras pairam sobre o planeta. Há 25 anos, cientistas do mundo todo lançaram um alerta...

Rio Doce entra na Justiça

Como ninguém ainda pagou o pato por Mariana, o próprio Rio Doce vai tomar uma providência:...

Fechou o tempo na Índia

Fechou o tempo em Nova Delhi, na Índia. E as escolas e a entrada de caminhões....

Super-frutas da Mata Atlântica

Vai araçá-piranga, cereja-do-rio-grande (foto), grumixama, ubajaí e bacupari-mirim? Na Mata Atlântica ainda tem, mas pode acabar....

Mariana: dois anos como um dia

Parece que foi ontem. A tragédia de Mariana está fazendo dois anos, mas para as vítimas...

COP 23: no calor dos acontecimentos

A 23ª Conferência do Clima (COP 23), que ora se realiza em Bonn, na Alemanha, tinha...