nosso
Olhar


Biodiversidade sem fim?

Biodiversidade amazônica

É verde que não acaba mais. A capacidade de a Amazônia nos surpreender é inesgotável: a cada dia nos apresenta um novo tom da cor. É uma biodiversidade sem fim. Pesquisadores do Centro Naturalis de Biodiversidade, na Holanda, identificaram 11.676 diferentes árvores na região. O número estimado de espécies amazônicas é de 16 mil; ou seja, ainda faltam quatro mil a serem descobertas. E estamos falando apenas de árvores: quando se tratam de vegetais menos, digamos, majestosos, o número de espécies não-catalogadas é ainda maior. Só na Serra do Carajás, no sudeste do Pará, foram descritos 600 tipos pouco conhecidos de samambaias, musgos e flores. A Floresta Nacional de Carajás tem 400 mil hectares; a Amazônia, 550 milhões.

A pesquisa, uma parceria do Museu Paraense Emílio Goeldi e do Instituto Tecnológico Vale que envolveu 74 botânicos de 22 instituições brasileiras e do exterior, será publicado em três volumes da “Rodriguésia”, revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. “O bioma da floresta amazônica é o mais desconhecido do país. São 11 mil espécies descritas. A Mata Atlântica, uma tripa na parte leste do país, tem 15 mil espécies conhecidas”, diz a botânica Ana Maria Giuliette, uma das coordenadoras do projeto. Entre as espécies estudadas está a flor de Carajás, que corre risco de extinção. Como proteger este tesouro?

Quem dá a resposta é nada menos do que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Segundo um estudo da instituição, publicado este mês na “Proceedings of the National Academy of Sciences” (a conceituada revista oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos), o desmatamento foi reduzido em 75% em regiões que passaram a ser oficialmente controladas por índios na Amazônia peruana. O BID usou dados fornecidos pelo Governo do Peru. Hoje, vivem no país cerca de 330 mil indígenas, que controlam cerca de 10 milhões de hectares de florestas no país. Projetos de monitoramento e preservação florestal costumam custar caro. Além de ser mais eficaz, deixar essas tarefas nas mãos de seus guardiões naturais é uma solução mais barata. Então, junte-se a nós nesse grito: demarcação, já!

Saiba mais sobre o estudo do BID: http://portalamazonia.com/noticias/como-a-concessao-de-terras-indigenas-tem-ajudado-na-manutencao-das-florestas



Publicações

Um futuro verde para o deserto

Que fique claro: essa ilustração é apenas uma projeção do futuro, mas o Sahara Forest Project...

Máquina ruralista é movida a PLs

A máquina ruralista é movida a Projetos de Lei. Com a potência de 25 PLs, ela...

Xingu: do Paraíso ao Inferno

Imagina que você mora na sucursal do Paraíso e resolvem transformá-la numa filial do Inferno. Foi...

Macaco não vive sem mata. E vice-versa

Não há macaco em loja de louça na natureza: o equilíbrio é delicadíssimo, tudo está intimamente...

A mineração ainda ronda a Amazônia

Da Serra Pelada, que tinha 150 m de altura, sobrou um lago de 24 mil m²...

Sermão ambiental

O Papa não tem papas na língua - ao menos quando se trata da questão ambiental....

Biodiversidade amazônica

É muita vida em jogo: uma em cada dez espécies conhecidas de animais e vegetais do...

O Cerrado pode ser salvo sem loucura

O Dia do Cerrado deste ano chega pouco depois da notícia de que que o bioma,...

Israel movido a sol

Sabe o que o Brasil tem em comum com Israel? Sol à beça. E os israelenses...

Ciência e saberes tradicionais pelo clima

Quando a ciência convencional se soma aos saberes dos povos tradicionais todos saem ganhando - inclusive...