nosso
Olhar


Biodiversidade sem fim?

Biodiversidade amazônica

É verde que não acaba mais. A capacidade de a Amazônia nos surpreender é inesgotável: a cada dia nos apresenta um novo tom da cor. É uma biodiversidade sem fim. Pesquisadores do Centro Naturalis de Biodiversidade, na Holanda, identificaram 11.676 diferentes árvores na região. O número estimado de espécies amazônicas é de 16 mil; ou seja, ainda faltam quatro mil a serem descobertas. E estamos falando apenas de árvores: quando se tratam de vegetais menos, digamos, majestosos, o número de espécies não-catalogadas é ainda maior. Só na Serra do Carajás, no sudeste do Pará, foram descritos 600 tipos pouco conhecidos de samambaias, musgos e flores. A Floresta Nacional de Carajás tem 400 mil hectares; a Amazônia, 550 milhões.

A pesquisa, uma parceria do Museu Paraense Emílio Goeldi e do Instituto Tecnológico Vale que envolveu 74 botânicos de 22 instituições brasileiras e do exterior, será publicado em três volumes da “Rodriguésia”, revista do Jardim Botânico do Rio de Janeiro. “O bioma da floresta amazônica é o mais desconhecido do país. São 11 mil espécies descritas. A Mata Atlântica, uma tripa na parte leste do país, tem 15 mil espécies conhecidas”, diz a botânica Ana Maria Giuliette, uma das coordenadoras do projeto. Entre as espécies estudadas está a flor de Carajás, que corre risco de extinção. Como proteger este tesouro?

Quem dá a resposta é nada menos do que o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Segundo um estudo da instituição, publicado este mês na “Proceedings of the National Academy of Sciences” (a conceituada revista oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos), o desmatamento foi reduzido em 75% em regiões que passaram a ser oficialmente controladas por índios na Amazônia peruana. O BID usou dados fornecidos pelo Governo do Peru. Hoje, vivem no país cerca de 330 mil indígenas, que controlam cerca de 10 milhões de hectares de florestas no país. Projetos de monitoramento e preservação florestal costumam custar caro. Além de ser mais eficaz, deixar essas tarefas nas mãos de seus guardiões naturais é uma solução mais barata. Então, junte-se a nós nesse grito: demarcação, já!

Saiba mais sobre o estudo do BID: http://portalamazonia.com/noticias/como-a-concessao-de-terras-indigenas-tem-ajudado-na-manutencao-das-florestas



Publicações

Não ao Juízo Final quilombola

Em pleno século XXI ainda há quem meça os negros em arrobas. Somente 115 anos depois...

Marco temporal é regressão ao século XVI

O Brasil está prestes a regredir ao século XVI, com escalas em 2009 e 1988. Para...

O Limpa-folha só existe na foto

Nunca mais ouviremos o canto do Limpa-folha do Nordeste; vê-lo, só em fotos como esta. Assim...

Sem senso de orientação

Os peixes estão nadando na maionese. E a causa é a exploração de petróleo nos oceanos....

Em clima de forno de microondas

Maio e junho em clima de forno de microondas. Segundo o último relatório da Organização Meteorológica...

Munduruku em pé de paz

Os Munduruku estão em pé de paz. Desde ontem, quase duas centenas deles ocupam o canteiro...

Um alvo pintado no peito

É como se cada ambientalista no Brasil tivesse um alvo pintado no peito. Pelo quinto ano...

Caça aos ambientalistas no Brasil

Um cemitério de 8,5 milhões de km². Pelo quinto ano consecutivo, o Brasil é o país...

Um Distrito Federal à deriva

Tem um iceberg do tamanho do Distrito Federal à deriva no oceano. Se ele derreter, vai...

Extinção em massa

Estamos cada vez mais sós. Metade dos animais que um dia povoaram a Terra desapareceram. E...